Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Justiça, a corrupção e o corte histórico

A Justiça, a corrupção e o corte histórico

12/11/2017 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Quando o TFR-4 reduziu a pena do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, o partido festejou.

Agora, ao aumentar de 10 para 24 anos uma das condenações do juiz Sérgio Moro, a decisão é vista como política. Ambas as reações estão erradas.

A Justiça tem o dever de fazer o seu trabalho conforme as provas dos autos, não deve agir politicamente e nem ser alvo de acusações de assim ter se comportado. Os descontentes, em qualquer das hipóteses, têm o caminho do recurso às instâncias superiores e nada mais.

O ocorrido ao tesoureiro também não deve servir de parâmetro a favor ou contra o ex-presidente Lula, o condenado mais famoso que hoje se encontra na dependência do veredicto do TFR-4. Erram os que tentam pressionar para agravar o castigo ao ex-governante, os que procuram minimizar sua culpa e ele próprio que, no repetitivo discurso, se diz inocente.

Para atender aos interesses do Brasil e dos brasileiros, a sentença terá de ser o espelho interpretativo de tudo aquilo que está dentro do processo, tanto a favor quanto contra o réu. Cabe aos julgadores fazer o cotejo entre agravantes e atenuantes e, com base nas técnicas de dosimetria, aplicar a pena condizente. Só dessa forma é que se faz a verdadeira justiça.

Vivemos numa época em que a sociedade evoluiu e colocou às claras os esquemas de corrupção que sustentam os diferentes grupos de poder. É de fundamental importância que a Justiça se mantenha isenta e atenta às folhas dos processos, nunca ao clamor das ruas ou dos grupos de pressão. Quem, com seu comportamento, comete crimes, tem de receber a mais justa punição para que a sociedade seja redimida e, se possível, até ressarcida dos prejuízos sofridos.

Pode-se dizer que marchamos para um corte na história. Muitos poderão não sobreviver política ou empresarialmente, mas o país precisa retomar o seu rumo. As apurações já conhecidas, realizadas pelo Ministério Público e polícias – federal e estaduais – apontam a existência de muitos vícios que criminalizam a vida político-administrativa.

Além da área federal, temos problemas nos estados e municípios, que precisam ser solucionados, doa quem doer, custe o que custar. No lugar das pressões, simulações, versões tendenciosas e outras ações que se tornaram comuns ao dia-a-dia da pátria esbulhada, precisamos de processos responsáveis e sustentáveis, onde os crimes sejam devidamente apurados e os autores justamente punidos. Se não acabarmos com a mentira e a impunidade, elas continuarão acabando com o Brasil e fazendo todo o povo sofrer...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder