Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A liberdade de imprensa

A liberdade de imprensa

07/08/2012 Julio César Cardoso

Segmentos representativos do governo não gostam de ver a mídia brasileira expor os malfeitos de sua administração ou de algum membro do partido.

Tratam os serviços informativos de forma restritiva como se aqui não existisse uma norma constitucional que ampara o direito dos jornais e revistas de trabalharem. Não se trata de defender a intocabilidade da mídia brasileira, porque ela também é pecaminosa.

Mas não se pode negar a verdade: se não fosse a imprensa livre, com todos os seus defeitos, até hoje não se ficaria sabendo o que se passava no subterrâneo da política nacional. Pois, devido à cobertura profissional dessa mídia investigativa e informativa, tão excomungada pelos sectários representantes do partido do governo, foi possível a sociedade se inteirar do maior escândalo da política nacional: o mensalão.

Para que serve o Judiciário brasileiro? Não é para julgar os malfeitos, os atos irregulares, as chantagens, as ofensas, as calúnias, as injúrias etc.? Se a imprensa se comportar mal, cabe aos ofendidos procurar a Justiça. É assim que deve funcionar.

O que não pode é prevalecer o autoritarismo de facções políticas, partidárias ou da imprensa esquerdista, interessadas em mascarar a notícia. Trata-se de um grande equívoco alguém de sã consciência julgar que a imprensa ou algum setor da sociedade sejam intocáveis.

Só que o foro regular para resolver os excessos ou as ilicitudes porventura cometidas não é a arena política e sim o Judiciário. Portanto, no Estado Democrático de Direito, ninguém pode ser impedido de manifestar-se, cabendo aos que se sentirem prejudicados procurar os tribunais competentes para resolver as suas pendengas, pois a passividade de manifestação só pode interessar aos que não querem ouvir a verdade.

Júlio César Cardoso, Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.