Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A literatura, os escritores e a escola

A literatura, os escritores e a escola

15/11/2021 Luiz Carlos Amorim

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico. Isso, dito por elas mesmas.

A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com um escritor, conheça ela a obra dele ou não, é um acontecimento no mínimo singular.

É claro que se ela tiver lido algum texto, algum livro do autor que lhe for apresentando, o interesse pode ser maior.

Descobrir que o escritor é alguém igual a ela, uma pessoa comum que tem o dom da palavra, pode ajudar a criança e perceber que ela é capaz de ser o que ela quiser.

Já fui convidado várias vezes para dar palestras e entrevistas a estudantes do primeiro e segundo graus e sei bem da reação e da receptividade deles.

Eu prefiro dizer que fui conversar com os estudantes do que “dar palestra” e prefiro, também, conversar com o primeiro grau, porque a criança é mais espontânea, participa mais, tem mais interesse do que o adolescente e o jovem, que têm receio de se expor.

O “palestrante” escritor não precisa preparar nada, pois as crianças, os estudantes perguntam, querem saber sobre tudo: o processo de criação, a seleção, o controle de qualidade, a edição, a publicação, a venda – desde o início, da produção do texto, seja ele poesia ou prosa, até chegar às mãos do leitor.

E o resultado disso, o impacto tanto no leitor como no autor. Quando as perguntas terminam, pedem autógrafos, mostram sua própria produção, pedem dicas.

Essa integração entre o escritor e a escola é desejável e existe, em algumas escolas. Não com a frequência e na quantidade de escolas que gostaríamos, mas existe.

Oficialmente, existe um projeto chamado Programa Autor/Escola, que foi lançado há alguns anos em Santa Catarina e chegou a acontecer de fato por algumas poucas vezes.

No entanto, o que existe hoje são iniciativas isoladas de escolas, professores e alguns escritores, em uma outra cidade.

Infelizmente, apesar dos bons objetivos, do incentivo à leitura junto aos leitores em formação e da divulgação do escritor regional, o projeto apenas vem à tona, de tempos em tempos, com promessas de reativação que nunca se cumprem.

O que existe de concreto é o trabalho dos bons professores de Português e Literatura, que convidam escritores de suas respectivas regiões para comparecerem as suas escolas.

E o resultado é fabuloso, com os estudantes recriando a obra lida – sim, porque eles leem – em outras mídias, como teatro, vídeo, poesia, quadrinhos, etc.

Tomara que esses quase dois anos sem escola em razão da pandemia de covid-19 não venha a acabar com o bom trabalho de alguns professores dedicados e abnegados, que conseguiam dar foco à literatura e incutir o gosto e o hábito da leitura nos leitores em formação.

Os escritores do Grupo Literário A ILHA são testemunha de que essa tentativa de valorizar a literatura regional é eficiente, pois vários deles são convidados a falar sobre a sua vida e sua obra em escolas de algumas cidades pelo estado. Independentemente da “cultura oficial”.

* Luiz Carlos Amorim é escritor, editor e revisor, cadeira 19 da Academia Sulbrasileira de Letras e fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA.

Para mais informações sobre escritores clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Administração de escritórios de advocacia requer planejamento e controle de fluxos

A maneira como uma corporação é administrada repercute diretamente em sua evolução.


Mortes e vidas virtuais

Um grande empresário da internet divulgou recentemente a criação de um universo totalmente on-line.


Contra a ignorância política e administrativa

A pesquisa da consultoria Quaest, que encontrou, entre os pesquisados, 78% que apenas “já ouviram falar” do STF e 80% do TSE e o não conhecimento das funções daqueles dois órgãos superiores, é a mais escandalosa prova da ignorância do povo que recentemente, em outro levantamento, também mostrou não saber o que faz o Congresso Nacional.


Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.