Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A melhor resposta ao crescimento sustentado

A melhor resposta ao crescimento sustentado

22/10/2012 Antoninho Marmo Trevisan

Dia 12 de outubro, transcorreram os 20 anos da morte do deputado Ulysses Guimarães, sem dúvida um dos grandes políticos da história brasileira.

Dentre suas obras e contribuições ao ordenamento legal, democrático e jurídico do País está o fabuloso trabalho que realizou, em 1987, como presidente da Assembleia Nacional Constituinte, que culminaria com a promulgação da Carta Magna de 1988.

Nossa Constituição, a despeito de seu avanço no tocante aos direitos individuais e coletivos, preceitos democráticos, políticos, ambientais e sociais irretocáveis, é anacrônica quanto à realidade econômica mundial. E não é de agora, pois seus preceitos relativos a tributos, previdência, relações trabalhistas e outros dispositivos legais com impacto no desempenho econômico já nasceram velhos. Dr. Ulysses sabia disso, assim como as demais lideranças que conduziram o processo constituinte, economistas, empresários e todas as mentes lúcidas deste país.

É exatamente em função dessa consciência que se inseriram na Carta, em suas disposições transitórias, facilidades de trâmite legislativo para a aprovação de emendas. Estas, desde que feitas até cinco anos após a promulgação, poderiam ser aprovadas em turno único, por maioria simples, em sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado.

Cinco? Lá se vão 24 anos desde aquele antológico 5 de outubro de 1988 em que Dr. Ulysses promulgou a Constituição que batizou de “Coragem”. As reformas estruturais da Carta, na profundidade necessária, jamais foram feitas. Assistimos a alguns arremedos, muito distantes da dimensão almejada de um marco legal voltado a estimular e não a reprimir a atividade econômica, os investimentos produtivos, a multiplicação de empresas e a criação de empregos em larga escala.

O Brasil soube reagir muito bem à crise mundial iniciada em 2008, baseado, sobretudo, nas políticas sociais inclusivas, que criaram um mercado interno dinâmico, e em medidas anticíclicas que todos conhecemos. Porém, chegamos a um patamar de estrangulamento da capacidade de continuar crescendo, premidos que somos por impostos muito elevados, relações trabalhistas do século passado, previdência deficitária e injusta com os aposentados e outros obstáculos inseridos ou inspirados nos princípios constitucionais.

Ironicamente, às vésperas do 20º ano sem Ulysses Guimarães, o Fundo Monetário Internacional (FMI), na divulgação de suas estimativas revisadas de crescimento da economia mundial, indica que o PIB brasileiro terá a menor expansão dentre os BRIC e os emergentes, limitando-se a 1,5%. Poderíamos ir muito além, pois há ótimos fundamentos no pensamento econômico que hoje rege a Nação.

Assim, mais do que nunca, é preciso ter coragem para reformar a Constituição. Coragem! Esta é a melhor resposta para reverenciar a memória de Dr. Ulysses e oferecer às gerações futuras as perspectivas de um país verdadeiramente desenvolvido.

Antoninho Marmo Trevisan, é presidente da Trevisan Escola de Negócios, membro do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo e do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes