Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A nova Barbie e a questão de representatividade

A nova Barbie e a questão de representatividade

11/02/2016 Rafaella Iwakura

28 de janeiro de 2016 foi um dia para entrar na história.

Neste dia, e depois de 56 anos, a Mattel anunciou que a sua icônica boneca Barbie terá mudanças significativas. Agora, a boneca apresentará 4 tipos de corpo, 6 tons de pele e diferentes tipos de cabelos e olhos.

Um novo momento na história da empresa está sendo impulsionado, onde as meninas estão encorajadas a se sentirem parte de uma real beleza e de um padrão estético sem padrões.

As respostas dos consumidores na página oficial da Barbie no Facebook não poderiam ser mais positivas:

“Agora sim terei vontade de comprar uma Barbie para a minha irmã mais nova. Amei a iniciativa! Para os que gostam dos modelos ‘antigos’, não precisam se preocupar. Elas não fugirão do mercado. Só temos mais opções e cada um escolhe a que quer”

“Obrigada por ouvir os consumidores! Obrigada por ajudar a ensinar as meninas e meninos que, desde cedo, temos diferenças que nos fazem ser únicos e lindos. Todo o amor pra essa campanha! #atéqueemfim!”

Com isso, a Mattel melhora sua relação com o consumidor e mostra algo às empresas de brinquedos e produtos para crianças: não se pode ignorar o novo contexto social em que vivemos. Discussões sobre representatividade, gênero e feminismo não podem (e nem devem) ser ignoradas.

O consumidor quer ser ouvido, e agora, não no próximo século. Quer se sentir representado nos produtos e consumir dentro de uma lógica menos sexista.

A conectividade traz um mundo sem fronteiras, com mais informação. A informação gera autonomia e permite que o poder de escolha esteja potencializado ao infinito. Inúmeras são as demonstrações da força e do poder de escolha dos consumidores.

É o caso do menino Matias, que teve sua foto ao lado de um boneco de Star Wars viralizada simplesmente porque falou “Eu gosto dele porque é preto igual a mim”. Sincero e direto. E as redes sociais abraçaram Matias, com milhares de likes que mostraram que o menino não está sozinho.

Sábias as empresas que escutam seus consumidores. Quando vejo uma campanha ruim, que não se comunica positivamente com o cliente, ser “detonada” na internet, fico pensando que quem a idealizou certamente está alienado a todas as questões que levantei nesse texto.

Mas como pode? Em que mundo está vivendo? Será que ignora propositalmente todos os sinais? Tento entender o porquê da demora das empresas em mudar o rumo das comunicações, das interações e das ações com o consumidor.

Espero que compreendam esse novo momento e estejam preparadas para ele. Que estejam abertas para a mudança e que se deixem conduzir sabendo mais ouvir do que falar, porque o consumidor não está pra brincadeira não. Representatividade importa sim!

* Rafaella Iwakura é mãe, jornalista e editora do projeto Eduque Com Carinho.



O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.


O trabalho como dever moral e amor ao próximo

Encontrei um amigo do tempo de faculdade, há muitos anos não o via, e ele me disse que se aposentou aos 53 anos como funcionário graduado de uma repartição pública.


A nova CPMF seria bem-vinda

A reforma tributária é o grande destaque de discussões no ambiente político e econômico, no momento.


A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.