Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A “nova normalidade”

A “nova normalidade”

06/07/2020 Valmor Bolan

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.

Ainda incerto quando cessará o período de quarentena, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, muito tem se especulado sobre como será o dia a dia, após esse período de isolamento social.

Muitos se queixam quanto às medidas tomadas, se realmente deveriam ter sido tão drásticas, principalmente quanto ao fechamento do comércio, que acarretou enormes perdas financeiras, com falências de pequenas e médias empresas e desemprego.

Além disso, as escolas permaneceram fechadas (devendo reabrir, parcialmente, provavelmente em setembro), também as igrejas e tantos outros espaços de sociabilidade humana.

A pandemia causou um transtorno sem precedentes na História, desde a Segunda Guerra Mundial, com consequências ainda bastante imprevisíveis, quanto aos efeitos das medidas tomadas para evitar o contágio entre as pessoas (daí o uso massivo das máscaras) e a proliferação do novo coronavírus.

Muito se fala sobre as mudanças de comportamento provocadas pelas medidas de distanciamento social, em que restaurantes, supermercados, lojas e outros estabelecimentos deverão fazer marcas para que as pessoas obedeçam aos protocolos sanitários exigidos de distância um do outro, além da colocação de álcool gel e outros produtos de higiene, etc.

E ainda as restrições dos chamados grupos de risco e dos idosos, que acentuou o isolamento de muitos, numa situação de fragilidade, seja por enfermidade crônica ou velhice.

Mesmo assim, muitos têm buscado superar as dificuldades, para dar conta dos desafios, manter o trabalho e o cuidado da família, em meio a tudo isso.

O que não podemos aceitar é que estas novas regras, caracterizando uma “nova normalidade” não seja algo que venha para ficar, mas que seja realmente provisória, para que não haja uma desumanização nas relações entre as pessoas.

A pandemia não pode ser pretexto para um distanciamento permanente, comprometendo assim a solidariedade.

Por isso temos um grande desafio à nossa frente: superar as dificuldades do momento, sem que se perca o que temos de mais humano.

A “nova normalidade” não pode ser uma regra de conduta que nos escravize a um estilo de vida antinatural.

Faz-se necessário o discernimento para que saibamos distinguir entre o que é preciso fazer para se preservar do vírus e o que se deve valorizar em termos de interação e proximidade humanas.

Que venha a vacina e nos livre desse terrível pesadelo.

* Valmor Bolan é doutor em Sociologia e professor da Unisa. 

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros


Michael Shellenberger expôs que o rei está nu

Existe um ditado que diz: “não é possível comer o bolo e tê-lo.”

Autor: Roberto Rachewsky