Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A “nova normalidade”

A “nova normalidade”

06/07/2020 Valmor Bolan

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.

Ainda incerto quando cessará o período de quarentena, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, muito tem se especulado sobre como será o dia a dia, após esse período de isolamento social.

Muitos se queixam quanto às medidas tomadas, se realmente deveriam ter sido tão drásticas, principalmente quanto ao fechamento do comércio, que acarretou enormes perdas financeiras, com falências de pequenas e médias empresas e desemprego.

Além disso, as escolas permaneceram fechadas (devendo reabrir, parcialmente, provavelmente em setembro), também as igrejas e tantos outros espaços de sociabilidade humana.

A pandemia causou um transtorno sem precedentes na História, desde a Segunda Guerra Mundial, com consequências ainda bastante imprevisíveis, quanto aos efeitos das medidas tomadas para evitar o contágio entre as pessoas (daí o uso massivo das máscaras) e a proliferação do novo coronavírus.

Muito se fala sobre as mudanças de comportamento provocadas pelas medidas de distanciamento social, em que restaurantes, supermercados, lojas e outros estabelecimentos deverão fazer marcas para que as pessoas obedeçam aos protocolos sanitários exigidos de distância um do outro, além da colocação de álcool gel e outros produtos de higiene, etc.

E ainda as restrições dos chamados grupos de risco e dos idosos, que acentuou o isolamento de muitos, numa situação de fragilidade, seja por enfermidade crônica ou velhice.

Mesmo assim, muitos têm buscado superar as dificuldades, para dar conta dos desafios, manter o trabalho e o cuidado da família, em meio a tudo isso.

O que não podemos aceitar é que estas novas regras, caracterizando uma “nova normalidade” não seja algo que venha para ficar, mas que seja realmente provisória, para que não haja uma desumanização nas relações entre as pessoas.

A pandemia não pode ser pretexto para um distanciamento permanente, comprometendo assim a solidariedade.

Por isso temos um grande desafio à nossa frente: superar as dificuldades do momento, sem que se perca o que temos de mais humano.

A “nova normalidade” não pode ser uma regra de conduta que nos escravize a um estilo de vida antinatural.

Faz-se necessário o discernimento para que saibamos distinguir entre o que é preciso fazer para se preservar do vírus e o que se deve valorizar em termos de interação e proximidade humanas.

Que venha a vacina e nos livre desse terrível pesadelo.

* Valmor Bolan é doutor em Sociologia e professor da Unisa. 

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.