Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A “nova normalidade”

A “nova normalidade”

06/07/2020 Valmor Bolan

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.

Ainda incerto quando cessará o período de quarentena, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, muito tem se especulado sobre como será o dia a dia, após esse período de isolamento social.

Muitos se queixam quanto às medidas tomadas, se realmente deveriam ter sido tão drásticas, principalmente quanto ao fechamento do comércio, que acarretou enormes perdas financeiras, com falências de pequenas e médias empresas e desemprego.

Além disso, as escolas permaneceram fechadas (devendo reabrir, parcialmente, provavelmente em setembro), também as igrejas e tantos outros espaços de sociabilidade humana.

A pandemia causou um transtorno sem precedentes na História, desde a Segunda Guerra Mundial, com consequências ainda bastante imprevisíveis, quanto aos efeitos das medidas tomadas para evitar o contágio entre as pessoas (daí o uso massivo das máscaras) e a proliferação do novo coronavírus.

Muito se fala sobre as mudanças de comportamento provocadas pelas medidas de distanciamento social, em que restaurantes, supermercados, lojas e outros estabelecimentos deverão fazer marcas para que as pessoas obedeçam aos protocolos sanitários exigidos de distância um do outro, além da colocação de álcool gel e outros produtos de higiene, etc.

E ainda as restrições dos chamados grupos de risco e dos idosos, que acentuou o isolamento de muitos, numa situação de fragilidade, seja por enfermidade crônica ou velhice.

Mesmo assim, muitos têm buscado superar as dificuldades, para dar conta dos desafios, manter o trabalho e o cuidado da família, em meio a tudo isso.

O que não podemos aceitar é que estas novas regras, caracterizando uma “nova normalidade” não seja algo que venha para ficar, mas que seja realmente provisória, para que não haja uma desumanização nas relações entre as pessoas.

A pandemia não pode ser pretexto para um distanciamento permanente, comprometendo assim a solidariedade.

Por isso temos um grande desafio à nossa frente: superar as dificuldades do momento, sem que se perca o que temos de mais humano.

A “nova normalidade” não pode ser uma regra de conduta que nos escravize a um estilo de vida antinatural.

Faz-se necessário o discernimento para que saibamos distinguir entre o que é preciso fazer para se preservar do vírus e o que se deve valorizar em termos de interação e proximidade humanas.

Que venha a vacina e nos livre desse terrível pesadelo.

* Valmor Bolan é doutor em Sociologia e professor da Unisa. 

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?