Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A pandemia e a salvação nacional

A pandemia e a salvação nacional

02/04/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A pandemia do coronavírus é mais um flagelo da humanidade.

Faz-se presente em 186 países, onde já contaminou 830 mil e matou mais de 41 mil pessoas. No Brasil, temos quase 6 mil contaminados, 202 mortos e muita incerteza de como o mal se comportará nas próximas semanas e meses.

É esse grande ponto de interrogação que leva ao toque de recolher vigente há dias e à possibilidade de que os danos e sofrimentos causados pelo recesso possam ser maiores do que os do próprio vírus.

Impatriótico é o comportamento das autoridades que, em vez de se unirem em busca da melhor solução, partem para o confronto e, miseravelmente, para a priorização de suas diferenças políticas, ideológicas e até dos interesses eleitoreiros.

Divididas, as forças da sociedade detentoras do poder, tendem a ser menos eficientes no cumprimento de seus deveres e o mal a se avolumar, em prejuízo de toda a população.

Presidente, governadores, prefeitos, ministros, secretários e todos os detentores de alguma parcela de poder, seja ele público ou privado, têm de chegar a um acordo de salvação nacional. Vencida a pandemia, que voltem às respectivas posições.

Mas, enquanto tivermos a incerteza de que  nós próprios ou nossos familiares e amigos poderemos em breve estar mortos pela Covid-19, temos é de buscar prioritariamente salvar a própria vida pois, sem ela, nada mais existirá.

Precisamos de alguém com representatividade que seja capaz de construir o grande acordo e levar todos a remarem para um mesmo lado com a certeza de que, divididos, todos perderão.

É preciso dizer ao povo, massa de manobra, que não é hora de fazer concentrações ou manifestações, até porque elas estão proibidas em função da possibilidade de contaminação.

E que os panelaços, independente se contra ou a favor do presidente, também são extemporâneos nesse momento em que temos um inimigo comum, silencioso e letal a combater.

Guardem suas energias para momentos mais apropriados em que o ambiente esteja mais salubre para se reunirem e manifestar seu descontentamento, satisfação ou qualquer outro sentimento de que estejam possuídos. Agora não é hora!

Panelaço nessa hora é pura rebeldia sem causa, por mais causas e razões que seus praticantes possam invocar. Ele nada produzirá, mas servirá para no todo enfraquecer a República e suas instituições, e tornar mais difícil ainda a solução dos problemas.

No momento, o melhor a fazer é torcer e se possível trabalhar para que os governantes se entendam e acertem na estratégia e na medida do combate à tormenta, que tememos estar apenas no começo. Pensem nisso…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.