Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A pandemia e a sujeira invisível

A pandemia e a sujeira invisível

23/12/2020 Cássia Almeida

Até o começo de 2020, quando a pandemia de Covid-19 começou a ter seus primeiros casos no mundo, a limpeza de um ambiente era medida com base na sujidade, que é a sujeira física, aquela que podemos ver.

Mas, com um vírus perigoso circulando entre as pessoas, outro tipo de sujeira passou a chamar a atenção das pessoas comuns: a sujeira que não se vê.

Por causa dela, a rotina dos profissionais de limpeza mudou muito. A higienização, que é a prática adequada, antes era adotada como padrão principalmente em áreas críticas, como as hospitalares.

Com a pandemia, esse tipo de protocolo passa a ser necessário em todos os ambientes, com maior frequência, à medida que entendemos que não basta que os espaços estejam limpos, eles precisam estar higienizados.

Com base em testes que estudaram o tempo de duração do vírus em diferentes superfícies e na quantidade de pessoas que circulam pelos diferentes ambientes, foi possível começar a estabelecer protocolos de segurança sanitária para que essa higienização seja realizada.

As pessoas também passaram a falar cada vez mais sobre a importância de se higienizar tudo aquilo com que se tem contato no dia a dia.

Mas o que é higienizar de verdade? A limpeza nada mais é que a retirada da sujidade, realizada com equipamentos adequados – que vão de mops a máquinas profissionais - e com produtos como o detergente e o limpa-vidros, por exemplo, capazes de retirar essa sujeira visível.

Para higienizar, esses protocolos não bastam. É preciso, na sequência, desinfetar, ou seja, retirar não apenas a sujidade, mas também os micro-organismos presentes nos espaços.

Aqui, também são utilizados equipamentos próprios que, muitas vezes, são os mesmos da limpeza. No entanto, o produto passa a ser o desinfetante. A higienização, então, é o resultado dos processos de limpeza e desinfecção somados.

Ao longo da história, os seres humanos associam a limpeza ao odor. Seguindo essa lógica, uma sala que está cheirosa está, automaticamente, limpa.

Essa é uma visão equivocada da limpeza e uma das provas disso são os hospitais e outras unidades de saúde.

Embora não tenham o famoso “cheiro de limpeza”, esses lugares são rigorosamente higienizados justamente para evitar a proliferação de micro-organismos causadores de doenças.

Daí a importância da limpeza profissional neste momento de crise sanitária. Esta não é a primeira vez na história que a “sujeira invisível” compromete a saúde das pessoas.

Há cerca de dez anos houve a “gripe suína” e, com ela, o ato de lavar as mãos ganhou atenção especial. Novamente, cá estamos, incentivando essa prática para evitar uma sujeira invisível que compromete a saúde física, mental, emocional, econômica e até política.

Profissionais de limpeza devidamente capacitados são fundamentais para determinar as melhores formas e a frequência ideal para realizar a higienização e proteger a saúde de todos.

Só eles saberão detalhes como proporção de diluição dos produtos, quanto tempo é necessário para que eles façam efeito, entre outras informações.

Em um cenário pandêmico, mais que em qualquer outra perspectiva, a crença de que todos nascem sabendo limpar não funciona.

"É urgente que as pessoas compreendam que, assim como o departamento administrativo de uma empresa tem seus procedimentos, a limpeza profissional também os tem. E que passem a dar a esses profissionais o valor que eles realmente têm para a sociedade, construindo uma cultura de colaboração para que a higienização realizada pelos profissionais de limpeza dure por mais tempo e, principalmente, entendendo que a saúde é uma responsabilidade de todos e que lavar as mãos com frequência, utilizar álcool em gel e utilizar uma máscara limpa em ambientes coletivos podem salvar vidas."

* Cássia Almeida é superintendente executiva da Fundação de Asseio e Conservação, Serviços Especializados e Facilities (Facop).

Fonte: Central Press



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques