Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A periferia abandonada

A periferia abandonada

09/07/2013 Floriano de Lima Nascimento

O noticiário das televisões nos causa forte impacto quando focaliza a situação lamentável do que se passa nas regiões periféricas das grandes cidades, entre elas Belo Horizonte.

Ruas sem calçamento, matagais, onde se escondem cobras e outros animais perigosos, valas, esgotos a céu aberto, falta ou deficiência de iluminação, que são causas de assaltos à mão armada, homicídios e até estupros, fazem parte do dia-a-dia de quem é obrigado a viver em lugares que não dignificam a vida humana.

As denúncias feitas na imprensa têm sempre a mesma resposta: estamos tomando providências para resolver o problema o mais rapidamente possível.

Mesmo que se tratasse de informação verdadeira, dever-se-ia indagar: porque se deixou que a situação chegasse a esse ponto? Por que os bairros mais distantes não recebem visitas periódicas de profissionais encarregados de impedir que haja descalabros de tal proporção?

Deve-se atentar ao fato de que, nas periferias, reside um grande número de pessoas, doentes e idosos, juntamente com trabalhadores, que prestam serviços nas regiões centrais da cidade, tendo, portanto, de atender a rígidos horários.

Causa má impressão – o desinteresse, descaso, omissão e mesmo discriminação a surrada resposta de que os descalabros objetos de reclamação serão logo normalizados, até porque isso não costuma ocorrer.

Deve-se pensar em outras soluções, até mesmo em penalidades pecuniárias capazes de ressarcir os prejudicados pela precária prestação de serviços, causadora de prejuízo e desconforto, principalmente aos moradores mais humildes da cidade.

É bom lembrar que eles têm os mesmos direitos dos que vivem, em Belo Horizonte, na Savassi, no Santo Agostinho, no Belvedere e em outros bairros denominados de “Classe “A”.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.