Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A periferia abandonada

A periferia abandonada

09/07/2013 Floriano de Lima Nascimento

O noticiário das televisões nos causa forte impacto quando focaliza a situação lamentável do que se passa nas regiões periféricas das grandes cidades, entre elas Belo Horizonte.

Ruas sem calçamento, matagais, onde se escondem cobras e outros animais perigosos, valas, esgotos a céu aberto, falta ou deficiência de iluminação, que são causas de assaltos à mão armada, homicídios e até estupros, fazem parte do dia-a-dia de quem é obrigado a viver em lugares que não dignificam a vida humana.

As denúncias feitas na imprensa têm sempre a mesma resposta: estamos tomando providências para resolver o problema o mais rapidamente possível.

Mesmo que se tratasse de informação verdadeira, dever-se-ia indagar: porque se deixou que a situação chegasse a esse ponto? Por que os bairros mais distantes não recebem visitas periódicas de profissionais encarregados de impedir que haja descalabros de tal proporção?

Deve-se atentar ao fato de que, nas periferias, reside um grande número de pessoas, doentes e idosos, juntamente com trabalhadores, que prestam serviços nas regiões centrais da cidade, tendo, portanto, de atender a rígidos horários.

Causa má impressão – o desinteresse, descaso, omissão e mesmo discriminação a surrada resposta de que os descalabros objetos de reclamação serão logo normalizados, até porque isso não costuma ocorrer.

Deve-se pensar em outras soluções, até mesmo em penalidades pecuniárias capazes de ressarcir os prejudicados pela precária prestação de serviços, causadora de prejuízo e desconforto, principalmente aos moradores mais humildes da cidade.

É bom lembrar que eles têm os mesmos direitos dos que vivem, em Belo Horizonte, na Savassi, no Santo Agostinho, no Belvedere e em outros bairros denominados de “Classe “A”.



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.