Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A pesquisa prévia de informações sobre candidatos

A pesquisa prévia de informações sobre candidatos

19/04/2012 Fernando Borges Vieira

Em 2008 introduziu-se o artigo 442-A no seio da Consolidação das Leis do Trabalho, passando a ser proibido ao empregador exigir de um candidato à vaga de emprego experiência superior a seis meses.

Antecedentemente, a Lei 9.029/95 vetou qualquer prática discriminatória e limitativa para acesso a emprego por motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar ou idade. Além, passou a ser considerado crime – apenado com detenção de um a dois anos e multa – a exigência de teste, exame, perícia, laudo, atestado, declaração ou qualquer outro procedimento relativo à esterilização ou a estado de gravidez, bem como a adoção de quaisquer medidas, de iniciativa do empregador, que configurem indução ou instigamento à esterilização genética ou promoção do controle de natalidade.

Enfim, são apenas exemplos de regras e limites a serem observados pelo empregador quando do processo seletivo de candidatos à vaga de emprego. Contudo, o que é de direito ao empregador exigir e saber dos candidatos? Antes de responder tal pergunta creio por oportuno promover um breve exercício de raciocínio, iniciando-se pelo próprio conceito de empregador estampado no artigo 2º da Consolidação das Leis do Trabalho: Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço.

Ora, se empregador é aquele que assume o risco de sua atividade econômica, não de pode negar-lhe o direito (se não dever) de contratar profissionais que venham ao encontro de suas expectativas e tenham o perfil desejado para o melhor desenvolvimento das atividades empresariais. Concordamos com os limites legais, abominando o preconceito como causa impeditiva ou limitativa da contratação de um profissional, pois nossa crença segue no sentido de prevalência da capacidade.

Todavia, não concordamos com a ideia de que o empregador seja impedido de conhecer com a necessária profundidade as qualidades daquele que se apresenta como candidato, tanto as profissionais como as pessoais, dono do negócio que é. Não se pode, portanto, retirar do empregador o direito de optar entre a contratação de um ou outro candidato utilizando-se, para tanto, da pesquisa acerca de informações.

Neste sentido – e respondendo ao questionamento acima – pode o empregador valer-se de informações públicas como, por exemplo, a existência ou não de inquéritos policiais; a existência ou não de ações judiciais; a existência ou não de títulos protestados ou registro nos serviços de proteção ao crédito.

Recentemente a 2ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, ao julgar o Recurso de Revista 38100-27.2003.5.20.0005, adotou o voto de lavra do Relator Ministro Renato de Lacerda Paiva, não conhecendo o recurso interposto pelo Ministério Público do Trabalho da 20ª Região, por meio do qual se discutia a possibilidade ou não do empregador realizar pesquisa junto às entidades de proteção ao crédito, aos órgãos policiais e ao poder judiciário, sob o escopo de subsidiar o processo de seleção para contratação de empregados, adotando-se o posicionamento de que esta prática não afronta a intimidade, vida privada, honra ou imagem destes.

Este posicionamento não é unânime, importando registrar que a 3ª, 4ª e 5ª Turma do mesmo Superior Tribunal do Trabalho mantém compreensão diversa, conforme decisões proferidas, respectivamente, nos autos dos Recursos de Revista 88400-17.2009.5.09.0513, 9890300-27.2005.5.09.0014 e 9891800-65.2004.5.09.0014. Perceba-se, a decisão da 2ª Turma é mais atual, não apenas cronologicamente, mas sob o aspecto de compreensão de nossa realidade, pois não me parece razoável que o empregador não possa – dentro da legalidade e moralidade – obter informações sobre aqueles a quem entregará a condução de seu negócio e a consecução de seus objetivos.

Eis, pois, nossa recomendação aos empregadores, qual seja, a de que – sem ferir intimidade, privacidade, honra ou imagem dos candidatos – exerça a prerrogativa de informar-se sobre as qualidades dos mesmos de sorte a minorar, o quanto possível, os riscos da atividade econômica que desenvolve. Por fim, um derradeiro questionamento.

Sendo possível promover a pesquisa de banco de dados públicos e desenvolvendo o poder judiciário suas atividades sob o princípio da publicidade, por que se vetou, então, a criação de um cadastro de autores de reclamações trabalhistas? Salvaguardando-se aqueles que pleiteiam justamente seus direitos, pois defendemos a correta observância da lei, quem sabe não seria um caminho para se evitar os “reclamantes profissionais”

*Fernando Borges Vieira é Sócio Sênior responsável pela Área Trabalhista do Escritório Manhães Moreira Advogados Associados.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso