Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A polêmica da escola cívico-militar

A polêmica da escola cívico-militar

20/05/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A criação da primeira escola cívico-militar no Estado de São Paulo está causando tensão em Sorocaba.

O conselho escolar e o Ministério Público rejeitam a adoção do novo regime na Escola Municipal Matheus Maylasky que, mesmo assim, recebeu, na última segunda-feira (17), a equipe de 13 militares para sua gestão.

Desde o ano passado, a transformação vem causando controvérsias. Uma liminar emitida pela Vara da Infância e da Juventude, em ação proposta pela promotora Cristina Palma, suspendeu o processo de instalação militar, sob o argumento de que a pesquisa sobre a mudança de regime abrangeu apenas 30% da comunidade escolar e o conselho da escola a rejeitou por 11 votos a 4.

Também argumentou a representante do MP que, localizada no centro da cidade, a escola aprova 99% do seu alunado, estando assim fora do objetivo do Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares (Pecim), de contribuir para melhorar o ensino, além de reduzir os índices de violência, repetência e abandono escolar. A tese é que o programa deve se implantar em escolas vulneráveis.

Durante a apresentação dos militares, pais de alunos protestaram contra a mudança e, no dia seguinte, a juíza Erna Thecla Maria Hakvood determinou a suspensão da militarização, apontando que a prefeitura não esperou a conclusão das análises pedidas pelo Conselho Municipal de Educação sobre o cumprimento das normas do Pecim. Também fixou multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento da ordem judicial.

A polêmica, salvo melhor juízo, é desnecessária e agora vai exigir equilíbrio e modulação diante das barreiras estabelecidas. Parece ser mais um caso de inadequação da mudança para a escola escolhida do que rejeição ao sistema de aprendizado cívico-militar.

Espera-se que o prefeito sorocabano e sua equipe consigam achar o ponto de equilíbrio com a comunidade escolar e a contenda se resolva satisfatoriamente.

Mas toda discussão deixa subsídios. Desta restará a lição de que a mudança de regime escolar-disciplinar não deve ser aplicada a escolas com boa avaliação e produtividade, como se  informa ser o caso da Matheus Maylasky.

O ensino cívico-militar, que tem o apoio pessoal do presidente Jair Bolsonaro, apresenta bons resultados em diferentes pontos do país e poderá ser a solução em pontos problemáticos da rede escolar. É preciso, no entanto, ter sólidas justificativas para ser adotado.

É importante declarar que esse sistema não pode ser o simples contraponto à nefasta ideologização ocorrida no magistério e no meio escolar durante as ultimas décadas. Sua aplicação tem de ser voltada para critérios cívicos e sociais, sem a aplicação de viés político-ideológico.

Trocar a esquerda pela direita seria a manutenção do indevido, visto que o aluno deve ser levado a conhecer, raciocinar e, ele próprio, com o resultado do aprendizado, fazer a sua opção ou, se assim o pretender, manter-se em neutralidade.

A escola não pode ser meio difusor de doutrinas políticas e ideologias, mas de formatos e meios para que cada um encontre o caminho que lhe seja mais adequado.

Quanto à escola cívico-militar, espera-se que sejam disseminadas e bem recebidas pelas comunidades como mais um serviço à disposição da população e jamais possam ser usadas como meio de ativismo político-ideológico.

A cultura militar, apesar de todo o proselitismo que as correntes políticas criaram em nosso país, é apolítica e voltada para as boas práticas. Se aplicada de outra forma, não atende às necessidades do povo.

Que se mantenham e ampliem as escolas e todas elas sejam centros apolíticos de aprendizado e qualificação de nossos jovens. Capazes de ensinar o aluno a conhecer, refletir e tomar a melhor decisão para a sua vida e a comunidade.

Sem qualquer conotação ao movimento que ganha corpo no país, precisamos das escolas sem partido. Que os partidos e a política – também importantes para o país – fiquem em seus devidos lugares, mas nunca dentro da sala de aula…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre escola cívico-militar clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso