Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A polêmica intervenção na gestão da Petrobras

A polêmica intervenção na gestão da Petrobras

17/03/2021 Ana Cláudia Finger

Para o cumprimento de suas múltiplas finalidades e movido por critérios de racionalidade e maior especialização funcional, o Estado descentraliza suas atividades administrativas que passam a ser exercidas por entes de personalidade jurídica própria, portanto, com poder de decisão em matéria específica (fixada em lei), com patrimônio e quadro de pessoal próprios.

São entidades concebidas para o exercício de atividades típicas de Estado, como o serviço público e o poder de polícia realizado pelas autarquias, ou para o desenvolvimento de atividades econômicas, caso das empresas públicas e sociedades de economia mista.

A atuação estatal no domínio econômico – diga-se, intervenção – qualifica uma atuação empresarial do Estado que se realiza por entidades que se submetem ao regime privado, mais adequado à obtenção das finalidades visadas com a sua criação: atuação estatal com objetivos estritamente econômicos, em regime de competitividade com a iniciativa privada.

É o caso da Petrobrás, sociedade de economia mista criada para a exploração de atividades econômicas e com o objetivo de ser competitiva no mercado.

Sem embargo da autonomia e capacidade de auto-administração dessas entidades, é certo que elas não atuam de modo absolutamente independente do ente central que as criou (a União Federal, no caso da Petrobras).

Elas estão submetidas a um mecanismo de controle realizado pelo órgão da Administração central com o objetivo de assegurar a execução dos serviços especializados de modo compatível com os fins e valores que determinaram a sua criação.

É importante destacar, no entanto, que o escopo e a abrangência desse controle devem levar em consideração as atividades realizadas pelas entidades descentralizadas, notadamente aquelas que se dedicam à exploração de atividades econômicas.

Isso porque a flexibilização da sua gestão é fundamental para que a entidade possa atuar no domínio econômico como agente especulador de riqueza.

A nomeação de dirigentes de estatais é um mecanismo de tutela administrativa que se realiza nos limites previstos em lei.

No exercício dessa competência, o ente central detém a prerrogativa de colocar na direção da entidade pessoas de sua confiança, com perfil e formação adequados ao cumprimento das finalidades institucionais da entidade.

Por isso, a divulgação da alteração no comando da Petrobras, pelo Presidente da República não deveria causar tanta polêmica.

Não deveria, se fôssemos observar apenas os limites legais do exercício do controle administrativo, e se essa alteração se desse efetivamente com a finalidade de nomear um dirigente com perfil e formação adequados ao cumprimento das finalidades da entidade: a exploração de atividade econômica.

No entanto, o que se percebe a partir das manifestações do Presidente da República, é que a alteração no comando da Petrobras se deu em razão da sua insatisfação com a política de preços dos combustíveis.

E, nessa esteira, sob o argumento de se tratar de uma estatal que está ‘a serviço dos brasileiros’, o presidente da República observa como adequada, a alteração no comando da entidade, a fim de conferir uma nova dinâmica à empresa que, assim, realizaria o controle de preços dos combustíveis e cumpriria sua “função social”.

Essa ideia, além de constituir um equívoco, tem consequências gravíssimas: após o anúncio da alteração no comando da Petrobras, as ações da empresa caíram vertiginosamente causando irreparáveis prejuízos à entidade e seus sócios, dentre os quais o Estado, seu maior acionista – em direção absolutamente oposta às finalidades da estatal que, concebida para desenvolver atividades no domínio econômico, deve ser competitiva no mercado.

A função social da entidade exploradora de atividade econômica é alcançada sempre que, observada a tríplice dimensão do desenvolvimento (ambiental, econômico e social), a entidade estatal dê o adequado cumprimento às finalidades que ensejaram a sua criação: a obtenção de recursos econômicos para o Estado.

Trata-se, em verdade, da realização do interesse público que, aliás, é inseparável de toda e qualquer atividade do Estado, mesmo quando ele desenvolve atividades econômicas.

Tanto assim é que a intervenção estatal no domínio econômico, área de titularidade do setor privado, somente é realizada quando, por determinação constitucional, estiverem presentes os imperativos de segurança nacional e relevante interesse coletivo (art. 173, CF).

A intervenção do executivo central não pode ser um entrave à atuação do Estado no domínio econômico. Ela não pode comprometer os objetivos e as funções essenciais da estatal que tem como finalidade a exploração de uma atividade econômica e, assim, conseguir atuar no mercado em regime de competição.

A autonomia de gestão da estatal é fundamental para que a entidade possa seguir como um importante mecanismo de atuação do Estado na economia e, assim, assegurar cumprimento ao interesse público que ensejou a sua criação.

* Ana Cláudia Finger é advogada, mestre em Direito do Estado, professora da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.

Para mais informações sobre Petrobrás clique aqui…

Fonte: Central Press



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan