Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A polêmica Judiciário-CNJ

A polêmica Judiciário-CNJ

03/01/2012 Dirceu Cardoso Gonçalves

A polêmica entre os magistrados e o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) provoca uma temerária insegurança à sociedade. Juízes e servidores do Judiciário conseguiram suspender, no Supremo Tribunal Federal, as ações do Conselho que, segundo reclamam, abriu indevidamente as contas e dados bancários e funcionais da classe, ferindo o direito constitucional ao sigilo.

A corregedora do CNJ, por sua vez, nega que tenha aberto os dados, mas defende o direito de fiscalizar os rendimentos e eventuais vantagens pagos. Como decidiram pela suspensão das ações do Conselho até a decisão sobre a constitucionalidade de seu trabalho, os dois ministros paulistas do STF são duramente criticados. Há muitos anos discute-se a instituição do controle externo do Judiciário. Seus membros, no entanto, lutam pelo autocontrole como meio de manter a independência do poder. Os constituintes de 88 deram a atividade ao agora combatido CNJ, composto por membros do próprio Judiciário. O que se questiona neste momento nem chega a ser a fiscalização, mas a publicidade das ações antes da efetiva apuração.

Um meio de estancar as notícias sobre vantagens indevidas que os tribunais teriam pago a seus membros é a argüição da inconstitucionalidade dessa ação. Pelo menos até a decisão do mérito, o principal não virá a público, apesar da polêmica estabelecida. É importante termos em mente que todo funcionário público tem suas obrigações funcionais e deve sujeitar-se aos limites – principalmente de salários e vantagens – estabelecidos em lei. Desde que se fixou tetos de remuneração, muitos servidores de alto escalão passaram a ser questionados e a questionar direitos adquiridos que os colocam acima dos limites. Isso é um assunto tabu no Judiciário e esse tabu acaba de ser quebrado pelo CNJ, provocando a rebelião. Juízes, policiais e servidores em geral têm o direito de auferir bons salários. Capazes de prover o seu sustento sem a necessidade de recorrer a bico ou funções extras e, muito menos, à corrupção.

Em se tratando de salários e vantagens pagos pelo cofre público, não há porque sonegar a informação ao contribuinte. Deve ser algo pago com todas as justificativas e embasamento legal existentes e sem qualquer vergonha ou constrangimento de quem recebe. Afinal, esse é o seu direito. Mercê dos escândalos e dos maus hábitos do meio, a população brasileira nutre grande descrédito em relação ao Executivo e ao Legislativo. O Judiciário, apesar de sua lentidão, ainda goza de prestígio junto à comunidade, funcionando como último reduto para a busca da legalidade e da cidadania.

Espera-se que seus membros não se percam na polêmica improdutiva e consigam encontrar um meio justo, legal e transparente do CNJ cumprir sua função e da classe não se sentir ameaçada. Que todos os pagamentos e recebimentos sejam resultantes do estrito cumprimento da lei e, assim, ninguém os precise esconder. A sociedade não é contra as apurações e nem ao dever de ressarcimento ao erário de quantias que possam ter sido pagas indevidamente. Mas a apuração de possíveis irregularidades não pode ser política ou pessoal e nem colocar em xeque a instituição e, principalmente, sua credibilidade...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves* é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes