Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A polêmica Judiciário-CNJ

A polêmica Judiciário-CNJ

03/01/2012 Dirceu Cardoso Gonçalves

A polêmica entre os magistrados e o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) provoca uma temerária insegurança à sociedade. Juízes e servidores do Judiciário conseguiram suspender, no Supremo Tribunal Federal, as ações do Conselho que, segundo reclamam, abriu indevidamente as contas e dados bancários e funcionais da classe, ferindo o direito constitucional ao sigilo.

A corregedora do CNJ, por sua vez, nega que tenha aberto os dados, mas defende o direito de fiscalizar os rendimentos e eventuais vantagens pagos. Como decidiram pela suspensão das ações do Conselho até a decisão sobre a constitucionalidade de seu trabalho, os dois ministros paulistas do STF são duramente criticados. Há muitos anos discute-se a instituição do controle externo do Judiciário. Seus membros, no entanto, lutam pelo autocontrole como meio de manter a independência do poder. Os constituintes de 88 deram a atividade ao agora combatido CNJ, composto por membros do próprio Judiciário. O que se questiona neste momento nem chega a ser a fiscalização, mas a publicidade das ações antes da efetiva apuração.

Um meio de estancar as notícias sobre vantagens indevidas que os tribunais teriam pago a seus membros é a argüição da inconstitucionalidade dessa ação. Pelo menos até a decisão do mérito, o principal não virá a público, apesar da polêmica estabelecida. É importante termos em mente que todo funcionário público tem suas obrigações funcionais e deve sujeitar-se aos limites – principalmente de salários e vantagens – estabelecidos em lei. Desde que se fixou tetos de remuneração, muitos servidores de alto escalão passaram a ser questionados e a questionar direitos adquiridos que os colocam acima dos limites. Isso é um assunto tabu no Judiciário e esse tabu acaba de ser quebrado pelo CNJ, provocando a rebelião. Juízes, policiais e servidores em geral têm o direito de auferir bons salários. Capazes de prover o seu sustento sem a necessidade de recorrer a bico ou funções extras e, muito menos, à corrupção.

Em se tratando de salários e vantagens pagos pelo cofre público, não há porque sonegar a informação ao contribuinte. Deve ser algo pago com todas as justificativas e embasamento legal existentes e sem qualquer vergonha ou constrangimento de quem recebe. Afinal, esse é o seu direito. Mercê dos escândalos e dos maus hábitos do meio, a população brasileira nutre grande descrédito em relação ao Executivo e ao Legislativo. O Judiciário, apesar de sua lentidão, ainda goza de prestígio junto à comunidade, funcionando como último reduto para a busca da legalidade e da cidadania.

Espera-se que seus membros não se percam na polêmica improdutiva e consigam encontrar um meio justo, legal e transparente do CNJ cumprir sua função e da classe não se sentir ameaçada. Que todos os pagamentos e recebimentos sejam resultantes do estrito cumprimento da lei e, assim, ninguém os precise esconder. A sociedade não é contra as apurações e nem ao dever de ressarcimento ao erário de quantias que possam ter sido pagas indevidamente. Mas a apuração de possíveis irregularidades não pode ser política ou pessoal e nem colocar em xeque a instituição e, principalmente, sua credibilidade...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves* é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



O bullying retorna a sala de aula

Os últimos anos trouxeram intensa mudança para o universo escolar.

O bullying retorna a sala de aula

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.


Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


Expectativa de grande crescimento

Em função da pandemia causada pela covid-19, os anos de 2020 e 2021 foram bastante desafiadores, particularmente para a indústria de máquinas e equipamentos.


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento