Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A privacidade como diferencial competitivo

A privacidade como diferencial competitivo

05/01/2023 Lucelia Bastos Gonçalves Marcondes

Dar segurança aos clientes sobre a proteção de dados pessoais é, cada vez mais, fundamental para se destacar no mercado.

Responda rápido. Que fatores aumentam a competitividade de sua empresa? Provavelmente, a resposta incluirá gestão de custos, qualidade do produto ou serviço, monitoramento do mercado, inovação, marketing.

E, se ainda não o fez, acrescente a forma como protege a privacidade dos clientes. Trata-se de grande diferencial competitivo na era em que dados pessoais são coletados e usados como nunca pelas organizações.

Como fazer isso? Vamos ao início. A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) está vigente desde setembro de 2020 e tem como objetivo proteger os direitos fundamentais de liberdade, privacidade e o livre desenvolvimento da pessoa natural.

Para isso, regulamenta o tratamento de dados que permitem identificar ou tornar identificável um indivíduo, bem como os dados que possam causar discriminação ou implicar situação de risco, fragilidade ou dano.

A LGPD se fez necessária diante do avanço tecnológico, principalmente pelo uso massivo de dados na compilação de informações de análise comportamental e formação de perfil para a oferta e venda de produtos e serviços.

Cada clique em uma página na internet, o preenchimento de um cadastro ou mesmo a captura de imagens dentro de uma loja são informações que podem ser usadas para a formação de um perfil de compra ou preferência.

A proteção dessas informações garante a privacidade dos titulares dos dados e o tratamento correto, de acordo com as regras da LGDP, permitindo à empresa ganhar espaço no mercado, tanto pelo viés reputacional como pelo organizacional.

A lei brasileira de proteção de dados determina que o agente de tratamento comunique à autoridade nacional e ao titular a ocorrência de incidente de segurança que lhe possa acarretar risco ou dano.

De acordo com a gravidade do incidente, a empresa poderá ser solicitada a divulgar amplamente o fato ocorrido nos meios de comunicação.

Tal sanção poderá causar um considerável dano reputacional perante fornecedores, parceiros de negócios e, especialmente, diante do cliente que compartilha o que ama, o que odeia e, mais ainda, o que o afeta diretamente de forma negativa.

Do ponto de vista da empresa, a LGPD é benéfica, ao passo que propõe aos controladores e operadores a formulação de regras de boas práticas e de governança que estabeleçam condições de organização, regime de funcionamento, normas de segurança, ações educativas, mecanismos internos de supervisão e de mitigação de riscos, além de outros aspectos relacionados ao tratamento de dados pessoais.

Quanto ao estabelecimento e à manutenção das relações comerciais, as empresas de grande porte, que já contam com uma estrutura dedicada à proteção de dados, estão optando por fechar negócios apenas com outras que mantenham um programa de conformidade com a LGPD.

O mesmo ocorre com as empresas públicas, cujos editais licitatórios exigem adequação à legislação de privacidade e proteção de dados como requisito de participação, evidenciando a vantagem competitiva gerada pela observância aos mandamentos de privacidade.

Para obter essa vantagem, não basta apenas comunicar que está em conformidade, é preciso adotar regras de boas práticas e de governança efetivas que permitam definição de responsabilidades e deveres, organização financeira, redução de despesas, bem como o desenho dos processos internos que possibilitam à empresa conhecer a realidade do bem ou serviço ofertado, de modo a direcionar esforços para corrigir falhas e investir no crescimento e na atuação diferenciada perante os concorrentes.

A LGPD não faz menção específica a qualquer outra norma que possa servir de orientação à adoção de boas práticas.

Contudo, a ABNT NBR ISO/IEC, da família 27000, serve como generosa base para um sistema de gerenciamento da segurança da informação (SGSI) que atenda a vários requisitos de privacidade.

Em especial, a ABNT NBR ISO/IEC 27002 estabelece diretrizes para a segurança da informação, servindo como um código de prática recentemente atualizado para considerar novos controles de segurança, inclusive com o acréscimo de um tópico destinado à privacidade e à proteção de dados pessoais.

A norma propõe que a organização identifique e atenda os requisitos relativos à preservação da privacidade e proteção de dados de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis.

Para isso, convenciona-se que o compliance desses procedimentos e o cumprimento da legislação pertinente exige papéis, responsabilidades e controles adequados, cujo resultado é melhor obtido com a nomeação de um responsável, como um encarregado de proteção de dados.

Também trata de questões específicas, como a abordagem da segurança da informação nos contratos de fornecedores, resposta e aprendizado com incidentes de segurança da informação, exclusão de informações, mascaramento de dados e prevenção de vazamento de dados.

Para estar de acordo com as regras de privacidade e proteção de dados, orienta-se que a organização busque profissionais especializados, que possam atuar de forma específica de acordo com o ramo de atividade da empresa, possibilitando, assim, uma vantagem competitiva a partir de um programa efetivo de governança em privacidade.

* Lucelia Bastos Gonçalves Marcondes é advogada no Rücker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica.

Para mais informações sobre dados pessoais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Literal Link



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan