Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A procura por profissionais com maior qualificação

A procura por profissionais com maior qualificação

14/05/2018 Astrid Vieira

O desemprego continua a crescer e hoje atinge cerca de 13,7 milhões de trabalhadores no país.

A recuperação da economia brasileira está acontecendo de maneira mais morosa do que o esperado e com isso o desemprego continua a crescer e hoje atinge cerca de 13,7 milhões de trabalhadores no país.

Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), destacam que, nos três primeiros meses de 2018, o total de pessoas empregadas no setor privado com carteira de trabalho assinada, foi de 2,9 milhões, o que representa um declínio de 1,2% em relação ao trimestre antecessor.

No mercado informal, o desemprego também aumentou. Entre os meses de janeiro e março deste ano, a quantidade de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada (10,7 milhões de pessoas) recuou em 402 mil pessoas.

Com este panorama que ainda reflete as consequências da crise, o trabalhador atual precisa saber lidar com o desemprego e descobrir novas formas de conquistar um novo emprego.

Em consequência do desemprego e da instabilidade econômica, muitas pessoas vêm desenvolvendo distúrbios emocionais e físicos que atrapalham significativamente a sua recolocação no mercado.

Para essas pessoas, é importante que procurem pela ajuda profissional de um coach ou um psicólogo para que sejam desenvolvidas defesas e resistência contra doenças como a síndrome do pânico, depressão, ansiedade, gastrite nervosa, dentre outras.

Sugiro que o desempregado se mantenha ocupado durante o período que estiver ocioso. No tempo em que se encontra sem emprego, ele precisa permanecer ativo. Seja na procura por vagas de serviço, contatos com headhunters, recrutadores e consultores de recursos humanos, ou mesmo, participando de cursos intensivos, congressos, conferências e palestras.

É imprescindível que as pessoas que estão à procura de trabalho sejam flexíveis e aptas a lidar em áreas que não contemplem exatamente o campo de atuação usual ou ideal; saibam organizar o próprio tempo; aprendam a equilibrar os gastos; aprimorem sua capacitação e realizem algum trabalho voluntário.

Grande parte dos profissionais que se encontram desempregados, vem procurando pela ajuda de empresas de recolocação profissional, onde recebem apoio e acompanhamento de carreira.

Atualmente, realizo treinamentos com profissionais de diversos segmentos, dentre eles, consigo observar maior chance de recolocação nas áreas de comércio, compras, finanças, segurança do trabalho; e nos segmentos, de serviços, varejo, mineração, construção civil, instituição financeira e entidades de classe.

Para as pessoas que procuram abrir um negócio próprio, proponho investir em cursos de gestão e empreendedorismo, pois todos os problemas e benefícios desse novo investimento devem ser bem conhecidos.

Já para quem não tem a pretensão de ser empresário, mas quer atuar como colaborador para outras empresas, é necessário que desenvolvam uma rede profissional de relacionamentos que seja eficiente, sólida e equilibrada.

* Astrid Vieira é diretora e consultora da empresa Leaders HR Consultants.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.