Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A “propaganda” da fé no campo da cibercultura

A “propaganda” da fé no campo da cibercultura

09/03/2022 Kaique Duarte

É essencial que, no tempo atual, utilizemos de todos os meios de comunicação que melhor atingem o âmago da sociedade, para perpetuar o andar de cidade em cidade iniciado pelo próprio Cristo, e continuado pelos apóstolos na proclamação do reino.

“Andar de cidade em cidade a proclamar, sobretudo aos mais pobres, e muitas vezes os mais bem dispostos para o acolher, o alegre anúncio da realização das promessas e da aliança feitas por Deus, tal é a missão para a qual Jesus declara ter sido enviado pelo Pai”. (Evangelii Nuntiandi 6)

Nos primeiros séculos do Cristianismo, esse anúncio se serviu dos meios existentes mais eficazes, de forma que o Evangelho pudesse ser passado para outras gerações até chegar a nós vinte séculos depois.

E somos agora a geração responsável por levar o Santo dos Santos até as pessoas, em diferentes nações e culturas.

Isto fica bem esclarecido como uma ordem da própria Igreja no número 45 da Envagelii Nuntiandi: “No nosso século tão marcado pelos mass media ou meios de comunicação social, o primeiro anúncio, a catequese ou o aprofundamento ulterior da fé, não podem deixar de se servir destes meios conforme já tivemos ocasião de acentuar. Postos ao serviço do Evangelho, tais meios são susceptíveis de ampliar, quase até ao infinito, o campo para poder ser ouvida a Palavra de Deus e fazem com que a Boa Nova chegue a milhões de pessoas. A Igreja sentir-se-ia culpável diante do seu Senhor, se ela não lançasse mão destes meios potentes que a inteligência humana torna cada dia mais aperfeiçoados.”

Desde a primeira vinda de Jesus, Deus, na plenitude dos tempos, quis entrar na história da humanidade, quis interagir com o homem, não para nos dar conceitos, ideias, mas dar a si mesmo e, segundo o parágrafo 22 da Gaudium et Spes “por Sua encarnação, o Filho de Deus uniu-se de algum modo a todo homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com inteligência humana, agiu com vontade humana, amou com coração humano.”

Diferentemente, da Antiga Aliança, quando apenas uma vez por ano, somente o Sacerdote puro podia ir além do véu e entrar na pequena sala separada do templo chamada de Santo dos Santos, local do tabernáculo, onde estava a arca da aliança, para ali oferecer em sacrifício um cordeiro sem mancha. Aquele local era por excelência onde Deus se manifestava e comunicava-se ao seu povo.

E assim, a partir do Novo Testamento, ao encarnar-se, viver, morrer e ressuscitar, Jesus “rasgou o véu que nos separava”, e isso significa que foi destruída a separação que havia entre os homens comuns e Deus, pois por seu sacrifício, Jesus abriu-nos o caminho para a presença d’Ele.

A novidade do Evangelho, a proximidade de Deus, fez com que aqueles que haviam experimentado o seu Amor e testemunhado a vida, paixão, morte e ressurreição de Cristo, não só aderissem ao que Ele lhes havia ensinado, mas propagassem seus feitos com ardor no coração por todos os lugares.

Apaixonados por um Deus próximo, acessível, os primeiros cristãos, aqueles que conviveram com Jesus, tornaram-se inevitavelmente apóstolos, ou falavam de Cristo, ou não se amava a Cristo.

Evangelizar é uma obrigação que se impõe para todo aquele que experimenta diariamente a presença de Deus, que antes era reservada apenas para os sacerdotes, que entravam uma vez por ano no templo.

No contexto da cibercultura, fazer propaganda da fé utilizando-se dos meios de comunicação social é ter em mente que ao fazê-lo, opta-se por adentrar num lugar pouco evangelizado tal e qual os reinos pagãos nos quais ousaram entrar os apóstolos.

Não lançar mão dos meios de comunicação, das redes sociais para evangelizar, é velar novamente o templo como no Antigo Testamento, e separar a humanidade da presença viva, eficaz e cotidiana do Deus vivo.

* Kaique Duarte é seminarista da Comunidade Canção Nova.

Para mais informações sobre fé e cibercultura clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso