Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A quarentena e as artes

A quarentena e as artes

29/06/2020 Amadeu Garrido de Paula

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.

Todavia, por considerá-lo o pior dos possíveis, afastou muitos leitores. É natural que não queiramos olhar diretamente para o sol e para a morte. Daí a sua permanência em brumas desconhecidas pela maioria das gentes.

No entanto, bastam algumas de suas ideias, no imenso contexto de sua obra "O mundo como vontade e representação", postas no degrau do entendimento popular, neste momento mundial típico de seu enfoque, para assimilar-se a profundidade da percepção desse pensador.

O mundo e o homem são "vontade e representação". O homem e o mundo como vontade significam que são movidos por uma propensão incessante, destinada sempre a resgatar algo inefável.

No homem isso é facilmente compreensível; no mundo, é preciso conhecer a evolução da espécie e sua movimentação para constatar esse impulso volitivo permanente.

Ocorre que, em geral, esse fluxo incessante da vontade é interrompido e os objetivos, ainda que meramente intuitivos, não são realizados.

Consequentemente, a frustração toma conta da existência global. Daí a síntese simplificada do pessimismo.

Nosso homem não deixa de observar, porém, que, precisamente por isso, não podemos desperdiçar nenhum momento feliz de nossas vidas. São o grato oásis de um deserto. E costumamos lançar pela janela afora nossos momentos felizes.

Em verdade, deixamos escapar pelos dedos das mãos esses momentos, enquanto curtimos incomparavelmente nossas tristezas. Nosso trem permanece muito mais tempo estacionado da estação tristeza do que na estação alegria.

A realidade objetiva é vista de acordo com nossa representação e, tornando-se, portanto, subjetiva, sob essa condição inerente ao ser consciente, resta o oco, o vazio da busca incessante e infinita.

Em tal situação existencial, o grande caminho da realização humana corresponde às artes.

Dedicado à arte, seja como seu protagonista criativo, seja como o receptor sensível das criações, o homem se dignifica, domina o mundo, liberta-se daquele jogo de querer e perder, ainda que vitorioso. A arte resulta em superação humana eterna; numa palavra, em nossa libertação.

Logo, num momento de quarentena, a literatura, a pintura, a música, as ciências (que não deixam seus aspectos artísticos), possibilitam-nos viver.

E não só nesse momento excepcional, mas por todo o futuro. É o escape do materialismo vulgar e grosso, que somente nos reduz àquela condição primitiva.

E, também, do idealismo, segundo o qual somos movidos em direção a uma utopia. Schopenhauer foi um crítico contundente do hegelianismo.

Nada está traçado, resta somente o mundo como vontade e representação e nosso voo pelos céus das artes, que nos embala e nos realiza, ainda que num momento objetivamente cruel e submetidos a um isolamento social.

* Amadeu Garrido de Paula é poeta, ensaista literário e advogado.

Fonte: De Leon Comunicações



Será que o franciscano tinha razão?

Quando estive em Roma, conheci sacerdote, que estava hospedado no Convento anexo à Basílica de Santo António, na via Mariana.


O gestor educacional na era da inovação: lugar da teoria e da prática

Maquiavel em sua obra celebre “O Príncipe” preconiza que para conhecer a natureza do povo é necessário ser príncipe, e para conhecer a natureza dos príncipes é necessário ser do povo.


Desenvolvimento de carreira: cuide sempre de você!

Atuo há mais de vinte anos como headhunter e em projetos de desenvolvimento de lideranças e carreiras com executivos e profissionais especializados.


A ilusão da egolatria: você sabe com quem está falando?

Episódios de pessoas que se julgam superiores e acima da lei, infelizmente têm se tornado comuns na sociedade brasileira.


O rádio, a TV e a “live”

Os brasileiros de média (ou avançada) idade, viveram no tempo em que o rádio era o todo poderoso meio de comunicação.


Tão próximos e tão distantes

Não há dúvidas de que a internet mudou a realidade da maior parte do mundo.


Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?


Um novo normal essencial; um velho normal desejado

Ver sorrisos, estar dentro de abraços, realizar eventos e trazer alegria…


Criptomoedas: O dinheiro do futuro ou o futuro do dinheiro?

Seja qual for futuro dos meios de pagamento, fato é: não podemos desprezar que as criptomoedas mudaram a maneira com que nos relacionamos com o dinheiro.


A polêmica nota de R$200,00

No dia 29 de julho de 2020, foi anunciado pelo Banco Central (BACEN) que, em agosto, será colocada em circulação a nota de R$200,00, que incorporará a imagem do lobo-guará.


Recalibrando sua estratégia de prevenção de fraudes para a nova realidade

Tal qual um automóvel, a detecção de transações criminosas em uma organização deve passar por revisões periódicas para aumentar sua eficiência.


Em tempos de pandemia, gestão de pessoas não é conversa, é ciência

Sou um curioso da gestão de pessoas. Ao longo desses anos como gestor, aprendi muito com os profissionais de recursos humanos com quem tive a honra de trabalhar.