Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A quarentena e as artes

A quarentena e as artes

29/06/2020 Amadeu Garrido de Paula

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.

Todavia, por considerá-lo o pior dos possíveis, afastou muitos leitores. É natural que não queiramos olhar diretamente para o sol e para a morte. Daí a sua permanência em brumas desconhecidas pela maioria das gentes.

No entanto, bastam algumas de suas ideias, no imenso contexto de sua obra "O mundo como vontade e representação", postas no degrau do entendimento popular, neste momento mundial típico de seu enfoque, para assimilar-se a profundidade da percepção desse pensador.

O mundo e o homem são "vontade e representação". O homem e o mundo como vontade significam que são movidos por uma propensão incessante, destinada sempre a resgatar algo inefável.

No homem isso é facilmente compreensível; no mundo, é preciso conhecer a evolução da espécie e sua movimentação para constatar esse impulso volitivo permanente.

Ocorre que, em geral, esse fluxo incessante da vontade é interrompido e os objetivos, ainda que meramente intuitivos, não são realizados.

Consequentemente, a frustração toma conta da existência global. Daí a síntese simplificada do pessimismo.

Nosso homem não deixa de observar, porém, que, precisamente por isso, não podemos desperdiçar nenhum momento feliz de nossas vidas. São o grato oásis de um deserto. E costumamos lançar pela janela afora nossos momentos felizes.

Em verdade, deixamos escapar pelos dedos das mãos esses momentos, enquanto curtimos incomparavelmente nossas tristezas. Nosso trem permanece muito mais tempo estacionado da estação tristeza do que na estação alegria.

A realidade objetiva é vista de acordo com nossa representação e, tornando-se, portanto, subjetiva, sob essa condição inerente ao ser consciente, resta o oco, o vazio da busca incessante e infinita.

Em tal situação existencial, o grande caminho da realização humana corresponde às artes.

Dedicado à arte, seja como seu protagonista criativo, seja como o receptor sensível das criações, o homem se dignifica, domina o mundo, liberta-se daquele jogo de querer e perder, ainda que vitorioso. A arte resulta em superação humana eterna; numa palavra, em nossa libertação.

Logo, num momento de quarentena, a literatura, a pintura, a música, as ciências (que não deixam seus aspectos artísticos), possibilitam-nos viver.

E não só nesse momento excepcional, mas por todo o futuro. É o escape do materialismo vulgar e grosso, que somente nos reduz àquela condição primitiva.

E, também, do idealismo, segundo o qual somos movidos em direção a uma utopia. Schopenhauer foi um crítico contundente do hegelianismo.

Nada está traçado, resta somente o mundo como vontade e representação e nosso voo pelos céus das artes, que nos embala e nos realiza, ainda que num momento objetivamente cruel e submetidos a um isolamento social.

* Amadeu Garrido de Paula é poeta, ensaista literário e advogado.

Fonte: De Leon Comunicações



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros