Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A receita de um campeão tem dessas

A receita de um campeão tem dessas

15/03/2021 Rodrigo Wieler

Nervosismo, apreensão e ansiedade. E tudo isso, nesses últimos tempos, temperado com muita incerteza.

O ano do vestibular já não costuma ser dos mais fáceis na vida de qualquer jovem. Em tempos de pandemia, com aulas remotas, revisões e assistências online, além de provas adiadas e até suspensas, o medo de não saber mais o que esperar do destino só cresceu.

Agora, quando finalmente parecia que o prato principal sairia fumegando do forno e poderia ser degustado por todos os famintos postulantes a uma vaga na Universidade Federal do Paraná (UFPR), o sabor amargo do adiamento do processo seletivo da instituição em mais um mês fez muitos vestibulandos, que já esperam há muito, ficarem com cara de quem comeu e não gostou.

Qual a receita para o caldo não engrossar? Primeiro, precisamos considerar que ninguém está feliz com esse cardápio de novidades indigestas que a pandemia insiste em nos fazer provar a cada novo dia.

Aposto que a UFPR não gostaria de ter adiado um de seus eventos anuais mais importantes por mais de uma vez. Isso traz implicações para o calendário acadêmico, professores, alunos já matriculados, futuros universitários, entre diversas outras atribulações.

No entanto, sei que, para muita gente, essas minhas palavras, bem como as justificativas apresentadas pela Universidade soam como uma insossa comida de hospital.

Tá, eu compreendo, cabeça de vestiba ferve e a aflição deixa tudo muito mais azedo. Sentindo-se como sobra ou resto, muitos candidatos experimentam a sensação de estarem sendo fritos ou então cozidos em banho-maria.

De onde tirar motivação para continuar estudando? Como conseguir lembrar de tudo o que é preciso com a prova levando ainda mais tempo para acontecer? Com que cabeça fazer o vestibular?

Resposta: do mesmíssimo jeito que você iria fazer a prova antes. Quer dizer, do mesmo jeito, não. Por que não transformar essa conturbada refeição em um banquete repleto de aromas e sabores que você não havia considerado?

Como aquela emoção de arriscar pedir um prato com ingredientes exóticos e que você nunca antes provou: degustar um pouquinho mais aquela matéria que nunca foi a sua favorita ou tentar se aventurar por aquele capítulo da apostila que você sempre deixou para depois.

E, se você já está empanturrado de tanto estudar, os acompanhamentos não farão mal ao virarem pratos principais.

Ler bons livros, assistir a filmes enriquecedores, ouvir álbuns clássicos ou espairecer com aquela série cabeça, ou seja, investir em seu repertório cultural aprimorará ainda mais o seu desempenho.

O tempo de maturação, nesse caso, tem tudo para jogar a seu favor. Degustará a mais disputada fatia quem trabalhar melhor com esse tempo adicional de preparo.

Sim, porque a data do vestibular pode até mudar, mas o que o vestibulando precisa continuar sabendo, não. A fórmula da água segue a mesma, os nomes dos trópicos de Câncer e Capricórnio não mudarão e a resolução de um sistema de equações ainda se calcula da mesma maneira.

Por isso, que tal usar essa apreensão e essa ansiedade em seu favor? É mais tempo para tirar aquela dúvida que você já tinha se conformado em não sanar, outra chance para aperfeiçoar o que já se domina e, quando chegar a hora do vestiba, arrasar ainda mais.

Se a espera foi grande, o resultado, quando vier, vai ser ainda mais doce e saboroso. A tão aguardada cereja do bolo que vai coroar todo o seu esforço, paciência e dedicação.

* Rodrigo Wieler é professor de Literatura e de Arte no Curso e no Colégio Positivo e assessor pedagógico de Literatura e Arte no Centro de Inovação Pedagógica, Pesquisa e Desenvolvimento (CIPP) dos colégios do Grupo Positivo.

Para mais informações sobre vestibular clique aqui…

Fonte: Central Press



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves