Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A receita de um campeão tem dessas

A receita de um campeão tem dessas

15/03/2021 Rodrigo Wieler

Nervosismo, apreensão e ansiedade. E tudo isso, nesses últimos tempos, temperado com muita incerteza.

O ano do vestibular já não costuma ser dos mais fáceis na vida de qualquer jovem. Em tempos de pandemia, com aulas remotas, revisões e assistências online, além de provas adiadas e até suspensas, o medo de não saber mais o que esperar do destino só cresceu.

Agora, quando finalmente parecia que o prato principal sairia fumegando do forno e poderia ser degustado por todos os famintos postulantes a uma vaga na Universidade Federal do Paraná (UFPR), o sabor amargo do adiamento do processo seletivo da instituição em mais um mês fez muitos vestibulandos, que já esperam há muito, ficarem com cara de quem comeu e não gostou.

Qual a receita para o caldo não engrossar? Primeiro, precisamos considerar que ninguém está feliz com esse cardápio de novidades indigestas que a pandemia insiste em nos fazer provar a cada novo dia.

Aposto que a UFPR não gostaria de ter adiado um de seus eventos anuais mais importantes por mais de uma vez. Isso traz implicações para o calendário acadêmico, professores, alunos já matriculados, futuros universitários, entre diversas outras atribulações.

No entanto, sei que, para muita gente, essas minhas palavras, bem como as justificativas apresentadas pela Universidade soam como uma insossa comida de hospital.

Tá, eu compreendo, cabeça de vestiba ferve e a aflição deixa tudo muito mais azedo. Sentindo-se como sobra ou resto, muitos candidatos experimentam a sensação de estarem sendo fritos ou então cozidos em banho-maria.

De onde tirar motivação para continuar estudando? Como conseguir lembrar de tudo o que é preciso com a prova levando ainda mais tempo para acontecer? Com que cabeça fazer o vestibular?

Resposta: do mesmíssimo jeito que você iria fazer a prova antes. Quer dizer, do mesmo jeito, não. Por que não transformar essa conturbada refeição em um banquete repleto de aromas e sabores que você não havia considerado?

Como aquela emoção de arriscar pedir um prato com ingredientes exóticos e que você nunca antes provou: degustar um pouquinho mais aquela matéria que nunca foi a sua favorita ou tentar se aventurar por aquele capítulo da apostila que você sempre deixou para depois.

E, se você já está empanturrado de tanto estudar, os acompanhamentos não farão mal ao virarem pratos principais.

Ler bons livros, assistir a filmes enriquecedores, ouvir álbuns clássicos ou espairecer com aquela série cabeça, ou seja, investir em seu repertório cultural aprimorará ainda mais o seu desempenho.

O tempo de maturação, nesse caso, tem tudo para jogar a seu favor. Degustará a mais disputada fatia quem trabalhar melhor com esse tempo adicional de preparo.

Sim, porque a data do vestibular pode até mudar, mas o que o vestibulando precisa continuar sabendo, não. A fórmula da água segue a mesma, os nomes dos trópicos de Câncer e Capricórnio não mudarão e a resolução de um sistema de equações ainda se calcula da mesma maneira.

Por isso, que tal usar essa apreensão e essa ansiedade em seu favor? É mais tempo para tirar aquela dúvida que você já tinha se conformado em não sanar, outra chance para aperfeiçoar o que já se domina e, quando chegar a hora do vestiba, arrasar ainda mais.

Se a espera foi grande, o resultado, quando vier, vai ser ainda mais doce e saboroso. A tão aguardada cereja do bolo que vai coroar todo o seu esforço, paciência e dedicação.

* Rodrigo Wieler é professor de Literatura e de Arte no Curso e no Colégio Positivo e assessor pedagógico de Literatura e Arte no Centro de Inovação Pedagógica, Pesquisa e Desenvolvimento (CIPP) dos colégios do Grupo Positivo.

Para mais informações sobre vestibular clique aqui…

Fonte: Central Press



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.