Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A regra do jogo: Ibope

A regra do jogo: Ibope

11/03/2016 Amadeu Garrido de Paula

Como somos influenciados pela mídia e como a regra é que rege nossas relações sociais.

Ocasionalmente presenciei em 07/03 um dos últimos capítulos da novela "A regra do jogo". O título já sugere que é a regra que rege nossas relações sociais.

O fato é que nossa linguagem, que forma a sociedade, assim como a sociedade forma nossa linguagem, em relação à maioria do povo brasileiro, não é haurida na boa literatura, nos contos, nas poesias, nos romances e matérias articuladas dos meios de comunicação escritos, mas sobretudo nas mensagens diárias do mundo televisivo, entre as quais avulta em relevância a Rede Globo de Televisão.

Completamente tomada por uma revolta histérica de todos os personagens, ameaças contundentes de um psicopata sequestrador, é exposta uma realidade que transcende, no sentido do mal e da desconstrução psicológica, até mesmo os fatos semelhantes da vida real, que já se repetiram várias vezes e presenciamos em nossos jornais policialescos.

No cotidiano concreto, o sequestrador, os sequestrados, a polícia e demais circunstantes não gritam desesperadamente do fundo do poço, não brandem armas a todo segundo, entremeado de gritos selvagens.

É necessário dizer que essa incapacidade crítica e essa submissão à mensagem televisiva deteriora o já precário equilíbrio psicológico dos brasileiros. Não que a violência efetiva não deva ser demonstrada, mas é sempre bom guardar a regra da proporcionalidade, da inconveniência dos excessos.

O prêmio Cervantes de literatura em 1981 e Nobel em 1990, mexicano Octávio Paz, correlaciona corretamente o uso de drogas com esse mal-estar que caracteriza a sociedade contemporânea.

Não é a causa única, não é justificativa para a desconstrução pessoal e social dos homens de nosso tempo, muito menos das organizações criminosas do tráfego, porém o aspecto não pode deixar de ser registrado como importante componente do problema, como se vê de suas expressões:

A gente não se injeta nem ingere essas substâncias (alucinógenos) por maldade ou perversidade. Tampouco por ignorância, ainda que não nego que alguns, sobretudo os muito jovens, desconhecem às vezes o perigo a que os expõe seu uso.  Não descarto a importância de outro fator: a imitação.

Tomamos droga porque um amigo, um vizinho ou a amante as toma. É um efeito negativo da faculdade dos homens, na qual via Aristóteles uma das superioridades de nossa espécie sobre os outros seres vivos.

As drogas corrigem levemente o filósofo: se a imitação é o caminho da aprendizagem, também é da perdição. Porém nenhum desses fatores - poderia acrescer outros, uns psicológicos e morais, outros sociais e econômicos - explica inteiramente o fenômeno.

Para compreendê-lo um pouco devemos começar por reconhecer que o uso das drogas corresponde a uma necessidade psicológica.

As causas que provocam essa necessidade são muito variadas, mas podem resumir-se em uma: o desamparo espiritual, muitas vezes também material, a que nos condena a sociedade contemporânea. O exame das causas desse desamparo implica no exame da sociedade moderna.

É uma tarefa vastíssima, que tem sido tentada muitas vezes com resultados contraditórios.

Não me proponho, por isso, tratar desse tema e me limito a observar que, se deveras se quer combater o uso de drogas, deve-se começar pelo princípio, é dizer, pela reforma da sociedade mesma e de seus fundamentos sociais e espirituais.

Uma vez assentada essa modesta premissa, há mais um comentário. Diz-se que o desamparo provoca uma necessidade: qual é a índole dessa necessidade, como se chama? Nasce de uma carência e tem muitos nomes.

Manifestam-se às vezes como anseio de repouso e esquecimento, outras por coisas que transcendam nossas vidas mesquinhas e absorver o que nos prometem os contos e as mitologias. É um anseio para sair de nós mesmos, para encontrar o quê?

Ninguém o sabe exatamente. Sabemos, sim, que essa angústia é sede de felicidade, sede de bem-estar. "Os pronunciamentos de nossas sociedades são múltiplos e diversos, uns materiais e outros espirituais, uns econômicos e outros políticos, mas todos eles englobam a palavra "mal-estar"".

A linguagem televisiva pode engendrar, por assimilação automática e insuperável, o homem cometido de tal mal-estar, ao assistir a uma encenação como a apontada, em que tudo converge para o sentido deletério e injustificável de nossas existências: não só para o apontado sentido das fugas que explicam os alucinógenos, mas, genericamente, para cobrir todos nossos horizontes e esperanças, que deveriam ser belos e felizes, por uma névoa cinzenta e depressiva.

Amadeu Garrido de Paula, é um renomado jurista brasileiro com uma visão bastante crítica sobre política, assunto internacionais, temas da atualidade em geral. Além disso, tem um veio poético, é o autor do livro "Universo Invisível". 



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.