Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A responsabilidade médica nas cirurgias plásticas

A responsabilidade médica nas cirurgias plásticas

29/11/2012 Roberta Raphaelli Pioli

Atualmente já não pairam mais dúvidas acerca da natureza contratual da responsabilidade médica, de forma que tanto a doutrina quanto a jurisprudência reconhecem a existência de uma obrigação entre médico e paciente.

Em regra a obrigação existente entre médico e paciente é uma obrigação de meio, pela qual o profissional não se obriga a curar o paciente, mas a empregar com zelo, diligência e cuidado suas técnicas e conhecimentos durante o tratamento.

O médico não se obriga a curar o paciente, mas a utilizar os recursos adequados para tanto, com aptidão e técnica suficientes. Entretanto, no caso das cirurgias plásticas, em que não há finalidade terapêutica, a situação é um pouco diferente. Nesses casos o médico compromete-se a atingir os objetivos do paciente, qual seja, a aparência desejada.

O paciente nesse caso não se submete a um procedimento cirúrgico para tratar um problema de saúde, que pode ou não ser curado, mas submete-se pela finalidade estética. Quem opta por fazer uma cirurgia plástica geralmente deseja corrigir um defeito, um problema estético incômodo, de forma que o motivo determinante da cirurgia é justamente o resultado que será obtido depois.

Dessa forma, com exceção das cirurgias com finalidade corretiva como, por exemplo, no caso de pessoas deformadas ou queimadas por acidentes, trata-se nitidamente de uma obrigação de resultado, o que pode ser facilmente observado pelo fato de alguns profissionais fazerem inclusive projeções do resultado do corpo do paciente após a cirurgia plástica.

É essa a posição firmada pelo Superior Tribunal de Justiça. Nesse sentido, o professor Carlos Roberto Gonçalves dispõe sobre o surgimento da obrigação de indenizar nos casos de cirurgias plásticas malsucedidas: “Da cirurgia malsucedida surge a obrigação indenizatória pelo resultado não alcançado. A indenização abrange, geralmente, todas as despesas efetuadas, danos morais em razão do prejuízo estético, bem como verba para tratamentos e novas cirurgias.”¹

O Superior Tribunal de Justiça consolidou seu entendimento no sentido de que a responsabilidade do profissional, mesmo no caso de cirurgias plásticas embelezadoras, continua sendo subjetiva e depende de comprovação do nexo de causalidade entre a conduta do profissional e o dano causado (REsp 1180815).

Entretanto, tendo em vista que se trata-se de obrigação de resultado entre um fornecedor de serviços (médico) e um consumidor (paciente), esta submete-se ao Código de Defesa do Consumidor, de forma que há uma responsabilidade civil subjetiva com culpa presumida, nos termos do artigo 14, parágrafo 4º do CDC.

Basta que a vítima comprove o dano, qual seja, o resultado prometido e não obtido, para que se presuma a culpa do profissional. Isso ocorre, pois no geral as próprias imperfeições que resultam ou os defeitos na cirurgia por si só já refletem a carência de perícia ou diligência por parte do profissional.

Nesses termos, diante da presunção de culpa, caberá ao próprio profissional fazer prova de que não agiu com negligência, imprudência ou imperícia, ou que houve incidência de alguma causa excludente da sua responsabilidade, como, por exemplo, a culpa exclusiva da vítima, que pode ter deixado de seguir as orientações médicas, sob pena de ter de reparar os danos causados.

Referências Bibliográficas

[1] GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. Volume 4. pág. 263. Responsabilidade Civil. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

*Roberta Raphaelli Pioli é advogada do escritório Fernando Quércia Advogados Associados.



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre