Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A sabedoria dos mineiros em ajudar os menos favorecidos

A sabedoria dos mineiros em ajudar os menos favorecidos

04/06/2019 Cristiano Trindade de Angelis

Há quatro organizações não governamentais de assistência social situadas em Belo Horizonte que estão fazendo um trabalho maravilhoso para ajudar os menos favorecidos.

Pensando em investir em pessoas que desejam sair da situação de rua e vencer a dependência química, o Instituto de Apoio e Orientação a Pessoas em Situação de Rua – INAPER, lançou, em janeiro de 2016, o projeto de apoio aos moradores de rua que visa o acolhimento, atendimento a questões básicas e reinserção social, espiritual e profissional. Aproximadamente 40 pessoas chegam ao local todas as manhãs para tomar banho e café. Eles estão querendo construir salas de atendimento médico e de psicologia, e aguardam voluntários nessas áreas, mas primeiramente necessitam de engenheiro civil e arquiteto para o projeto da utilização da área útil que é enorme. Ademais precisam de apoio financeiro e por isso organizam um Brechó com muitas roupas selecionadas. Esse brechó funciona no segundo sábado do mês de 09:00 às 12:00h na sede da INAPER que fica em Belo Horizonte, na rua sete Lagoas 236, bairro Bom Fim.

O núcleo assistencial Caminhos para Jesus, bem mais antigo e já estruturado, iniciou seus trabalhos em 1º de Março de 1969 com a distribuição de sopa aos pobres.

Hoje a Instituição Caminhos para Jesus conta com três grandes Unidades: Casa do Caminho (crianças), Casa da Esperança (idosos) e Socialização Inclusiva (Escola, Clínica Médica, Clínica Odontológica).

A casa do Caminho, que fica na rua Rua José Ferreira Magalhães, 341, tem capacidade para amparar 100 crianças deficientes, carentes e com paralisia cerebral, avaliadas criteriosamente pelo Serviço Social em um trabalho de parceria com o Juizado da Infância e Juventude, Promotorias e Conselhos Tutelares (proteção especial de alta complexidade). O Núcleo Caminhos para Jesus só consegue realizar seu importante trabalho junto à sociedade por meio da ajuda de terceiros. Doações de pessoas físicas (que representam aproximadamente 97% da receita), são essenciais para que o trabalho continue sendo realizado. O Bazar de roupas funciona todos os dias entre 10:00 e 11:40 e entre 12 e 16h e o bazar de móveis e eletrodomésticos funciona todos os dias das 14:00 as 16:00h. A Casa da Esperança iniciou suas atividades em 1991 e abriga, no momento, 61 idosos em regime de acolhimento de longa permanência, pois encontram-se em situação de vulnerabilidade clínica e social. Todos os assistidos passam por um processo avaliativo de uma equipe interdisciplinar e são encaminhados posteriormente às terapias indicadas. As famílias também recebem atendimento visando favorecer o desenvolvimento de potencialidades e autonomia das mesmas. Diversas metodologias são aplicadas no sentido de prover a interação dos assistidos com o meio em que vivem, dessa forma, durante todo o ano, participam de atividades como: Palestras, Encontros, Artesanato, Computação, Dança, Horta , Jardinagem etc.

A FUNDAMIGO é uma instituição espírita de caráter filantrópico que desde 1993 presta assistência social, moral e material, às crianças, adolescentes e suas famílias, dentro das possibilidades de seus recursos, sem distinção de sexo, raça, religião, crença, posição social ou nacionalidade. Atualmente a fundação atende à cerca de 400 famílias, distribuindo cestas básicas, roupas, medicamentos, próteses dentárias, enxovais de bebê para gestantes, aulas de informática. Todo esse trabalho é realizado através da boa vontade de voluntários que simpatizam com os objetivos da entidade. A Fundamigo se mantém através de doações e eventos organizados pelos seus voluntários. A atividade principal é assistência as 360 mães cadastradas, em situação de pobreza, e a moradores de rua que os procuram aos sábados para café da manhã, sopão, distribuição de roupas, cestas de auxílio alimento, etc. A instituição fica na Av. dos Esportes, 777 – Padre Eustáquio, BH, próximo a estação estação gameleira.

O movimento de Promoção e Assistência Social Sopão Mineiro surgiu em 1980 e está localizado na Rua Serpentina 62, Bairro Carlos Prates em BH. Hoje conta com um pequeno número de voluntários para atender mais de 150 mendigos por semana. A sopa é trazida pelos voluntários, pois a Sede não tem estrutura para o preparo. A Kombi sai todas as sextas-feiras, distribuindo sopa, pães e cobertores, procedimento este, que acontece há 38 anos. Também são ministradas palestras educativas às gestantes para que as conscientizassem do papel de mãe. Após as palestras, as gestantes recebem o enxoval completo do bebê. As palestras são realizadas sempre no último sábado de cada mês, de 13:30 as 17:00hrs, onde a gestante apresenta a documentação necessária (identidade, CPF, comprovante de endereço e cartão da gestante) e preenche uma ficha de inscrição. Além das palestras serem ministradas por profissionais da área de psicologia, fisioterapia e saúde, os projetos, tanto do Kit Bebe, quanto da distribuição da Sopa e cobertores contam com o apoio dos próprios comerciantes da cidade, pois a Instituição não tem ajuda nenhuma do governo.

Esses quatro lindo trabalhos mostram que a espiritualidade pode vencer a história e a cultura.

* Cristiano Trindade De Angelis é analista do Ministério da Economia desde 2004 e pesquisador da Skema Business School, França desde 2013. 



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.