Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

01/12/2020 Ligia Molina

O ano de 2020 foi muito conturbado, com diversos acontecimentos.

A pandemia trouxe uma nova realidade para a área de recursos humanos, mudando a maneira como as equipes interagem e trabalham.

Antes impensável para algumas organizações, o home office é uma realidade para diversas empresas ainda hoje e não deve deixar de ser.

Incertezas sobre o amanhã e novos desafios do mundo corporativo são pautas que não saem mais da rotina. Nesse contexto de mudanças, é normal que colaboradores sintam na pele o peso do cansaço.

O ritmo de produtividade automaticamente vai desacelerando. Mesmo em meses de quarentena, descansar foi uma tarefa complicada.

Afinal, não é fácil desligar a cabeça das preocupações, sem falar que muitas equipes trabalharam a mais para suprir a necessidade das empresas no período. Um verdadeiro esforço e empenho coletivo.

Pensando na recuperação desses profissionais que estão sobrecarregados, as férias surgem no final do ano como possibilidade de recuperação.

Direito garantido pela Legislação Brasileira, elas são fundamentais, afinal mesmo estando em home office muitos se viram lidando com crianças, ou com cônjuges também precisando desenvolver atividades online.

Os acontecimentos desse ano pegaram todos de surpresa. Ninguém esperava uma crise de saúde, que acarretaria crises na economia e dificuldades para muitas empresas.

Porém, também aprendemos muito esse ano, sobretudo em como lidar com desafios inesperados. Quanto a isso, podemos dizer que estamos “vacinados”.

Mas ainda assim, temos que ter em mente que pessoas tem sentimentos, desafios e dificuldades. Um ano conturbado como esse causa muita ansiedade, estresse e até mesmo depressão.

Os gestores precisam manter contato próximo com suas equipes, para entender o que estão passando e como ajudar e promover motivação.

Embora seja difícil afirmar que é possível entregar todos os dias de férias nesse momento, afinal grande parte das companhias está retomando a produção agora, sem contar aquelas que estão sem abastecimento de matéria-prima em decorrência da quarentena, ainda é importante garantir uma chance de recuperação aos tantos profissionais que se dedicaram nesse período. Sem descanso, lazer e atividades de relaxamento, o rendimento começa a cair.

Outro fator que impacta nesse momento são os diferentes tipos de processos utilizados pelas empresas para manter seu quadro de funcionários durante o período.

Reduções de contratos e férias antecipadas também impactam. Diferente dos 30 dias habituais, os colaboradores devam esperar por menos tempo. Mas, é preciso pensar em um descanso.

O indicado é que o profissional que conseguir tirar um período de férias, se desligue do trabalho. Não cheque e-mails e não atenda celular para solucionar problemas do escritório.

Sabemos que isso pode ser impossível em alguns casos, mas, separe então apenas um horário do dia para verificar e-mails urgentes e atender ligações e avise a equipe sobre esse período.

Após as férias, os ganhos são tanto para empresa quanto para funcionário. Os profissionais retornarão com uma produtividade maior, uma motivação alta, muita energia, contribuindo assim para atingir as metas e objetivos do planejamento estratégico da organização.

Vivemos um ano diferente e 2021 seguirá pelo mesmo caminho, gestão e controle da saúde mental das equipes é a chave para manter motivação em alta.

* Ligia Molina é professora na IBE Conveniada FGV, no curso de pós-graduação em Administração, nas disciplinas: Liderança, Gestão de Pessoas e Estratégia empresarial.

Fonte: LC4 Marketing



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.