Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A saúde no CTI

A saúde no CTI

19/11/2015 Dinis Pinheiro

Enquanto o governo federal não tratar a saúde no Brasil com máxima prioridade, não teremos um país mais justo e menos desigual.

Dados recentes divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmam insuficientes investimentos em Saúde feitos pelo governo brasileiro a cada ano.

Ocorre que quando os números apontam que mais da metade da conta da saúde de um brasileiro continua sendo paga por ele, confirma-se de maneira absoluta a omissão de forma irresponsável da União ao manter, ano a ano, menos investimentos na saúde pública que a média mundial.

Segundo a OMS, a média de gastos em saúde do governo brasileiro com cada cidadão foi de US$ 512, já a média mundial foi de US$ 615,00 por pessoa.

Além disso, no Brasil, 47,5% da conta final da saúde é arcada pelo poder público, contra 52,5% da conta para o cidadão, por meio de planos de saúde ou gastos privados.

Em contrapartida, na média mundial, a proporção é exatamente a oposta: 57,6% dos gastos com saúde são arcados por governos, contra 42,3% pagos pelos cidadãos.

De grande relevância ainda atestar a incompetência no gerenciamento dos gastos públicos da saúde e outras áreas no Brasil, comprometendo a qualidade do serviço prestado à população.

O excesso de burocracia favorece a ineficiência e a corrupção, e a falta de mecanismos de medir a efetividade de programas conduz a grandes desperdícios.

É preciso lembrar, ainda, a brusca perda dos recursos destinados para a pasta no orçamento da União. O corte de R$ 13 bilhões no Ministério da Saúde, anunciado no início do ano, está refletindo na queda, agora, de pelo menos 32% do gasto do governo federal com obras e compra de aparelhos.

Dados reportados pelo jornal Folha de São Paulo, em uma de suas edições de setembro, alerta para o fato de que de janeiro a julho de 2014 o investimento foi de R$ 2,5 bilhões. Neste ano, o total não passou de R$ 1,7 bilhão.

Esses números vêm, infelizmente, engrossando as fileiras de mais um capítulo do descaso de Brasília com a saúde dos brasileiros. Essa história dramática, que é a do Sistema Público de Saúde do Brasil, é contada diariamente nas filas do SUS, nos óbitos por falta de atendimento, nas obras inacabadas, nas lágrimas de quem aguarda há anos por cirurgias, meses por exames, dias por um atendimento de urgência.

E, infelizmente, é esse o cenário atual, que só mudará quando no Brasil o Sistema de Saúde Pública for tratado com absoluta prioridade na aplicação e na gestão dos seus recursos, possibilitando uma vida mais digna e justa a todos.

* Dinis Pinheiro é ex-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques