Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A saúde no CTI

A saúde no CTI

19/11/2015 Dinis Pinheiro

Enquanto o governo federal não tratar a saúde no Brasil com máxima prioridade, não teremos um país mais justo e menos desigual.

Dados recentes divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmam insuficientes investimentos em Saúde feitos pelo governo brasileiro a cada ano.

Ocorre que quando os números apontam que mais da metade da conta da saúde de um brasileiro continua sendo paga por ele, confirma-se de maneira absoluta a omissão de forma irresponsável da União ao manter, ano a ano, menos investimentos na saúde pública que a média mundial.

Segundo a OMS, a média de gastos em saúde do governo brasileiro com cada cidadão foi de US$ 512, já a média mundial foi de US$ 615,00 por pessoa.

Além disso, no Brasil, 47,5% da conta final da saúde é arcada pelo poder público, contra 52,5% da conta para o cidadão, por meio de planos de saúde ou gastos privados.

Em contrapartida, na média mundial, a proporção é exatamente a oposta: 57,6% dos gastos com saúde são arcados por governos, contra 42,3% pagos pelos cidadãos.

De grande relevância ainda atestar a incompetência no gerenciamento dos gastos públicos da saúde e outras áreas no Brasil, comprometendo a qualidade do serviço prestado à população.

O excesso de burocracia favorece a ineficiência e a corrupção, e a falta de mecanismos de medir a efetividade de programas conduz a grandes desperdícios.

É preciso lembrar, ainda, a brusca perda dos recursos destinados para a pasta no orçamento da União. O corte de R$ 13 bilhões no Ministério da Saúde, anunciado no início do ano, está refletindo na queda, agora, de pelo menos 32% do gasto do governo federal com obras e compra de aparelhos.

Dados reportados pelo jornal Folha de São Paulo, em uma de suas edições de setembro, alerta para o fato de que de janeiro a julho de 2014 o investimento foi de R$ 2,5 bilhões. Neste ano, o total não passou de R$ 1,7 bilhão.

Esses números vêm, infelizmente, engrossando as fileiras de mais um capítulo do descaso de Brasília com a saúde dos brasileiros. Essa história dramática, que é a do Sistema Público de Saúde do Brasil, é contada diariamente nas filas do SUS, nos óbitos por falta de atendimento, nas obras inacabadas, nas lágrimas de quem aguarda há anos por cirurgias, meses por exames, dias por um atendimento de urgência.

E, infelizmente, é esse o cenário atual, que só mudará quando no Brasil o Sistema de Saúde Pública for tratado com absoluta prioridade na aplicação e na gestão dos seus recursos, possibilitando uma vida mais digna e justa a todos.

* Dinis Pinheiro é ex-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.



A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.