Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A superficialidade das empresas no cuidado da saúde mental

A superficialidade das empresas no cuidado da saúde mental

27/09/2023 Deivison Pedroza

Em um mundo corporativo agitado, é comum ouvirmos conselhos como “medite” ou “se alimente bem”.

Mas, como pedir a alguém para meditar quando o peso de um dia de trabalho parece insustentável? Como aconselhar uma boa alimentação quando os intervalos para as refeições são cada vez mais apertados?

Como lidar com a presença daquele colega cuja toxicidade contamina todo o ambiente de trabalho? E como ter a consciência limpa pagando baixos salários sabendo que salário digno também é saúde mental?

Todo dia, como CEO e cofundador da Way Minder, startup focada em cuidar da saúde mental no ambiente corporativo, eu me faço essas perguntas.

E busco respostas e ações concretas, não apenas sair falando frases bonitas por aí. Quero que minha equipe se sinta bem, trabalhe feliz e seja mais produtiva. E isso exige esforço, mas é o único caminho.

E sabe por quê? De acordo com a Gallup, 80% das pessoas no mundo sofrem desengajamento nas empresas e 60% de burnout no trabalho.

O impacto financeiro disso é de US$ 8,1 trilhões de dólares. Além disso, 66% das pessoas sofrem de ansiedade e 59% de depressão, causando um prejuízo de US$ 1 trilhão ao ano e 12 bilhões de dias de trabalho perdido, anualmente.

E no Brasil a situação não está muito diferente. Segundo estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS), 53% dos entrevistados declararam piora no bem-estar no último ano, 20% tiveram ou tem depressão, 9,3% do total dos brasileiros sofre de ansiedade e 5,8% têm depressão.

O impacto desses números, conforme pesquisa da FIEMG, é uma perda no faturamento das empresas de R$ 397,2 bilhões por ano, chegando a uma redução de mais de 800 mil empregos no Brasil.

Os números assustam. E a tendência é que só piorem se as organizações continuarem a negligenciar o cuidado da saúde mental de seus colaboradores, adotando uma abordagem superficial, tratando o tema como um simples “checklist” a ser seguido, sem realmente se aprofundar no que seria necessário para promover um ambiente de trabalho mentalmente saudável.

Agora estamos no famoso mês do “Setembro Amarelo”. Mas o que mais vejo por aí é a reprodução de um discurso que, na prática, nada tem de efetivo.

Muitos apenas surfam na onda do momento, dão dicas, algum mimo, uma cartinha ou até promovem alguma palestra a seus funcionários. E chega dia 01 de outubro, parece que uma borracha é passada e tudo volta a ser como antes.

Então eu pergunto: será que simples dicas de bem-estar são suficientes para enfrentar a complexidade da saúde mental dentro das empresas?

A resposta é um enorme "NÃO". Até porque se fossem suficientes, os números de pessoas que sofrem de ansiedade, estresse, burnout e depressão devido ao trabalho, não seriam tão grandes.

Dessa forma, quando falamos de saúde mental, precisamos abordar as raízes dos problemas e desafios que os colaboradores enfrentam.

Não se trata apenas de promover a resiliência individual, mas também de transformar todo o ambiente profissional em si.

E esse recado é para todos. Sim, para grandes, médias e pequenas empresas. Cuidar da saúde mental não é exclusividade das grandes corporações com enormes recursos.

Empresas de todos os portes devem estar atentas e comprometidas com o bem-estar de seus colaboradores, que é uma via de mão dupla.

Ou seja, as empresas não podem simplesmente esperar que seus colaboradores se cuidem. Elas precisam ativamente criar um ambiente onde o bem-estar mental é uma prioridade e não apenas um slogan anual.

Por isso, a verdadeira adesão ao Setembro Amarelo vai muito além de conselhos bem-intencionados. E o que, efetivamente, pode ser feito?

Por exemplo, as empresas podem adotar políticas claras contra o assédio moral ou sexual, garantindo que todos saibam e sejam treinados para entender essas políticas.

Treinamentos de desenvolvimento pessoal também trazem ótimos resultados. Neste caso, podem ser ofertados cursos ou sessões onde os funcionários aprendem habilidades que os ajudam não apenas no trabalho, mas também em suas vidas pessoais.

Pode ser um curso sobre gestão do tempo, resolução de conflitos ou até mesmo habilidades de comunicação.

Uma outra opção interessante é realizar workshops sobre Gestão de Estresse. Através deles, poderiam ser ensinadas técnicas como respiração profunda, pausas estratégicas durante o dia ou métodos de organização pessoal para reduzir a sobrecarga de trabalho.

A comunicação é igualmente um ponto fundamental para cuidar da saúde mental dos colaboradores durante todo o ano.

Assim, é importante que a organização mantenha um número de telefone ou serviço online onde os funcionários possam falar com profissionais de saúde mental quando se sentirem sobrecarregados ou em crise.

Ou pode criar canais abertos de comunicação, mantendo um e-mail direto para a gerência, caixas de sugestões, ou reuniões regulares de feedback. O importante é que os colaboradores saibam que têm uma voz e que serão ouvidos.

Os produtos desenvolvidos pela Way Minder podem exatamente ajudar neste sentido, permitindo que o cuidado com a saúde mental seja algo recorrente em empresas de todos os portes, transformando a experiência de trabalho, beneficiando o bem-estar emocional e, consequentemente, a produtividade.

Por isso oferecemos ferramentas tecnológicas para identificar e monitorar a saúde mental dos colaboradores, mas também propomos soluções personalizadas baseadas em dados.

Por exemplo, se através de nossa plataforma é identificado que um setor específico de uma empresa apresenta altos níveis de estresse, a Way Minder pode sugerir intervenções direcionadas para aquela equipe, seja através de treinamentos, workshops ou outras ferramentas de suporte.

E isso tudo só acontece porque temos a certeza de que quando se cuida da saúde mental e se investe no bem-estar dos colaboradores, os benefícios tangíveis para a empresa são enormes em termos de produtividade, satisfação do funcionário e retenção de talentos. É um ciclo virtuoso que começa com a atenção e cuidado genuínos.

A hora de agir é agora. Que façamos do Setembro Amarelo muito mais do que uma campanha de marketing e de slogans bonitos que acontece por 30 dias.

Que ele efetivamente seja um chamado para ação real para suprir as necessidades de bem-estar emocional no ambiente corporativo durante o ano todo.

* Deivison Pedroza é Co-founder e CEO da Way Minder.

Para mais informações sobre saúde mental clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Tamer



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder