Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A (suposta) intervenção via internet

A (suposta) intervenção via internet

15/12/2017 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

As condições tecnológicas não permitem mais o blefe.

Vimos, durante o fim de semana, nas redes sociais, centenas, talvez milhares de postagens que enxergaram a eclosão da intervenção militar a partir do novo pronunciamento do general Antonio Hamilton Mourão que, desta vez, foi punido com a perda do cargo que exerceria até a sua passagem para a reserva, prevista para março próximo.

Além dos militantes pró-golpe, reunidos timidamente em diversos pontos do país, circularam pela net informações incendiárias, que diziam já ter ocorrido a intervenção e davam conta da ida de tropas para as ruas, bloqueio de estradas por caminhoneiros e falta de combustíveis motivada pela impossibilidade da mercadoria chegar aos centros distribuidores.

Cada arauto da instabilidade dava suas cores ao movimento e acusavam a mídia regularmente estabelecida de estar escondendo a realidade. Manifestações dessa ordem não servem para nada. Pelo contrário, podem até atrapalhar aqueles que, tendo condições, possam estar articulando a tomada do poder.

As pessoas têm de entender que hoje vivemos um momento diferente daqueles em que o Brasil teve as suas viradas de mesa políticas e mesmo daquelas crises sufocadas pelo governo de então.

Naqueles tempos, as comunicações eram precárias e a notícia demorava horas ou até dias para sair de um lugar e chegar a outro e disso se valiam os revoltosos para agir. Hoje, com a internet, o telefone eficiente, a TV, jornais, rádio e meios de transporte rápido, é mais difícil a formação isolada de um bolsão de sublevados pois quem é do ramo sabe que, para uma intervenção, é necessário preparação e tempo e, mais que isso, a adesão de significativos contingentes das forças armadas.

As condições tecnológicas não permitem mais o blefe, pois é muito fácil o acompanhamento em tempo real e a checagem da situação em todo o território nacional ou pelo menos nos seus pontos mais sensíveis. Aqueles que cultivam a intervenção militar devem, antes de agir, estudar a história e verificar se no Brasil de hoje, mesmo com todas as mazelas e dificuldades, existem condições objetivas ou pelo menos parecidas com aquelas que no passado nos conduziram à quebra institucional.

A criação de boatos alarmistas não tem utilidade alguma. O povo, por mais inflamado que esteja, jamais fará sozinho uma revolução. A intervenção – se um dia ocorrer – virá dos profissionais das forças armadas que, pelo menos até agora, garantem permanecer recolhidos aos quartéis e guardiães da Constituição e suas instituições. Jamais veremos uma revolução produzida e sustentada por civis via internet...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso