Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A tecnologia como remédio para a saúde pública

A tecnologia como remédio para a saúde pública

21/02/2017 Francielle Regeane Vieira da Silva

Cerca de 1,4 milhão de pessoas deixaram os planos de saúde em 2016 no Brasil.

A estimativa é da Agência Nacional de Saúde (ANS) e tudo indica que seja uma consequência do aumento de preços, do endividamento e do crescimento do índice de desempregados.

E a sobrecarga para o Sistema Único de Saúde (SUS) é imediata. A garantia dos serviços prestados pela saúde pública está entre os maiores desafios enfrentados pelos municípios brasileiros.

Muito se investe, mas pouca coisa é perceptível ao cidadão. De acordo com estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), 40% de todos os gastos com saúde são desperdiçados por ineficiência. O Brasil gasta 9,3% do PIB na área - ou seja, cerca de R$ 410 bilhões investidos. Se considerarmos a estimativa, R$ 164 bilhões ao ano podem estar sendo desperdiçados por pura falta de controle e gestão.

Realizar o controle de pacientes, filas de leitos, distribuição e estoque de medicamentos, aplicação de vacinas, agendamento de consultas e exames especializados são atividades que se tornam ainda mais complexas quando se tem um grande número de pacientes e um orçamento apertado.

É aí que a tecnologia se mostra fundamental para a melhoria da saúde pública. Além de facilitar a administração das atividades, os novos sistemas otimizam o tempo, tanto de gestores e profissionais quanto do cidadão, e permitem maior controle de gastos.

Mas isso ainda está longe de ser realidade em muitos municípios do País. O Ministério da Saúde divulgou em outubro de 2016 que 76% das Unidades Básicas de Saúde (UBS) ainda realizam o controle do histórico do paciente em papel. Das 41.688 unidades em funcionamento, em 5.506 municípios brasileiros, apenas 10.134 possuem prontuários eletrônicos.

E essa ferramenta está se tornando cada vez mais importante, pois permite ao profissional de saúde registrar as ações tomadas durante o atendimento ao paciente. Todas as informações podem ser armazenadas e acessadas a qualquer hora, em qualquer lugar, e ficam armazenadas para futuras consultas.

Quer um exemplo prático da importância do prontuário eletrônico? Num momento em que a febre amarela volta a assustar é possível, por meio dos registros coletados nos prontuários, fazer a correlação das regiões onde os casos aparecem com as condições de moradia e informações sociais dos pacientes, como frequência da coleta de lixo, tratamento do esgoto, hábitos de vida, escolaridade, faixa de renda.

E assim a área epidemiológica pode atuar rapidamente e com mais eficiência. Outro gargalo da saúde pública que pode ser tratado de maneira mais inteligente com a tecnologia é a espera por consultas e internações. O Instituto das Cidades Inteligentes (ICI) já oferece uma solução integrada que organiza e controla eletronicamente as filas de atendimento e a ocupação dos leitos.

O gestor consegue acompanhar em tempo real, por meio de dashboards, as filas nas unidades de saúde e na emergência, sendo possível analisar o tempo de espera dessas solicitações e realizar a tomada de ação imediata para aperfeiçoar o processo de atendimento.

É a tecnologia permitindo à alta administração uma visão real do dia a dia da saúde pública no município. Investimentos mais efetivos, diminuição do desperdício e informações disponíveis a qualquer tempo, que trazem impactos diretos para um melhor atendimento à população.

* Francielle Regeane Vieira da Silva é coordenadora de projetos do Instituto das Cidades Inteligentes. 



Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!


O povo brasileiro está triste

Vivemos um momento único na história do Brasil. Passamos atualmente por uma crise sem precedentes.


Por que sua organização desafia as leis da física

Organizações são como seres vivos. Ambos desafiam as leis da termodinâmica e tentam reter a energia, cuja tendência natural da entropia é fazer com que se dissipe.