Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A tecnologia e a sala de aula

A tecnologia e a sala de aula

30/08/2012 Ana Paula Barros de Paiva

Difícil falar das transformações que a tecnologia pode proporcionar. Muitos dizem ser um assunto um tanto já discutido, ninguém aguenta mais ouvir esta “balela” de que a tecnologia transforma vidas e proporciona aulas dinâmicas.

Todos sabem como a tecnologia avança e permite novas abordagens, especialmente voltada para a medicina e pesquisas científicas. Mas o objetivo não é discutir isso, e sim o que a tecnologia tem a ver com a minha sala de aula.

A cultura do professor segue este caminho há anos – “minha sala”, “meu aluno”, “minha escola”, e são bem interessantes essas falas. Enquanto professora, já tive esse pensamento também, mas hoje vejo que o aluno não é meu, eles estão no convívio escolar, sendo preparados para viverem em sociedade.

Pode até ser engraçado pensarmos assim, pois sei que esse sentimento não é egoísta, é proteção, pois queremos cuidar. Mas quanta coisa mudou... a ciência e a engenharia avançaram, e nem se fale das pesquisas biológicas. Quanta coisa foi descoberta, a ponto de hoje ser possível saber o quanto o ser humano já destruiu o planeta Terra, buscando agora formas para tentar reverter tal situação.

E com a escola, ou melhor, com a Educação, não poderia ser diferente. Ela também mudou. O perfil dos professores e a política também se transformaram conforme mudaram seus representantes. E a escola, como parte de uma sociedade que se desenvolve diariamente, não pode ficar fora desse movimento.

Quando se fala em Tecnologia e Educação, ainda existem muitas dúvidas de como fazê-la. Educadores e pais têm receio, o que é compreensível, mas não é interessante privar os alunos de tal acesso, logo que todos os alunos têm contato com a tecnologia e se sentem confortáveis ao usá-la. A preocupação com esta integração entre “Recursos Tecnológicos e Conteúdos Pedagógicos” precisa acontecer de maneira natural, tanto para o aluno como também para o professor. Precisamos quebrar esta barreira, esta “muralha” de que “Ah! Vou perder meu lugar”.

Professor, você não perderá o seu lugar, a educação sem você não vai acontecer. Perceba que a tecnologia poderá apoiar suas aulas. Ela não pode estar em primeiro lugar, é apenas um recurso que você irá usar na aula, seja ele qual for: uma rede social de comunicação ou imagem, aplicativos, softwares.

Nem é necessário pontuarmos neste momento qual a ferramenta será utilizada – se um tablet, computador, celular ou notebook –, pois, independentemente dela, o ideal é que o planejamento da aula favoreça e intensifique o desenvolvimento e o aprendizado dos conteúdos pedagógicos, sendo o recurso tecnológico apoio para as atividades.

No caso de não ter muitas habilidades com esse tipo de planejamento, comece buscando leituras sobre esse assunto no site Planeta Educação. Leia também projetos que usaram a tecnologia e deram certo nos sites Nova Escola  e Microsoft. Você encontrará alguns planos de aulas, além de ideias e sugestões que podem ser adaptadas para a sua realidade.

Não aponte os pontos negativos, pois já existem milhões de pessoas apegadas a isso. Mostre você a solução, tire fotos do seu projeto, registre os avanços dos alunos e mostre para o mundo quanta coisa é possível fazer se apontamos o lado bom das novas coisas. Existe uma diversidade de blogs que também mostram projetos e planejamentos que deram certo e o que não deu.

Por isso, é importante a seleção dos sites e blogs para que você tenha informações confiáveis e, até mesmo, se sinta estimulado a criar um e a compartilhar as suas experiências. Lembre-se sempre da importância de se preparar, independentemente do conteúdo e do recurso que for utilizar em sua aula.

* Ana Paula Barros de Paiva é Orientadora-Educacional na área de Informática Educacional na empresa Planeta Educação.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.