Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A União Fraternal

A União Fraternal

14/04/2019 Paulo Eduardo de Barros Fonseca

Sob qualquer aspecto – material ou espiritual – a união fraternal é o sonho que transcende a alma humana.

No entanto, esse sonho não se realizará sem que haja respeito mútuo, o qual decorre da harmonia entre as pessoas, mesmo porque somente se chegará à união fraternal “procurando guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz” (Francisco Candido Xavier. Fonte Viva, pg. 114. FEB).

Jesus, por seus ensinamentos e, sobretudo, por exemplos, deixou expressamente consignado que Sua religião “é o amor, pois o amor tem a mesma validade tanto na terra como nos mundos superiores, pois ele sintetiza tudo o que almejamos. Ele é uma religião eterna e universal, pois não sofre alterações nem no tempo, nem no espaço. E sabendo que o maior sustentáculo das criaturas é o amor, verão também a luz, pois Jesus sempre ilumina o caminho e todos, mas quem tem que percorrer esse caminho são vocês e com amor”. Tereza de Barros Fonseca (Irmão Alpe. A religião de Jesus. Reunião de Educação Mediúnica em 18/02/2002. Casa de Estudos Espírita “Dr. Alberto Seabra”).

Pensar e agir de modo diferente exprime evidente alienação de sentimentos e partidarismo contencioso, bem como cria contendas que, ao contrário da união, criam fragmentações que, por vezes, causam conturbações de todas as ordens.

A essência da mensagem de Jesus é amar e respeitar o próximo e “é com a serenidade do espírito, buscando sempre o estudo para o aprendizado que o homem vai infiltrando no seu coração todas as doçuras da verdade, que dá a certeza da grandiosidade de Deus com todos os seus filhos. Assim, meus irmãos, aprendam a mais agradecer do que pedir, pois já são agraciados com o alento, a esperança e, principalmente, com a certeza que nenhum filho será menos amado, pois todos são sempre queridos e zelados da mesma maneira” (Tereza de Barros Fonseca. Irmão Alpe. A equidade. Reunião de Educação Mediúnica em 23/08/ de 2011. Casa de Estudos Espírita “Dr. Alberto Seabra”).

Quando entendermos que a humanidade é uma só e que todos precisam de ajuda será possível exercitar o Salmo 133 que diz: “Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos possam viver em união”.

Existindo harmonia e paz entre os homens, haverá amor e, como consequência, Deus estará presente consagrando a união fraternal.

* Paulo Eduardo de Barros Fonseca é vice-presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.