Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A única na sala

A única na sala

20/03/2018 Cristina Randazzo

Quando eu era criança, admirava a dedicação da minha mãe pelos cuidados com a casa e com os filhos.

Mas eu sabia que queria um caminho diferente. Bem diferente. Escolhi uma carreira que, na época, não era encarada como uma possibilidade feminina. Iniciei minha vida profissional em dois caminhos paralelos, ambos quando eu ainda estava na faculdade de Ciência da Computação.

O primeiro deles foi abrir uma empresa de treinamento de informática. Naquela época as pessoas ainda procuravam uma escola para aprender Windows, Word, Excel, etc. Quase simultaneamente, fui convidada por um professor da universidade para participar de um projeto de desenvolvimento de aplicações geoespaciais na plataforma do AutoCAD.

Foi assim que entrei no mundo Autodesk. Desde essa época, e lá se vão muitos anos, por muitas vezes fui a única mulher na sala. Seja em uma reunião interna, em um treinamento, ou em uma reunião com o cliente, a maioria esmagadora dos presentes eram sempre homens.

No início, estava tão absorvida por questões técnicas do trabalho que não me dava conta de como o sexismo era presente. Com o tempo fui vivenciando situações que mostravam a disparidade entre o mundo masculino e feminino no ambiente de trabalho, desde situações sutis como até outras que considerei grosserias e escancaradas. Uma situação até engraçada pela qual passei foi em um café com um funcionário recém-contratado.

Depois que paguei a conta ele comentou: “a única mulher que pagou minha conta até hoje foi minha mãe”. Recentemente em uma reunião um dos participantes contou uma piada extremamente machista. Não fiz nada na ocasião e me odiei por isso. Acho que um grande aprendizado neste episódio é que nós mulheres temos que nos posicionar. Com educação, claro, mas devemos deixar claro quando um comportamento ultrapassa algum limite.

Outra coisa que aprendi na experiência de ser “a única mulher na sala” é que a gente deve desenvolver a autoconfiança. Não somos menos que ninguém. Nem mais. Somos iguais. A forma como se encara o tema “diversidade” ainda é muito diferente na América Latina do que vemos nos Estados Unidos, por exemplo. Ainda temos um longo caminho a percorrer.

Vejo aqui na Autodesk, onde trabalho, que estamos dando um importante passo desde 2015 no sentido de ampliar a diversidade, ao ser criado uma posição de Global Diversity & Inclusion. A partir daí este assunto começou a ser amplamente discutido na empresa e agora posso afirmar que está sendo construída de maneira muito positiva uma consciência sobre a importância da diversidade e inclusão.

Com esse exemplo, me motivei ainda mais e aproveitei a oportunidade para liderar uma iniciativa na América Latina, o programa AWiL, de liderança feminina. A ideia é promover discussões e treinamentos que possam ser úteis para as mulheres que fazem parte da nossa empresa e assim construirmos uma cultura de igualdade. É um longo caminho, mas estamos no sentido certo.

* Cristina Randazzo é líder do time de especialistas técnicos da Autodesk para América Latina.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder