Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A única na sala

A única na sala

20/03/2018 Cristina Randazzo

Quando eu era criança, admirava a dedicação da minha mãe pelos cuidados com a casa e com os filhos.

Mas eu sabia que queria um caminho diferente. Bem diferente. Escolhi uma carreira que, na época, não era encarada como uma possibilidade feminina. Iniciei minha vida profissional em dois caminhos paralelos, ambos quando eu ainda estava na faculdade de Ciência da Computação.

O primeiro deles foi abrir uma empresa de treinamento de informática. Naquela época as pessoas ainda procuravam uma escola para aprender Windows, Word, Excel, etc. Quase simultaneamente, fui convidada por um professor da universidade para participar de um projeto de desenvolvimento de aplicações geoespaciais na plataforma do AutoCAD.

Foi assim que entrei no mundo Autodesk. Desde essa época, e lá se vão muitos anos, por muitas vezes fui a única mulher na sala. Seja em uma reunião interna, em um treinamento, ou em uma reunião com o cliente, a maioria esmagadora dos presentes eram sempre homens.

No início, estava tão absorvida por questões técnicas do trabalho que não me dava conta de como o sexismo era presente. Com o tempo fui vivenciando situações que mostravam a disparidade entre o mundo masculino e feminino no ambiente de trabalho, desde situações sutis como até outras que considerei grosserias e escancaradas. Uma situação até engraçada pela qual passei foi em um café com um funcionário recém-contratado.

Depois que paguei a conta ele comentou: “a única mulher que pagou minha conta até hoje foi minha mãe”. Recentemente em uma reunião um dos participantes contou uma piada extremamente machista. Não fiz nada na ocasião e me odiei por isso. Acho que um grande aprendizado neste episódio é que nós mulheres temos que nos posicionar. Com educação, claro, mas devemos deixar claro quando um comportamento ultrapassa algum limite.

Outra coisa que aprendi na experiência de ser “a única mulher na sala” é que a gente deve desenvolver a autoconfiança. Não somos menos que ninguém. Nem mais. Somos iguais. A forma como se encara o tema “diversidade” ainda é muito diferente na América Latina do que vemos nos Estados Unidos, por exemplo. Ainda temos um longo caminho a percorrer.

Vejo aqui na Autodesk, onde trabalho, que estamos dando um importante passo desde 2015 no sentido de ampliar a diversidade, ao ser criado uma posição de Global Diversity & Inclusion. A partir daí este assunto começou a ser amplamente discutido na empresa e agora posso afirmar que está sendo construída de maneira muito positiva uma consciência sobre a importância da diversidade e inclusão.

Com esse exemplo, me motivei ainda mais e aproveitei a oportunidade para liderar uma iniciativa na América Latina, o programa AWiL, de liderança feminina. A ideia é promover discussões e treinamentos que possam ser úteis para as mulheres que fazem parte da nossa empresa e assim construirmos uma cultura de igualdade. É um longo caminho, mas estamos no sentido certo.

* Cristina Randazzo é líder do time de especialistas técnicos da Autodesk para América Latina.



Conhecimento gera crescimento

O currículo costuma ser a principal referência de uma empresa para entender se um candidato atende ou não aos requisitos que ela necessita para ocupar uma determinada vaga.


Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.


Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Evolução da telessaúde

Maior segurança e respeito à autonomia de profissionais e pacientes.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Um doidivanas incorrigível

Todos reconhecem Camilo Castelo Branco, como escritor talentoso. Admiram-lhe a riqueza do vocabulário e a vernaculidade da prosa.