Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A velha forma de fazer política não tem fim

A velha forma de fazer política não tem fim

09/10/2019 Julio César Cardoso

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.

A Polícia Federal apreendeu cerca de R$ 120 mil na casa do deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM-PE) em operação realizada, com autorização do ministro do STF Luís Roberto Barroso, envolvendo o parlamentar e o pai dele, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

Casos de corrupção da espécie precisam ser devidamente apurados e não acobertados ou blindados pela corporação política do Congresso Nacional.

Tanto o presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre, quanto o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia, devem envidar esforços para a moralização dos membros do Congresso.

Pois bem, aqui está a velha forma de se fazer política no Brasil, lamentavelmente: roubar, roubar, roubar a nação e a esperança de melhorar as condições de pobreza dos desassistidos.

Não é à toa que muitos optam pela vida política, pois as recompensas (ilícitas) são tão gratificantes que vale a pena arriscar para engordar os seus patrimônios. 

Certa feita o jornal espanhol El País escreveu que ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.

Poucos vão para a política por patriotismo. A maioria abraça a política apenas para tirar proveito da coisa pública, como a sociedade vem testemunhando com o rol de políticos envolvidos em processo de corrupção.

Inclusive, temos hoje um ex-presidente da República condenado e preso por corrupção e lavagem de dinheiro.

Se filtrar o Congresso Nacional, ou o Legislativo em geral,  pouquíssimos parlamentares sairão ilesos das garras do Fisco e da Justiça, tal é a podridão de caráter de nossos políticos.

É muito vergonho e preocupante viver em um país, que se diz carente de recursos para atender às áreas da educação, saúde, segurança, habitação, saneamento básico de cidades onde o esgoto ainda corre a céu aberto, tendo atualmente mais de 13 milhões de pessoas desempregadas e endividadas, enquanto políticos (pai e filho) pilham, esbulham, roubam, saqueiam o Erário, escondendo o dinheiro dos contribuintes em malas, meias, cuecas, em pastas, envelopes e tudo adredemente planejado de forma descarada.

* Júlio César Cardoso é servidor federal aposentado.

Fonte: Júlio César Cardoso



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.