Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A vítima comum da Direita e da Esquerda

A vítima comum da Direita e da Esquerda

23/04/2017 Daniel Medeiros

“o que sustenta os discursos de vocês não passam de sombras projetadas nas paredes”

O final do século XX e essas duas primeiras décadas do século XXI revelaram uma mudança muito expressiva na noção geral sobre o “futuro”. As utopias revolucionárias do fim do XIX e primeiras décadas do XX – tanto comunistas quanto fascistas – imaginavam um lugar e um tempo no qual as sociedades – de classe, no primeiro caso; nacionais, no segundo – viveriam, conjuntamente, uma espécie de “paraíso” na Terra, livres dos infortúnios econômicos e dos inimigos raciais e/ou religiosos.

E qual mudança vem se processando? A ascensão de um novo tipo de aspiração de vida, focado no presente e não mais no futuro. Uma aspiração hedonista, alimentada pela quebra das tradições e pela busca pela flexibilização do trabalho, além da fantástica multiplicação dos contatos, graças às redes sociais.

Mudanças que liberaram desejos antes ignorados ou fortemente reprimidos, de uso pessoal do tempo, do corpo, das ideias, da força produtiva, e expressos em conquistas e lutas, como a onda de empreendedorismo, a liberação sexual, as mudanças de relação com o sucesso e o dinheiro, a busca por formas mais imediatas e prazerosas de “ganhar a vida”.

Todas essas mudanças atingem, principalmente (o que é óbvio!) os jovens. E, por isso, causam estranheza e, em muitos casos, repulsa dos mais velhos. A nova relação com o espaço público – que se torna lugar de lazer ao invés de lugar de debate, protesto – passa a ser vista como “alienação”; a nova relação com o Eu (self), narcisismo e superficialidade.

Difícil entender que estas mudanças traduzem, na verdade, um passo para frente do que nos acostumamos a chamar de Modernidade: o que já foi revolucionário ao romper com as hierarquias baseadas no sangue e nos títulos de nobreza, nas tradições locais, em nome de uma realização racional e universal, é agora abalada outra vez por uma nova “onda”: a da diversidade, da quebra da ideia de progresso e futuro, em nome de uma satisfação imediata, descontraída e descompromissada.

E tendo no indivíduo, presente e ativo, livre e criativo, alegre e opinativo, o centro dessa nova organização econômica, social e política. As correntes ideológicas ainda predominantes, tanto de “direita” quanto de “esquerda”, insistem nos velhos jargões de pátria, nação, classe, futuro, progresso ou tradição e glória.

E estes discursos surtem ainda grande efeito, principalmente entre os mais velhos e assustados, entre os trabalhadores das fábricas e funcionários públicos, entre os carentes e dependentes dos programas sociais e mesmo entre as novas gerações que internalizam esses discursos e enxergam seus desejos como “incorretos”.

Mas a “velha” política, ao reagir a esta busca de uma nova identidade como alienação e ignorância, não faz mais do que fizeram aqueles que recusaram o recado do primeiro corajoso que saiu da caverna e voltou para avisar: “o que sustenta os discursos de vocês não passam de sombras projetadas nas paredes”.

* Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica pela UFPR e professor no Curso Positivo.



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan