Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ações Brasileiras, a oportunidade da década?

Ações Brasileiras, a oportunidade da década?

14/07/2022 Ricardo Penha

Todos os consagrados livros de investimentos ou até mesmo os lendários gestores afirmam “compre na baixa e venda na alta”, mas por que será que isso é tão difícil?

De forma resumida, quando falamos de investimentos e dinheiro, o psicológico é quem manda. Atualmente, a maioria dos investidores brasileiros pensa:

“Por que devo investir em ações se a renda fixa me paga 13% ao ano sem risco? Além disso, eu escuto na rádio, TV e portais de notícias que o Brasil vai mal e ainda temos uma eleição pelo caminho.”

Essas preocupações existem sim, mas as pessoas esquecem que o preço reflete a expectativa e não o dia a dia de uma empresa. Se tudo estivesse bem, o preço dos ativos seria outro.

Outra coisa que as pessoas negligenciam são os ciclos de mercado, a diversificação e o plano de investimento.

1) A bolsa brasileira vai cair para sempre? Definitivamente não, assim como a bolsa americana não vai subir para sempre. Elas respeitarão seus ciclos.

2) Eu preciso ter 100% do meu capital investido em renda fixa ou em ações? Não, você pode e deve ter um balanceamento que te dê conforto na tomada de risco.

3) Qual meu horizonte de investimento? Qual meu perfil de investidor?

Essas perguntas facilitarão sua vida na tomada de decisão. Agora vamos aos fatos:

- A bolsa brasileira é a mais barata dos últimos 20 anos e o múltiplo de “Preço x Valor” do Ibovespa perde apenas para os índices das bolsas da Turquia e Egito, dois países considerados de altíssimo risco para se investir.

- O Brasil de hoje é muito melhor que o do passado. Reparem que todas as métricas de atividade hoje são melhores que a dos momentos agudos de crises anteriores.

- As eleições serão o fim do Brasil? Não acreditamos em uma ruptura institucional, mas nunca negligenciamos até mesmos os riscos improváveis, por isso a diversificação é importante e comprar ações baratas também.

Suzano, Itaú, Ambev e Vale são exemplos de empresas que atravessaram por diversas crises nos últimos anos e conseguiram gerar valor aos seus acionistas.

Se você não sabe precificar um ativo, você tem duas alternativas, comprar um fundo de ações e delegar essa gestão para um gestor, a um custo de taxas de administração e performance.

Ou assinar o serviço de uma casa de análise credenciada, que de forma independente, irá recomendar carteiras de investimento e você será o gestor do seu próprio capital investido.

O que, definitivamente, você não pode fazer é investir sem saber o que está fazendo. Entretanto, infelizmente isso é o que mais acontece.

Por isso a bolsa de valores brasileiros ainda conta com muitos torcedores ao invés de investidores.

* Ricardo Penha é sócio-fundador do Hub do Investidor.

Para mais informações sobre investimentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Lide Multimídia



Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).