Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Administrar as cheias, obrigação de Governo

Administrar as cheias, obrigação de Governo

19/02/2024 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

No momento, sofremos o calor intenso aqui no Brasil, com elevadas temperaturas e sensação térmica que chega aos 60 graus, ao mesmo tempo em que no hemisfério norte o povo é submetido ao rigoroso inverno de temperaturas que chegam a dezenas de graus abaixo de zero.

Na ótica mais simplória, tudo é culpa do fenômeno ‘el niño’, aquela corrente quente que sobe o Oceano Pacífico e invade acosta da América do Sul, provocando as alterações de tempo.

Mudou o regime das chuvas e, principalmente, a intensidade dos ventos que, da média habitual de 40 ou 50 km/h, passaram a deslocamentos de 100 ou mais km/h, provocando destruição e outros inconvenientes a uma região não preparada para esse fenômeno.

Só os estudiosos de meteorologia e ciências paralelas poderão avaliar e definir se o estado de violência – furacões, tornados e similares – deixarão de existir ou se chegaram para ficar.

Difícil saber, com segurança, se são apenas fenômenos passageiros ou profundas alterações na mecânica terrestre.

Enquanto não há definição, a providência mais lógica e possível é orientar a população para não enfrentar as águas das enchentes e se proteger até que as tormentas se acalmem.

O enfrentamento é pleno risco de vida, mesmo para aqueles que, dentro de um veículo, têm a falsa impressão de estarem protegidos.

Governos – federal, estaduais e municipais – têm o dever de agir para minimizar o sofrimento e a insegurança da população.

Fornecedores de água, eletricidade, comunicação e outros serviços têm de adotar medidas especiais para que sua clientela não seja penalizada por longos períodos de desabastecimento.

O poder público tem de criar novas normas para a fiscalização e manutenção das árvores em vias públicas de forma a evitar que apodreçam e possam cair sobre os transeuntes ou seus veículos e que interrompam a fiação dos postes.

A população deve ser motivada (ou até convocada) para observar a árvore da frente de sua casa e até ser autorizada a contratar os serviços de remoção daquelas que se revelarem com prometidas.

O devastador fenômeno das cheias é ponto que exige providências governamentais pois só os governos possuem força financeira para enfrentar os custos dessa obra de grande envergadura.

Em praticamente todas as áreas urbanizadas dos 5570 municípios brasileiros há pelo menos um lugar onde a água das chuvas se acumula e provoca problemas.

Resultado do desenvolvimento empírico e desordenado, que cada dia mais exige providências e elevados investimentos que, enquanto não ocorrem, vão provocando o sofrimento da população e prejuízos econômicos.

Nas últimas décadas, as grandes cidades resolveram os pontos mais críticos de inundação através da construção dos “piscinões”, que recebem a água das enxurradas que chegam velozes, ali são armazenadas e, depois, liberadas lentamente para evitar as cheias nas vias públicas, córregos e rios à jusante.

Mas isso é pouco, tanto que nas localidades dotadas de piscinões as enchentes de ruas e até bairros inteiros continuam ocorrendo.

A convivência das áreas urbanas com as águas das chuvas só se estabilizará quando os governos estabelecerem programas técnicos de prevenção.

Uma das razões das cheias dos fundos de vale é impermeabilização massiva do solo na área de drenagem. Não tendo como ser absorvida pelo solo, a água da chuva corre para as áreas baixas e causam a cheia, principalmente nas áreas onde os rios e córregos já foram canalizados e tiveram suas margens transformadas em avenidas ou parques.

Com a agravante de, pela maioria das cidades, que nasceram nas margens dos rios, as urbanizações terem começado pela parte baixa.

As tubulações empregadas para abrigar o curso d’água original tornam-se insuficientes quando a maior parte da faixa de drenagem deixa de absorver a chuva e a água corre toda para o fundo do vale.

Para solucionar, sempre que autorizar a expansão imobiliária, os governos têm de revisar o calibre dos tubos para evitar que a água vaze para as avenidas ou prédios vizinhos ao antigo riacho.

É comum vermos técnicos do governo dizerem que o Brasil é muito atrasado na administração das águas e no saneamento básico. Não consegue manter os rios limpos e nem tratar os esgotos. Essa é apenas uma parte do problema.

O controle das cheias é outra questão negligenciada, que precisa ser colocada na pauta de produção dos governos. A população não pode continuar convivendo com o sobressalto de ser arrebatada e ter seus pertences e até a vida perdidos nas águas das chuvas.

Governantes e parlamentares, eleitos pelo povo, têm o dever de buscar soluções para esse aflitivo problema. E a solução está mais próxima do que se imagina.

Órgãos governamentais e setor técnico das universidades já correram o mundo em visitas técnicas para aprender como cidades da Europa, Estados Unidos e outros pontos desenvolvidos do planeta resolveram a convivência da população com a água caída do céu e acumulada nos vales.

É uma questão de vontade política e, logicamente, de investimentos. Por mais desconhecidos e intrigantes que sejam os problemas, eles requerem trabalho em busca das soluções. Mãos à obra!

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre chuvas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes