Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Admirável mundo velho

Admirável mundo velho

20/03/2019 João Carlos Marchesan

Infelizmente, no mundo real o ideal olímpico de que “o importante é competir” não vige.

No início de fevereiro o ministro da economia da Alemanha, Peter Altmaier, apresentou a versão preliminar da nova política industrial alemã, a ser debatida e, possivelmente adotada, por toda a União Europeia.

O documento, intitulado “Estratégia nacional para a indústria 2030” objetiva defender a indústria alemã e reforçar sua liderança em diversos setores.

Resumidamente, permite ao governo alemão participar do capital em empresas consideradas estratégicas, para blindá-las do risco de eventuais aquisições por empresas estrangeiras, além de incentivar o fortalecimento de grandes empresas alemãs e europeias, capazes de competir em pé de igualdade com chineses e americanos.

Além da participação no capital, isto será feito através da flexibilização das regras antitrustes para estimular fusões e aquisições que reforcem a competitividade destas empresas, incluindo o aumento do apoio público à inovação.

A iniciativa, que estranhamente teve pouca repercussão na mídia brasileira, merece, entretanto, uma reflexão mais acurada, tanto das entidades representativas da indústria brasileira quanto de Brasília, para entender as razões desta ruptura histórica no posicionamento alemão que, desde o pós guerra, sempre defendeu a globalização e a primazia do mercado numa postura claramente liberal em termos econômicos.

Sem dúvidas, a adoção de uma política protecionista nos EUA, traduzida no “America First” de Trump, o lançamento do plano chinês “Made in China 2025” que advoga a liderança chinesa em áreas estratégicas e a guerra comercial entre estes dois países, junto com a ameaça de Trump de estendê-la aos países europeus, tiveram forte peso na decisão alemã.

Porém, além do cenário econômico, onde, claramente, a guerra comercial mascara uma luta pela hegemonia tecnológica e econômica entre China e EUA, há que considerar também o quadro político mundial com o crescente declínio da globalização, que está perdendo espaço para políticas claramente protecionistas no mundo todo.

Estas mudanças, em última instância, decorrem do descontentamento crescente dos trabalhadores de muitos países que estão vendo suas rendas estagnar, ou pior, estão perdendo seus empregos em consequência da pressão competitiva que a globalização trouxe, o que explica em boa parte movimentos como o Brexit, a eleição do Trump e a ascensão ao poder de governos populistas, no mundo todo.

Nada mais velho, portanto, dos países desenvolvidos retomarem as antigas politicas protecionistas, que permitiram, a cada um deles, se transformar em países ricos ao longo dos séculos XIX e XX.

É bom lembrar que os Estados Unidos assumiram o papel de paladinos do livre comércio somente após a segunda guerra mundial, quando não tinha sobrado, no mundo todo, ninguém capaz de enfrentar a indústria americana.

É neste mesmo período, iniciado após a segunda guerra mundial que surgiram, incentivados pelos EUA, os diversos organismos internacionais como Banco Mundial, FMI, OCDE, GATT/OMC que passaram naturalmente a defender, quando não a impor, a abertura comercial e financeira para todos os países e, em especial aos emergentes, junto como o resto do ideário liberal.

Agora os principais atores estão reposicionando suas peças no tabuleiro internacional para proteger seus mercados, suas empresas e, principalmente, sua capacidade tecnológica, de forma a capacitá-las a competir com sucesso num mundo onde a concentração industrial é a regra.

Nestas circunstâncias é imperativo o Brasil rever sua intenção de fazer uma abertura unilateral e outras mudanças que são válidas desde que o país tenha condições isonômicas de competição com seus concorrentes, algo que está claramente no campo dos desejos.

Como diz claramente o ministro alemão “mercados livres e abertos requerem condições estruturais assemelhadas para todos os atores econômicos que estão competindo”.

Salvo pouquíssimas exceções, nós não temos multinacionais brasileiras capazes de competir em pé de igualdade com os gigantes americanos, chineses ou europeus.

Nestas condições nossa prioridade deveria ser a adoção de uma agenda de competitividade que cuidasse especificamente de eliminar ou, ao menos, reduzir fortemente os componentes do “Custo Brasil” para a indústria brasileira ter as mínimas condições de competir.

Enquanto isto não ocorrer o Estado tem que tomar providências e encetar ações que minimizem ou excluam as ameaças decorrente da falta de isonomia. Infelizmente, no mundo real o ideal olímpico de que “o importante é competir” não vige. No mundo real o importante é vencer.

* João Carlos Marchesan é administrador, empresário e presidente do Conselho de Administração ABIMAQ/SINDIMAQ.

Fonte: Vervi Assessoria



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins