Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Agências reguladoras e a colisão com a Constituição

Agências reguladoras e a colisão com a Constituição

02/09/2012 Gil Meizler

No último dia 24 de agosto, um tribunal de apelação em Washington, capital dos Estados Unidos, confirmou decisão de uma corte inferior que impediu o governo norte-americano de exigir que as companhias de tabaco coloquem imagens de advertência sobre os males do fumo nos maços de cigarro.

O Poder Judiciário dos EUA entendeu que tal exigência contraria a Constituição do país, eis que a Norma Fundamental garante o direito de livre expressão. A regulamentação exercida pelas agências reguladoras não é novidade no Brasil.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), quiçá em reverência ao direito à vida, vem tentando garantir a saúde e reduzir o risco sanitário, porém fazendo tabula rasa à nossa Constituição Federal e a seu bel prazer editando regulamentos que colidem frontalmente com regras constitucionais, provocando efeitos nefastos e sufragando direitos e garantias dos administrados.

Aliás, diante do flagrante crescimento da função legislativa da Administração Pública direta e autárquica e do fato de inúmeras normas outrora editadas pelas Agências vêm inteiramente na contramão do princípio basilar da legalidade expressamente previsto na Constituição Federal, que o deputado Arthur Maia requereu recentemente (requerimento 87/12) reunião para discussãodas ações, funções e limites das agências reguladoras no Brasil.

E não por outra razão que referido requerimento foi aprovado na sessão do último dia 07 de agosto. Cabe ressaltar que encontra eco na mais autorizada doutrina que a competência afeta ao controle exercido pelas agências reguladoras, ao revés do que se vê na prática, pode se dar apenas de forma complementar e desde que se sujeite ao consagrado princípio da legalidade, notadamente porque apenas lei pode criar obrigações.

Cumpre ainda realçar que a Anvisa, ao passar ao largo da Constituição Federal e despida de legalidade, lavra autos de infração e deixa de agir em estreita conformidade com sua finalidade, dando ensejo a uma tensão de cunho legiferante da qual, por seu turno, deriva uma enxurrada de processos. Como se nota, a controvérsia está centrada na ânsia da Anvisa de editar normas que atentam contra normas hierarquicamente superiores, sem ao menos consultar aqueles que têm esse “know-how”.

Ora, a despeito da Agência ter se espelhado no FDA - agência que diferentemente da Anvisa possui uma espécie de poder legislativo aferido pela Constituição Americana que vem sendo levado a discussão no Judiciário de igual forma nos Estados Unidos -, é mister que se atente aos comandos legais balizadores e a todo o sistema no qual se funda a sociedade.

Pois bem, embora o argumento central adotado pela Anvisa, quando da elaboração das famigeradas Resoluções, qual seja o risco sanitário, a orientação é que as empresas busquem formas de mitigar as consequências, muitas vezes desastrosas, através de mecanismos não apenas paliativos como, por exemplo, mandado de segurança.

Em certos casos, i.e. proibições de propagandas de fármacos e restrições em farmácias apenas tais mecanismos serão hábeis para suspender e até mesmo extirpar efeitos indesejados. Com efeito, Projeto de Lei do Senado n° 144/2012de autoria do Senador Eduardo Amorim (PSC-SE) aprovado pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), no último dia 28 de agosoto, põe nos holofotes essa discussão, exatamente porque tal projeto determina que nos estabelecimentos que comercializam “fastfood” não será permitida a promoção, a venda, a comercialização e a distribuição de brinde, brinquedo, objeto de apelo infantil ou bonificação direcionada ao adquirente ou ao consumidor.

Porém, o próprio senador Eduardo Amorim, com precisão frisou que “o principal objetivo é proteger o público infantil, maior alvo de campanhas mercadológicas que promovem a venda casada de lanches com brindes ou brinquedos”, implicando afirmar que o senador reconheceu a necessidade de editar Lei para proibir propaganda de produto fiscalizado pela Anvisa.

Finalmente, cabe ressaltar que o Judiciário brasileiro vem dissipando qualquer dúvida que ainda paire sobre a tese aqui apresentada, revelando e chancelando que as decisões da Anvisa devem se dar de forma adstrita aos estreitos limites traçados pela Constituição Federal. Tudo a apontar para um novo horizonte e a evidenciar a transgressão à Constituição Federal, conforme destacado de forma acertada por representantes da sociedade e inclusive pelo Judiciário dos EUA que autorizava até pouco tempo atrás as agências a editarem normas e tomarem decisões incongruentes com a Norma Fundamental.

Gil Meizler é consultor em Direito Sanitário do escritório Braga e Balaban Advogados, especialista em Direito Sanitário pela Universidade de São Paulo (USP), membro da comissão de Direito Sanitário da OAB/SP, professor convidado de Direito Sanitário da FAAP.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira