Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aloha presidente Bolsonaro

Aloha presidente Bolsonaro

23/04/2019 Doacir Gonçalves de Quadros

É fato que em um regime político democrático como o nosso o governante não governa sozinho.

Há alguns dias foi divulgado nos principais meios de comunicação do país o comentário do presidente Bolsonaro em que ele afirma que “não nasceu para ser presidente e que seu cargo é só problemas”.

Segundo a imprensa e assessores próximos do presidente, esse comentário foi feito em tom de brincadeira. No entanto, não deixa de ilustrar bem as dificuldades que o atual presidente está enfrentando nestes primeiros meses de sua gestão.

A situação é decorrente da necessária aprovação da Reforma da Previdência, das quedas precoces de dois ministros, da baixa aprovação de seu governo junto à população, das várias polêmicas envolvendo ele próprio, seus filhos e ministros, etc.

É fato que em um regime político democrático como o nosso o governante não governa sozinho. Ele precisa de apoio do Congresso Nacional, dos empresários, da sociedade civil organizada, da opinião pública e dos meios de comunicação.

Era sabido que o presidente Bolsonaro, como qualquer outro que fosse eleito em seu lugar, teria que lidar e costurar uma ampla aliança em torno de um interesse maior: a estabilidade política, econômica e social do país.

É ouvindo comentários como o do presidente carregados de certo desespero e que talvez representem alguém que não se encontrou ainda no cargo - o qual se propôs a ocupar - que eu enxergo certo despreparo de certas lideranças políticas em nosso país.

Tal despreparo é por vezes o divisor de águas entre a facilidade e a dificuldade em governar, em saber ou não liderar uma nação, como já alertou séculos atrás Nicolau Maquiavel no livro O Príncipe, escrito em 1532. Muitos governantes não levam em conta que para governar, sobretudo um país das nossas dimensões e complexidades, ter só a fortu (ou sorte) não basta. Não compreendem que é preciso também possuir a “arte de governar” (virtu). 

Maquiavel se refere ao termo fortu como sendo “a sorte” com a qual o governante foi agraciado pelo acaso para chegar ao poder. A fortu explica o sucesso de muitos governantes em conquistar eleições e chegar ao poder sem esforços ou mesmo não tendo um programa de governo claro e nem habilidades políticas e de gestão. Isso ocorre muito aqui nas terras brasileiras vide nossos últimos ocupantes do cargo de presidente.

Já a virtu, segundo Maquiavel, consiste nas qualidades pessoais que o governante deve possuir e que são representadas pela qualidade da energia, do vigor, da resolução, do talento, do valor bravio, etc. Incluem-se também as ditas habilidades de adaptação que os governantes devem manejar de acordo com as particularidades de cada momento em seu governo para superar os infortúnios da função.

A lição de Maquiavel é clara: a fortu não é por si só suficiente para o governante governar como um líder. Não é suficiente porque a fortu ou sorte pode virar o jogo a qualquer momento e colocar o governante em situações extremas, deparando-o com problemas não previstos, sobretudo aqui no Brasil, onde o presidente vive e convive entre o oportunismo político das elites políticas.

Essa situação amiúde desencadeia um governo construído sob uma base de apoio de aliados oportunistas. O governante se vê em desespero quando a onda da sorte em que surfava está lhe deixando na mão.

Aloha presidente, cabe agora demonstrar sua virtu para conseguir o “aéreo” para continuar a surfar na onda da sorte. Essa foi uma situação típica dos últimos governantes que não conseguiram arrebentar com manobras virtuosas os imprevistos e problemas que enfrentaram em seus governos.

Sentindo o peso dos primeiros desafios dos muitos que se avizinham o presidente Bolsonaro bem descontraído recorre ao humor em seus comentários. Mas cá entre nós, sabemos que no fundo todo tom de brincadeira pode carregar consigo um viés de verdade.

* Doacir Gonçalves de Quadros é Professor Universitário.

Fonte: Doacir Gonçalves de Quadros



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?