Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aloha presidente Bolsonaro

Aloha presidente Bolsonaro

23/04/2019 Doacir Gonçalves de Quadros

É fato que em um regime político democrático como o nosso o governante não governa sozinho.

Há alguns dias foi divulgado nos principais meios de comunicação do país o comentário do presidente Bolsonaro em que ele afirma que “não nasceu para ser presidente e que seu cargo é só problemas”.

Segundo a imprensa e assessores próximos do presidente, esse comentário foi feito em tom de brincadeira. No entanto, não deixa de ilustrar bem as dificuldades que o atual presidente está enfrentando nestes primeiros meses de sua gestão.

A situação é decorrente da necessária aprovação da Reforma da Previdência, das quedas precoces de dois ministros, da baixa aprovação de seu governo junto à população, das várias polêmicas envolvendo ele próprio, seus filhos e ministros, etc.

É fato que em um regime político democrático como o nosso o governante não governa sozinho. Ele precisa de apoio do Congresso Nacional, dos empresários, da sociedade civil organizada, da opinião pública e dos meios de comunicação.

Era sabido que o presidente Bolsonaro, como qualquer outro que fosse eleito em seu lugar, teria que lidar e costurar uma ampla aliança em torno de um interesse maior: a estabilidade política, econômica e social do país.

É ouvindo comentários como o do presidente carregados de certo desespero e que talvez representem alguém que não se encontrou ainda no cargo - o qual se propôs a ocupar - que eu enxergo certo despreparo de certas lideranças políticas em nosso país.

Tal despreparo é por vezes o divisor de águas entre a facilidade e a dificuldade em governar, em saber ou não liderar uma nação, como já alertou séculos atrás Nicolau Maquiavel no livro O Príncipe, escrito em 1532. Muitos governantes não levam em conta que para governar, sobretudo um país das nossas dimensões e complexidades, ter só a fortu (ou sorte) não basta. Não compreendem que é preciso também possuir a “arte de governar” (virtu). 

Maquiavel se refere ao termo fortu como sendo “a sorte” com a qual o governante foi agraciado pelo acaso para chegar ao poder. A fortu explica o sucesso de muitos governantes em conquistar eleições e chegar ao poder sem esforços ou mesmo não tendo um programa de governo claro e nem habilidades políticas e de gestão. Isso ocorre muito aqui nas terras brasileiras vide nossos últimos ocupantes do cargo de presidente.

Já a virtu, segundo Maquiavel, consiste nas qualidades pessoais que o governante deve possuir e que são representadas pela qualidade da energia, do vigor, da resolução, do talento, do valor bravio, etc. Incluem-se também as ditas habilidades de adaptação que os governantes devem manejar de acordo com as particularidades de cada momento em seu governo para superar os infortúnios da função.

A lição de Maquiavel é clara: a fortu não é por si só suficiente para o governante governar como um líder. Não é suficiente porque a fortu ou sorte pode virar o jogo a qualquer momento e colocar o governante em situações extremas, deparando-o com problemas não previstos, sobretudo aqui no Brasil, onde o presidente vive e convive entre o oportunismo político das elites políticas.

Essa situação amiúde desencadeia um governo construído sob uma base de apoio de aliados oportunistas. O governante se vê em desespero quando a onda da sorte em que surfava está lhe deixando na mão.

Aloha presidente, cabe agora demonstrar sua virtu para conseguir o “aéreo” para continuar a surfar na onda da sorte. Essa foi uma situação típica dos últimos governantes que não conseguiram arrebentar com manobras virtuosas os imprevistos e problemas que enfrentaram em seus governos.

Sentindo o peso dos primeiros desafios dos muitos que se avizinham o presidente Bolsonaro bem descontraído recorre ao humor em seus comentários. Mas cá entre nós, sabemos que no fundo todo tom de brincadeira pode carregar consigo um viés de verdade.

* Doacir Gonçalves de Quadros é Professor Universitário.

Fonte: Doacir Gonçalves de Quadros



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins