Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Alto desempenho nos vestibulares

Alto desempenho nos vestibulares

08/08/2011 Fábio Visioli

Quando os vestibulares surgiram no Brasil, nas primeiras décadas do século XX, já se constituíam exames de seleção e uma forma de equalizar o número de candidatos e vagas.

Atualmente, com a democratização do ensino, a abertura de novos cursos e as novas formas de ingresso na faculdade, além das exigências do mercado de trabalho, ser universitário é componente integrante do ideário jovem e de suas famílias. Contudo, apesar das mudanças do Enem, exames seriados, cotas e outros, muitos vestibulandos não se preparam adequadamente. Ao ficarem temerosos, prejudicam, assim, os seus próprios resultados. Tal qual um atleta de alto desempenho que se prepara anos para uma competição, o estudante deve ter clara uma rotina de estudos, avaliação, e, sobretudo, estratégia. Conhecer bem a carreira profissional e universitária, bem como as suas exigências para ingresso, e, mais importante, como são solicitadas as resoluções das questões, diferenciam o jovem e favorecem o seu resultado na prova.

Há de ficar clara aos alunos a necessidade de uma rotina de estudos diários, a partir da verificação de suas reais dificuldades e esclarecimento de dúvidas com os professores. É preciso também que o aluno possua ciência do conteúdo exigido e verifique os índices de tendências das provas e, principalmente, tenha uma boa bagagem cultural, acompanhada de um senso crítico apurado, o que se torna um grande diferencial. Somado a todos esses elementos, o aluno estará apto a estudar com uma maior responsabilidade, conhecendo, assim, suas preferências e seus pontos a serem trabalhados. Essas são ferramentas importantes para que o aluno esteja, de fato, pronto para uma boa prova. O bom resultado é, portanto, uma soma de dedicação, autocontrole e conhecimento.

Fábio Visioli* é consultor pedagógico do Ético Sistema de Ensino, da Editora Saraiva.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.