Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Alto desempenho nos vestibulares

Alto desempenho nos vestibulares

08/08/2011 Fábio Visioli

Quando os vestibulares surgiram no Brasil, nas primeiras décadas do século XX, já se constituíam exames de seleção e uma forma de equalizar o número de candidatos e vagas.

Atualmente, com a democratização do ensino, a abertura de novos cursos e as novas formas de ingresso na faculdade, além das exigências do mercado de trabalho, ser universitário é componente integrante do ideário jovem e de suas famílias. Contudo, apesar das mudanças do Enem, exames seriados, cotas e outros, muitos vestibulandos não se preparam adequadamente. Ao ficarem temerosos, prejudicam, assim, os seus próprios resultados. Tal qual um atleta de alto desempenho que se prepara anos para uma competição, o estudante deve ter clara uma rotina de estudos, avaliação, e, sobretudo, estratégia. Conhecer bem a carreira profissional e universitária, bem como as suas exigências para ingresso, e, mais importante, como são solicitadas as resoluções das questões, diferenciam o jovem e favorecem o seu resultado na prova.

Há de ficar clara aos alunos a necessidade de uma rotina de estudos diários, a partir da verificação de suas reais dificuldades e esclarecimento de dúvidas com os professores. É preciso também que o aluno possua ciência do conteúdo exigido e verifique os índices de tendências das provas e, principalmente, tenha uma boa bagagem cultural, acompanhada de um senso crítico apurado, o que se torna um grande diferencial. Somado a todos esses elementos, o aluno estará apto a estudar com uma maior responsabilidade, conhecendo, assim, suas preferências e seus pontos a serem trabalhados. Essas são ferramentas importantes para que o aluno esteja, de fato, pronto para uma boa prova. O bom resultado é, portanto, uma soma de dedicação, autocontrole e conhecimento.

Fábio Visioli* é consultor pedagógico do Ético Sistema de Ensino, da Editora Saraiva.



Redes sociais: espaço fértil para a indignação e a esperança

Há um inconformismo geral com o nosso cenário político atual, a indignação é generalizada e evidente em parcela significativa da população.


Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!


O povo brasileiro está triste

Vivemos um momento único na história do Brasil. Passamos atualmente por uma crise sem precedentes.