Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ambientalistas de aquário ou geração de emprego?

Ambientalistas de aquário ou geração de emprego?

02/03/2018 Julio Gavinho

Vivemos o dilema fundamentalista que opõe o crescimento econômico pela preservação ambiental.

Aprendi com meu amigo Irineu Guimarães (o dínamo imobiliário do Ceará), que o Piauí recuperou seus 66km de belas praias por um jamegão de D. Pedro II. O Ceará se fez de bobo por uns 300 anos, tungando do vizinho, o acesso ao mar.

A praia de Luís Corrêa, nesta nesga beira-mar do Piauí, é das mais belas do Brasil com seus recifes coloridos, dunas e um vento preguiçoso que acalma o relógio. Tanto acalmado o relógio que o desenvolvimento turístico ainda não chegou até lá. Inúmeros peixes ornamentais nunca viram um rio ou um dos sete mares.

Foram paridos e, os que sobreviveram do apetite dos pais, crescidos dentro de um aquário. Assim como vários outros animais de cativeiro, os peixes de aquário não conhecem predadores ou outro alimento senão aquele pó estranho que espalhamos sobre a água dos belos aquários que temos em casa.

Claro que existem exceções como aqueles que comem larvas ou as divertidas Pitóns domésticas que comem pequenos roedores. Mas o fato é: nenhum deles sabe como é a vida real. Assim como os nossos ambientalistas de aquário. Eu passei minhas férias no Ceará, assim como os últimos feriados, fins de semana, etc.

Eu e minha família simplesmente amamos o Ceará, suas praias e cenários, mas principalmente amamos o Cearense e sua cultura. Eu sempre quis desenvolver um resort no litoral cearense. No Marriott, no Hyatt e nos últimos anos da minha dura vida empresarial.

Sempre esbarrei em questões ambientais que, de uma forma ou de outra, diminuíram meu apetite e daqueles que me financiavam. Fazendo uma conta de padeiro (excelentes matemáticos por sinal), o meu desejo seria de um resort de cerca de 500 apartamentos e entre 500 e 1.000 empregos diretos. Seriam cerca de R$350.000.000 em investimento apenas no hotel. Seriam... seriam... seriam.

Todos os centavos espantados pelo fantasma da incerteza de licenças ambientais. Eu advogo pelo desenvolvimento, pelo emprego e pelo crescimento da economia através da iniciativa privada. Não advogo pelas dunas nem pelo mico leão dourado. Tem muita gente fazendo isso, do escritório, das estações ambientais e do sofá da sua casa mesmo...

Embora entenda que ambos devam ser preservados, vivemos há muitos anos o dilema fundamentalista que opõe o crescimento econômico pela preservação ambiental. Esta discussão é vazia e temerária pois não há preservação sem ocupação: o que há no lugar da ocupação é a invasão como atestam as encostas do Rio de Janeiro, o entorno da Lagoa da Conceição, e quase toda reserva de mata atlântica remanescente (abandonada pelos ambientalistas de cativeiro).

Durante meus 15 dias no litoral cearense pude observar estarrecido, o fluxo de camionetas de luxo disputando rachas sobre as dunas. Também vi hordas de bugres com turistas, voando baixo nas dunas, com emoção.

Até “ski” puxado por camionetas eu vi, coroando o vácuo entre o entendimento burocrático da restrição e preservação, e a humilhação do argumento oficial, real, prático, enterrado na areia.

Eu não toco o “samba do incorporador doido”, como diria o Stanislaw Ponte Preta. Mas demando uma visão prática sobre projetos turístico-imobiliários em um logradouro público dito turístico, como o Brasil.

* Julio Gavinho é executivo da área de hotelaria com 30 anos de experiência, fundador da doispontozero Hotéis, criador da marca ZiiHotel, sócio e Diretor da MTD Hospitality.



Conhecimento gera crescimento

O currículo costuma ser a principal referência de uma empresa para entender se um candidato atende ou não aos requisitos que ela necessita para ocupar uma determinada vaga.


Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.


Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Evolução da telessaúde

Maior segurança e respeito à autonomia de profissionais e pacientes.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Um doidivanas incorrigível

Todos reconhecem Camilo Castelo Branco, como escritor talentoso. Admiram-lhe a riqueza do vocabulário e a vernaculidade da prosa.