Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Aprenda como enfrentar seus medos

Aprenda como enfrentar seus medos

18/04/2014 Margareth Signorelli

“Os medos nada mais são do que estados mentais. E o nosso estado mental está sujeito a controle e direção”.

Todos nós temos nossos medos em diferentes proporções, setores e que variam dependendo da fase de nossa vida. As características pouco mudam, nos fazendo sentir paralisados e impedidos de tomar decisões, pois nos assusta como uma sombra ameaçadora. Sentimo-nos dominados, ele está no comando.

Falo do medo que nos impede de tomar atitudes, de seguir em frente, e não do que nos chama atenção quando existe perigo eminente. Aquele medo que nos alerta serve como um aviso precioso, chega como um relâmpago provocando uma reação física real e nos coloca em uma posição de decisão de atacar ou fugir. O outro tipo permanece cronicamente e nos impede de pensar racionalmente, se apoderando do corpo e da mente.

Existe uma pequena historia budista chamada “A sala com 1000 fantasmas”. Ela diz que, quando os monges querem adquirir mais sabedoria para aprender a superar seus medos, lhes é oferecido um atalho, uma dinâmica que acelera anos de meditação servindo como um tratamento de choque na busca do domínio desta emoção tão bloqueadora.

Caso você não queira ficar 20 anos fazendo meditação para enfrentar seus piores medos, faça esta dinâmica abaixo e sinta a diferença:

- Relaxe e feche seus olhos. Respire fundo e imagine que você está entrando por uma porta em uma sala com 1000 fantasmas e tem que sair do outro lado. Nesta dinâmica você tem um propósito, que é sair pela outra porta.

- Eles nos dão 2 conselhos antes de entrar na sala:

1- Lembre-se que tudo o que você verá, não importa quanto horrível pareça, é somente a projeção do seu pensamento.

2- Não importa o que você veja, pense ou sinta. Siga em frente e você sairá pela outra porta, ileso.

Quando tiver medo transforme-o nestes fantasmas ameaçadores, fazendo com que pareçam mais aterrorizantes ainda. Dê margens à sua fantasia e vá mais fundo imaginando o pior que eles possam lhe proporcionar. Use este ensinamento para enfrentá-los em situações diversas.

Lembre-se que o que te assusta e te paralisa em diferentes fases da sua vida é a projeção dos seus pensamentos. Se você continuar em frente, engajado em seu propósito e objetivo, conseguirá “sair pela outra porta” e se suplantará. Perceberá que o poder para combatê-los está ao seu alcance, dentro de você mesmo. É só uma questão de aprender como usá-lo fazendo, assim, com que seu maior temor se transforme em mais uma grande superação. O importante é saber como enfrentá-los.

* Margareth Signorelli é Coach de Relacionamento e Terapeuta



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.