Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aprender a aprender

Aprender a aprender

25/07/2022 Marco Antonio Spinelli

Uma querida amiga que esteve na linha de frente da Covid contou um divertimento algo sádico como os negacionistas e anti vacinas, que chegavam no hospital batendo no peito e berrando que não tinham medo do tal do Coronavírus, até começarem os primeiros sinais de febre ou de falta de ar.

Alguns pediam pelo oxigênio com algum desespero, com a saturação de O2 completamente normal. Traduzindo para os queridos leitores, uma falta de ar terrível com exames mostrando uma oxigenação completamente normal. Também conhecida como uma crise de Ansiedade.

Eu, aqui com meus botões, e imagino que muita gente que está lendo esse texto, devemos lembrar com sinceridade de momentos em que parecia que o ar faltava e que o terrível vírus parecia estar se espalhando pelo nosso corpo. Crises falsas de Covid.

Nos primeiros meses da Pandemia, tive alguns episódios, então não vou ficar rindo dos negacionistas. O fato é que toda a Ideologia desmorona quando começa a apertar o nosso calo, então é melhor não pagar de machão quando o assunto é nossa saúde.

O conhecimento científico amplamente difundido vem criando um novo tipo de Doença Coletiva, a Normose. Como hoje as fronteiras entre Virtude e Pecado, temos uma nova moralidade, em que pecado é estar doente, e a virtude máxima é a absoluta Saúde.

O que significa esse conceito, também está aberto a amplo debate. Devemos ser carnívoros ou vegetarianos, magros ou mais magros (já que a imensa maioria, como eu, estamos mais para o sobrepeso ou coisa pior).

Exercícios físicos regulares, alimentação rica em prebióticos, ou muitos vegetais, e probióticos, novos queridinhos de nutricionistas e nutrólogos. Adeus farinhas, açúcares e derivados do leite.

Pode se perguntar o leitor: você é contra tudo isso, Spinelli? Virou um psiquiatra negacionista? Claro que não. Óbvio que não. O meu problema não é com os cuidados de saúde. O meu problema é com a forma de comunicação.

Digo para todos os meus pacientes que toda frase que começa com “Eu tenho que …” está inevitavelmente fadada ao fracasso.

“Eu tenho que emagrecer”; “Tenho que ter vergonha na cara e fazer minhas caminhadas”; “Tenho que cortar os carboidratos”. E por aí vai.

A Neurociência diz que que a tal Força de Vontade é como um foguete que mira na Lua e cai em duas esquinas. A tal da força de vontade se alimenta de promessas que alguém faz sabendo que não se pode cumprir.

Atenção, meninas: cuidado com caras que se apaixonam logo e saem fazendo planos e promessas mil: esse foguete tende a ser um teco teco disfarçado.

Nossas promessas de Ano Novo costumam ter o mesmo destino. Estamos destinados ao fracasso de nossas boas intenções? Não. Claro que não.

Como podemos cumprir nossas promessas e ter uma vida mais saudável? Antes de mais nada: faça projetos viáveis. Em vez de tentar correr a São Silvestre no primeiro dia de treinos, faça algo que se possa repetir, como treinos de vinte minutos.

Procure todo apoio que for possível: nem todo mundo pode pagar um Personal Trainer, então veja grupos de dietas, grupos de caminhadas, grupos de meditação, grupos.

A solidão e o isolamento são doenças antigas mas que atingiram proporções pandêmicas em nosso tempo. Fazer as coisas com a motivação de não deixar na mão o seu grupo, não decepcionar sua amiga, tem muito mais chance de sucesso.

Grupos de Ajuda produzem melhores resultados que promessas de Domingo, do tipo: amanhã começo a dieta.
Mude hábitos um por um.

Não tente, na mesma semana, entrar para a Academia, fazer jejum intermitente e baixar um aplicativo de Musculação e outro de Meditação. O seu foguete vai cair em uma semana. Ou menos. Hábitos se mudam um por um, não por atacado.

Temos acesso a uma quantidade infinita de informação. Tem até um nome bonito para isso, Information Overload, Sobrecarga de Informação.

Nas Redes Sociais e no Youtube, a quantidade de gurus querendo mudar a nossa vida é algo próximo de um Cyberbullying: faça isso, não faça aquilo, ouça o que eu digo, não ouça ninguém, fique magro, fique forte, proteja-se que o bicho papão está por aí.

Sabemos, todos, que é melhor ter uma vida saudável, é fundamental fazer exercícios e ter alguma harmonia com seu mundo interno, seja com Meditação, seja rezando o Terço, seja fazendo tricô. Mas esses hábitos devem ser trabalhados um de cada vez.

Uma semana de detox de comida que não é comida. Três horários reservados por semana para exercícios possíveis. Um ingrediente novo na dieta, como legumes e verduras.

Reduzir como for possível a quantidade de pães, bolachas, açúcar e derivados do leite que deixam nosso organismo mais inflamatório.

E quanto mais você fizer isso com outras pessoas, melhor. Um terapeuta, um nutricionista, seu médico, sua família, seus amigos.

Beto Guedes cantava: “A lição sabemos de cor, só nos resta aprender”. Eu diria que a lição sabemos de cor, só nos resta aprender a aprender.

(Quando terminava esse texto, vem a mensagem de um aplicativo: quando vai se permitir ser apenas você mesmo? Deletei o aplicativo).

* Marco Antonio Spinelli é médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de orientação junguiana e autor do livro “Stress o coelho de Alice tem sempre muita pressa”.

Para mais informações sobre vida saudável clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vervi Assessoria



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho