Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aprender com o passado para proteger o futuro

Aprender com o passado para proteger o futuro

29/01/2022 Claudio Lottenberg

Ignorância sobre o Holocausto cria terreno fértil para a violência contra minorias.

Já faz algum tempo que os judeus do mundo inteiro vêm constatando uma tendência preocupante: a cada ano, o grau de ignorância das gerações mais jovens acerca do Holocausto parece aumentar.

Hoje, oito décadas após o genocídio de seis milhões de judeus pelo regime nazista, uma parcela ampla da sociedade desconhece informações básicas a seu respeito. Não sabem o que foi, quem o causou, por que ocorreu.

No Brasil, pesquisa de 2019 da Anti-Defamation League, organização histórica no combate ao antissemitismo, mostrou que 22% dos entrevistados nunca haviam ouvido falar no Holocausto, e 15% acreditavam que o número de mortos teria sido exagerado.

A ignorância generalizada é terreno fértil para o ódio. À medida que a memória coletiva do Holocausto esmaece, grupos mal intencionados vêm preenchendo o espaço que ela ocupava de forma metódica e intensiva, com banalizações, negacionismo e discursos violentos.

Em 2022, é possível ver os frutos dessa ignorância em todo lugar. Na Europa, partidos com inclinações neonazistas, como a AfD (Alternativa para a Alemanha), proliferam e conquistam adeptos, aproximando-se perigosamente dos espaços de poder.

Nos EUA, são cada vez mais frequentes ataques a sinagogas e outras formas de violência — física ou simbólica — direcionada a judeus.

Os mesmos grupos antissemitas que organizam esses ataques têm a erosão e a manipulação da memória como projeto prioritário, e conseguem propagar suas mensagens com um grau de penetração surpreendente.

Muitos jovens americanos já declararam ter visto na internet símbolos nazistas e posts negando ou distorcendo o Holocausto.

Já o Brasil vive uma explosão de grupos extremistas, dos quais a maioria é neonazista. Segundo a antropóloga Adriana Dias, essas células cresceram 270% entre 2019 e 2021, chegando a 530 grupos — cerca de 10 mil pessoas.

Gestados em fóruns online, eles têm dado sinais alarmantes de que não pretendem se limitar a disseminar mensagens de ódio na internet, mas a efetivá-las na vida real, adquirindo armas e organizando treinamentos paramilitares.

Essas circunstâncias atestam a falência coletiva da sociedade em educar seus jovens. Enquanto não fizermos um esforço concreto para reverter essa realidade, corremos riscos sérios, para além da comunidade judaica.

O antissemitismo contemporâneo, afinal, é a manifestação de um mal mais profundo – a intolerância. No Brasil, os mesmos grupos que pregam a violência contra os judeus já se organizam para praticá-la contra negros, nordestinos e LGBTs.

Nesse sentido, trabalhar contra a banalização do Holocausto é crucial não apenas para os judeus, mas para a nossa sobrevivência enquanto civilização. Ao falar do Holocausto, estamos lutando também contra outros genocídios.

À medida que nos distanciamos do Holocausto, é crucial preservar sua memória, reforçar a sua dimensão enquanto trauma coletivo.

Neste 27 de janeiro, Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que lembremos do óbvio: aprender com o passado é a única forma de proteger o futuro.

* Claudio Lottenberg é Presidente do Conselho Deliberativo da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein e da Conib (Confederação Israelita do Brasil).

Para mais informações sobre Holocausto clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: GBR Comunicação



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder