Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aprender com o passado para proteger o futuro

Aprender com o passado para proteger o futuro

29/01/2022 Claudio Lottenberg

Ignorância sobre o Holocausto cria terreno fértil para a violência contra minorias.

Já faz algum tempo que os judeus do mundo inteiro vêm constatando uma tendência preocupante: a cada ano, o grau de ignorância das gerações mais jovens acerca do Holocausto parece aumentar.

Hoje, oito décadas após o genocídio de seis milhões de judeus pelo regime nazista, uma parcela ampla da sociedade desconhece informações básicas a seu respeito. Não sabem o que foi, quem o causou, por que ocorreu.

No Brasil, pesquisa de 2019 da Anti-Defamation League, organização histórica no combate ao antissemitismo, mostrou que 22% dos entrevistados nunca haviam ouvido falar no Holocausto, e 15% acreditavam que o número de mortos teria sido exagerado.

A ignorância generalizada é terreno fértil para o ódio. À medida que a memória coletiva do Holocausto esmaece, grupos mal intencionados vêm preenchendo o espaço que ela ocupava de forma metódica e intensiva, com banalizações, negacionismo e discursos violentos.

Em 2022, é possível ver os frutos dessa ignorância em todo lugar. Na Europa, partidos com inclinações neonazistas, como a AfD (Alternativa para a Alemanha), proliferam e conquistam adeptos, aproximando-se perigosamente dos espaços de poder.

Nos EUA, são cada vez mais frequentes ataques a sinagogas e outras formas de violência — física ou simbólica — direcionada a judeus.

Os mesmos grupos antissemitas que organizam esses ataques têm a erosão e a manipulação da memória como projeto prioritário, e conseguem propagar suas mensagens com um grau de penetração surpreendente.

Muitos jovens americanos já declararam ter visto na internet símbolos nazistas e posts negando ou distorcendo o Holocausto.

Já o Brasil vive uma explosão de grupos extremistas, dos quais a maioria é neonazista. Segundo a antropóloga Adriana Dias, essas células cresceram 270% entre 2019 e 2021, chegando a 530 grupos — cerca de 10 mil pessoas.

Gestados em fóruns online, eles têm dado sinais alarmantes de que não pretendem se limitar a disseminar mensagens de ódio na internet, mas a efetivá-las na vida real, adquirindo armas e organizando treinamentos paramilitares.

Essas circunstâncias atestam a falência coletiva da sociedade em educar seus jovens. Enquanto não fizermos um esforço concreto para reverter essa realidade, corremos riscos sérios, para além da comunidade judaica.

O antissemitismo contemporâneo, afinal, é a manifestação de um mal mais profundo – a intolerância. No Brasil, os mesmos grupos que pregam a violência contra os judeus já se organizam para praticá-la contra negros, nordestinos e LGBTs.

Nesse sentido, trabalhar contra a banalização do Holocausto é crucial não apenas para os judeus, mas para a nossa sobrevivência enquanto civilização. Ao falar do Holocausto, estamos lutando também contra outros genocídios.

À medida que nos distanciamos do Holocausto, é crucial preservar sua memória, reforçar a sua dimensão enquanto trauma coletivo.

Neste 27 de janeiro, Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que lembremos do óbvio: aprender com o passado é a única forma de proteger o futuro.

* Claudio Lottenberg é Presidente do Conselho Deliberativo da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein e da Conib (Confederação Israelita do Brasil).

Para mais informações sobre Holocausto clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: GBR Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.