Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aprendizagem e as novas tecnologias computadorizadas

Aprendizagem e as novas tecnologias computadorizadas

18/05/2012 Valmor Bolan

Os grandes avanços da comunicação, especialmente a Internet, ampliaram a interatividade e o intercâmbio de conhecimentos.

Hoje é possível acessar pela rede enciclopédias inteiras, obras clássicas da literatura, da arte, da música, etc. Ficou muito mais estimulante estudar, pois há muitas informações disponíveis, referências bibliográficas, debates online, entre tantas possibilidades.

É preciso, portanto que os professores consigam motivar os estudantes a um melhor aproveitamento destas novas tecnologias, para que os alunos saibam não apenas acessar as informações, mas saber refletir sobre elas, enfim, fazer os jovens pensarem. A Internet é meio e não fim, daí que o desafio é fazer os alunos utilizarem os recursos existentes para que possam melhor compreender o mundo, e intervir no processo histórico de modo criativo e crítico. Nesse sentido, a Internet não pode ser visto apenas como entretenimento e sim como poderosa ferramenta para aquisição de conhecimentos.

E até quem sabe a convergência de aprendizado como atividade lúdica. Afinal, não deveria ser tão maçante estudar, mas algo prazeroso. Apesar de tanta pujança tecnológica, o que não podemos é nos desumanizarmos, mas aproveitarmos a riqueza ao nosso alcance para justamente nos tornarmos melhores como pessoas, em todos os aspectos.

Em tempos de e-books, permanece o gosto pela leitura, e tudo isso deve continuar a fazer parte da vida do estudante, sem que a Internet empobreça e reduza o processo ensino- aprendizagem, pelo contrário. Saber ler um bom livro é também aprender a escrever bem um texto. Por isso, é necessário que saibamos estimular os jovens à leitura, mesmo os textos acadêmicos em pdf, pois é somente lendo, lendo mesmo, é que irão alcançar níveis elevados de reflexão e criatividade.

Não será preciso ter medo dos avanços obtidos, mas certamente encontrar os limites apropriados do seu uso, e os ajustes que se fazem necessários para evitar excessos. É muito gratificante ver como hoje podemos ter acesso aos arquivos de museus, baixar letras e músicas de todos os tempos e nações, traduzir com muito mais facilidade e rapidez documentos de diversas naturezas, e tudo isso contribuindo para um dinamismo cultural cada vez mais intenso.

Temos que deixar o ceticismo de lado e estarmos abertos ao muito que podemos fazer com tudo isso ao nosso dispor nos dias de hoje. Para Rachel Wandelli, "a web é, em si, muito mais uma quimera tecnológica, onde coabitam formas passadas, presentes e futuras do que uma superação total do velho pelo novo.

Como bem anotou Pierre Lévy, em tecnologias da inteligência, o computador sobrepõe diversas mídias (televisão, telex, livro, rádio, telefone, fax, vídeo, gravador, cinema) em um sincretismo de formas e linguagens (verbal, oral, icônica), sem se reduzir a nenhuma delas. O novo não apaga o velho, como na imagem do palimpsesto, antigo pergaminho submetido a uma solução química para receber nova inscrição, de forma que era possível encontrar sob a superfície raspada, as camadas anteriores de escrita.

O novo não apaga o velho, mas ao incidir sobre ele recria-o, transforma-o." É em vista de uma transformação que aprimore o ser humano que queremos conciliar as velhas formas de aprendizado com as novidades do tempo presente. É assim que conseguiremos superar os desafios atuais e alcançar uma realidade mais humana, com benefícios para todos.

*Valmor Bolan é Doutor em Sociologia e Presidente da Conap/Mec (Comissão Nacional de Acompanhamento e Controle Social do Prouni).



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes