Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Argentina fechará 12 ministérios

Argentina fechará 12 ministérios

23/11/2023 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Circula pelas redes sociais, vídeo onde Javier Milei, presidente eleito da Argentina anuncia a eliminação de 12 ministérios e a manutenção de apenas 8.

Os de natureza político-ideológica, que foram criados para empregar militantes e conquistar os votos das minorias que não têm força para se eleger, mas podem ajudar na eleição de quem já possui seu capital político.

Pela fala do futuro presidente que – evidentemente – era uma declaração de campanha – os argentinos deixarão de gastar seu dinheiro público com os ministérios do Turismo e Esportes, da Cultura, do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, das Mulheres, Gênero e Diversidade, de Obras Públicas, de Ciência, Tecnologia e Inovação, do Trabalho, Emprego e Seguridade Social, da Educação, do Transporte, da Saúde e do Desenvolvimento Social.

Restarão as pastas do Capital Humano, da Infraestrutura, da Economia, da Justiça, da Seguridade, da Defesa, das Relações Exteriores e do Interior.

Exatamente o contrário do que acontece no Brasil, quando Dilma Rousseff foi afastada, Michel Temer diminuiu de 32 para 23. Jair Bolsonaro reduziu para 18, embora tenha mantido quatro órgãos com status ministerial.

No começo do ano, ao assumir o terceiro mandato na Presidência, Lula aumentou para 37 ministérios, um aumento de 60%.

O fez, tanto para acomodar o pessoal que o levou à vitória eleitoral, quanto para conquistar votos congressuais que precisa para aprovar seus projetos no parlamento.

Verifica-se que a diferença entre o Brasil e a Argentina de Milei é quilométrica. Enquanto aqui a aritmética é da cooptação de apoios em torça de emendas parlamentares e outras benesses, lá a idéia é o enxugamento, já que o país quebrou literalmente.

Além de diminuir os ministérios, o novo governo prepara a privatização de empresas e serviços estatais, num modelo inteiramente novo de administração. É tudo muito novo aos olhos do mundo.

O desafio inicial do novo governo é a dolarização da economia e a liquidação do Banco Central, que virão logo após a extinção dos ministérios.

Analistas ainda perguntam se o presidente terá forças para promover mudanças tão radicais, num país como a Argentina, cujo povo possui sangue “quente”.

A nós – principais parceiros econômicos da Argentina – só compete neste momento observar o rumo das coisas no vizinho país e buscar ter o melhor relacionamento possível, independente do viés político-ideológico daqui e de lá.

As relações comerciais, a troca de mercadorias, veículos e outros produtos nada tem de político ou ideológico. Tanto faz vendê-los ou compra-los de quem tem alinhamento diferente do nosso.

Mas convém observar quais os resultados que as medidas de tamanho impacto que o novo governo vem preparando.

Elas poderão nos sinalizar soluções cabíveis também para nossos problemas, independentemente de serem nossos governantes simpáticos ou não a Milei e seus parceiros de Buenos Aires.

É de se esperar que os dois lados da relação Brasil-Argentina tenham muito juízo e possam se beneficiar das convergências e aprender com as divergências.

Quando nosso vizinho faz algo que dê errado, podemos nos beneficiar disso, evitando fazer a mesma coisa. Por todas as incertezas, nunca é demais a frase Deus salve a Argentina (e jamais nos desampare) ...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre Argentina clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra