Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Argentinos rejeitam a esquerda

Argentinos rejeitam a esquerda

22/11/2023 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A eleição do libertário Javier Milei – que promete um governo à direita e com menor interferência do Estado – representa uma guinada à Argentina, país detentor da segunda economia do continente.

No curto período da campanha, os argentinos tomaram conhecimento e aceitaram a pregação do candidato que, entre outras coisas, pretende dolarizar a economia e fechar o Banco Central.

Milei venceu com 55% dos votos contra 44% de Sérgio Massa, o candidato apoiado pelo governo do presidente Alberto Fernandez, que representa o peronismo e o kirchnerismo, seu controverso sucessor.

A diferença (de 11 pontos) representa 3 milhões de votos que, dependendo do desempenho do novo governo, poderá sepultar o peronismo, que governou o vizinho país de 1946 a 55, e de 73 a 74, ano em que morreu seu líder, Juan Domingo Perón.

Seus sucessores continuaram carregando seu cadáver e até agora estão no poder, mas, pelo resumo da obra do mandato que se encerra, notadamente a inflação anual de 140% e a política estatizante perderam o apoio popular (e a eleição).

A Argentina foi o país mais rico da América do Sul e perdeu essa posição por conta do populismo e outros problemas políticos. Sofreu ditaduras e repressão.

O povo argentino, politizado que é, já chegou até a derrubar um presidente no panelaço (Fernando de La Rua, em 2001). Mas, nem assim recuperou a estabilidade política e econômica.

Milei encontrou terreno fértil para propor mudanças radicais e, com esse proselitismo, ganhou a eleição. Agora promete uma nova Argentina.

Torcemos para que o presidente Fernandez possa fazer uma transição pacífica e que, a partir de 10 de dezembro, quando tomar posse, Milei consiga implementar seus planos de recolocar o país na rota da estabilidade e do desenvolvimento.

Evite os radicalismos que têm levado aquela potente nação a problemas que fazem o povo sofrer. Nós, brasileiros, não devemos ignorar que a Argentina é grande parceira do Brasil, cliente de nossos produtos manfaturados e fornecedora de mercadorias que importamos.

E que temos em comum o Mercosul, mecanismo econômico que já poderia ter rendido melhore frutos, não fosse a política dos países-membros e suas interferências ideológicas como, por exemplo, a admissão da problemática Venezuela.

Espera-se juízo do sr. Milei – para não decepcionar os seus eleitores – e ter um mandato útil aos “hermanos”. Sua eleição, além da governança que deve proporcionar, é um grande balde de água fria sobre a estapafúrdia idéia lançada em 1990 no Foro de São Paulo, de se criar a URSAL (União das Repúblicas Socialistas da América Latina), nos moldes da antiga União Soviética que, apesar de toda a força que teve, esfacelou-se como bloco. É um duro golpe aos que ainda sonham com o comunismo.

O Brasil tem pecado ao meter seu bico nas eleições argentinas. Jair Bolsonaro falou contra a eleição de Alberto Fernandez, que se elegeu.

Lula enviou marqueteiros e deu seu apoio explicito à candidatura de Sérgio Massa, que acaba de perder. Já trocou farpas com Milei.

Mas, gostando ou não, ambos precisam respeitar a tradição, a geopolítica e os interesses econômicos dos dois países. Torcemos para que se contenham e administrem as diferenças para evitar prejuízos às nações.

Quanto a Lula, particularmente, somos de opinião que deve voltar suas atenções para governar o Brasil (o que é sua obrigação) e não tente interferir em guerras, políticas externas e eleições de outros países.

Se já tivesse adotado esse comportamento, hoje não teria “perdido” a eleição na Argentina e nem arrumado divergências nas guerras Israel-Hamas e Rússia-Ucrânia.

Por favor, presidente, o queremos governando nosso País. Todo o resto é dispensável...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre Argentina clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho