Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Arranhões ao equilíbrio institucional

Arranhões ao equilíbrio institucional

03/08/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O vice-presidente, Hamilton Mourão, afirma que o Judiciário tem sido usado como linha auxiliar dos partidos que perderam as eleições ou não conseguem vencer as votações no Congresso.

É preocupante, pois fere o princípio constitucional de independência e harmonia dos poderes. Cada um deles – Executivo, Legislativo e Judiciário – tem suas funções específicas e deve cumpri-las sem admitir ingerências.

A se tomar como verdadeiro o que diz o general vice-presidente, o momento exige reflexões e providências para recolocar as coisas no rumo certo, sob pena de, não o fazendo, podermos desaguar na crise institucional.

Para ser salutar, a República e o Estado Democrático de Direito têm de ser íntegros para, com isso, poderem dirimir dúvidas, solucionar os problemas da sociedade e conduzi-la à paz e estabilidade.

Tornou-se moda, congressistas e entidades provocarem a Justiça em busca de soluções que não conseguem alcançar através do diálogo e da ação legislativa, cada dia mais deficientes num ambiente político polarizado, onde os adversários se tornaram inimigos e não medem esforços e nem sofismas para ganhar a contenda.

E o Judiciário acabou abraçando as causas, tornando-se, perigosamente, parte no embate político. Juízes, desembargadores e ministros viram-se, com o tempo, na condição de  agentes políticos togados.

Um dos resultados é o questionamento que hoje se faz sobre a forma de escolha dos ministros dos tribunais superiores, indicados pelo presidente da República e aprovados pelo Senado.

Pugna-se, entre outras coisas, sua escolha privativamente entre magistrados de carreira e não sobre indicados egressos do meio político.

Vemos agora, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, pregar a quarentena de 8 anos para ex-juízes e membros do Ministério Público poderem se candidatar a postos eletivos.

Parece casuísmo para barrar uma possível candidatura do ex-juiz e ministro Sérgio Moro. Mas, mesmo que não seja, é uma quarentena exagerada para quem já cumpriu uma carreira.

É o mesmo tempo da pena acessória de inelegibilidade aplicada como castigo aos políticos afastados que, no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, foi perdoada.

A atual democracia brasileira – cantada em prosa e versos nas últimas três décadas – enfrenta problemas que exigem rápida solução.

A principal é que cada ocupante de funções públicas eletivas ou de carreira cumpra à risca suas obrigações de oficio e jamais avancem sobre atribuições alheias.

O Executivo para executar, o Legislativo para legislar e o Judiciário para julgar, com toda a clareza e simplicidade que um dia os formuladores das regras político-sociais pretenderam ao estabelecer o regime representativo, onde o cidadão abre mão de prerrogativas individuais em favor do bem coletivo.

Há que se garantir o equilíbrio institucional, sem o quê o regimen não se sustenta…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques