Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Arrecadação brasileira é motivo de preocupação

Arrecadação brasileira é motivo de preocupação

27/11/2012 Enio De Biasi

Analisando os dados do 3º trimestre de 2012, o que era ponto de alerta na economia transformou-se em razão de preocupação.

A evolução da receita tributária federal de janeiro a setembro de 2012, em termos reais (atualizada pelo IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), mostra que, em linhas gerais, a arrecadação dos tributos administrados pela Receita Federal do Brasil (RFB) cresceu “apenas” 6% em 2012, nominalmente, em relação a 2011. Não é muito mais do que a inflação do período.   Comparando esse desempenho com o índice oficial – IPCA –, o crescimento real foi de 0,67%. É muito pouco para permitir o cumprimento da meta de superávit primário, a ponto de o Ministro da Fazenda já ter admitido que o país não vai atingir o objetivo de economizar 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB).   Bem que gostaríamos, mas esse cenário não significa que o Estado brasileiro entendeu, de uma vez por todas, que a carga tributária atingiu seu limite. Longe disso. Ele é resultado de medidas pontuais adotadas pelo Governo Dilma Rousseff, como a redução da alíquota do Imposto Sobre Produtos Industrializados, o IPI, beneficiando alguns setores e a fixação de alíquota zero na CIDE-Combustíveis.

Mas é também consequência do baixo crescimento da economia e da ingerência governamental sobre alguns relevantes setores econômicos, que tem se traduzido em resultados e balanços mais fracos e, por extensão, em menor recolhimento de tributos.   Não por outras razões, todas as divisões econômicas monitoradas pela RFB apresentaram queda na arrecadação. O quadro abaixo demonstra a comparação entre as receitas tributárias de 2011 e 2012, em bases correntes (preços de setembro/2012):  
  A arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) pelos Estados do Sul e do Sudeste, ao menos por enquanto, não demonstra o mesmo grau de involução. O quadro mais grave parece ser o do Governo Federal, mas as razões para preocupação também estão presentes na esfera estadual, por dois motivos.

O repasse dos tributos federais para os Estados tem relação direta com a arrecadação da Receita Federal. E a estagnação econômica, em maior ou menor intensidade, e o estrangulamento das receitas e dos resultados de alguns setores, em pouco tempo, vai se refletir no pagamento de ICMS por parte das empresas.   Controle dos gastos públicos. Investimento em infraestrutura. Regulação estável dos setores estratégicos. Privatização (ou concessão, como prefere o PT). Desejamos um 2013 de grandes realizações e com motivos para comemorar. E que os governos façam a sua parte!   * Enio De Biasi é sócio-diretor da De Biasi Auditores Independentes



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.