Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Arrecadação brasileira é motivo de preocupação

Arrecadação brasileira é motivo de preocupação

27/11/2012 Enio De Biasi

Analisando os dados do 3º trimestre de 2012, o que era ponto de alerta na economia transformou-se em razão de preocupação.

A evolução da receita tributária federal de janeiro a setembro de 2012, em termos reais (atualizada pelo IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), mostra que, em linhas gerais, a arrecadação dos tributos administrados pela Receita Federal do Brasil (RFB) cresceu “apenas” 6% em 2012, nominalmente, em relação a 2011. Não é muito mais do que a inflação do período.   Comparando esse desempenho com o índice oficial – IPCA –, o crescimento real foi de 0,67%. É muito pouco para permitir o cumprimento da meta de superávit primário, a ponto de o Ministro da Fazenda já ter admitido que o país não vai atingir o objetivo de economizar 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB).   Bem que gostaríamos, mas esse cenário não significa que o Estado brasileiro entendeu, de uma vez por todas, que a carga tributária atingiu seu limite. Longe disso. Ele é resultado de medidas pontuais adotadas pelo Governo Dilma Rousseff, como a redução da alíquota do Imposto Sobre Produtos Industrializados, o IPI, beneficiando alguns setores e a fixação de alíquota zero na CIDE-Combustíveis.

Mas é também consequência do baixo crescimento da economia e da ingerência governamental sobre alguns relevantes setores econômicos, que tem se traduzido em resultados e balanços mais fracos e, por extensão, em menor recolhimento de tributos.   Não por outras razões, todas as divisões econômicas monitoradas pela RFB apresentaram queda na arrecadação. O quadro abaixo demonstra a comparação entre as receitas tributárias de 2011 e 2012, em bases correntes (preços de setembro/2012):  
  A arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) pelos Estados do Sul e do Sudeste, ao menos por enquanto, não demonstra o mesmo grau de involução. O quadro mais grave parece ser o do Governo Federal, mas as razões para preocupação também estão presentes na esfera estadual, por dois motivos.

O repasse dos tributos federais para os Estados tem relação direta com a arrecadação da Receita Federal. E a estagnação econômica, em maior ou menor intensidade, e o estrangulamento das receitas e dos resultados de alguns setores, em pouco tempo, vai se refletir no pagamento de ICMS por parte das empresas.   Controle dos gastos públicos. Investimento em infraestrutura. Regulação estável dos setores estratégicos. Privatização (ou concessão, como prefere o PT). Desejamos um 2013 de grandes realizações e com motivos para comemorar. E que os governos façam a sua parte!   * Enio De Biasi é sócio-diretor da De Biasi Auditores Independentes



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins