Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As águas de março e os desastres do bem

As águas de março e os desastres do bem

09/04/2018 Márcia C. M. Marques

“São as águas de março fechando o verão, é a promessa de vida no teu coração”.

Com estes versos, o grande maestro Tom Jobim expressou, de forma simbólica, o valor das águas de março, mês mais chuvoso de grande parte do sul, sudeste e centro-oeste brasileiros, na renovação da vida e do amor.

Tom, um grande admirador da natureza e perspicaz observador, nesta canção usou, metaforicamente, elementos possivelmente da região serrana do Rio de Janeiro, para compor uma série de antíteses, tão típicas da natureza real e da natureza humana, que podem ser resumidas na ideia de que os ciclos são importantes para a renovação.

Tom certamente não pensou em nenhuma teoria científica da ecologia quando juntou estes versos, mas eles têm sim um grande significado sobre o funcionamento da natureza. As chuvas torrenciais existem, historicamente, desde que os trópicos são trópicos.

As matas, os cerrados e as caatingas dependem da “chuva chovendo”, do “vento ventando” e do “tombo da ribanceira” para lavar e renovar os solos, estimular o brotamento e a florada das plantas e dar chances de novas espécies de plantas e animais ali chegarem.

Especialmente em regiões montanhosas, como na Mata Atlântica, as chuvas de março podem causar grandes movimentos de terreno que descem montanha abaixo. A terra exposta pelos deslizamentos é logo colonizada por novas espécies, diferentes das que estavam por lá.

Em um estudo realizado pelo grupo de pesquisa da Universidade Federal do Paraná (UFPR), verificamos que a diversidade de formas de folhas e caules das plantas, exercendo funções também bastante diversas, é muito alta nestas cicatrizes de antigos deslizamentos.

Com o tempo, na soma de vários deslizamentos, a diversidade da Mata Atlântica aumenta, resultando neste bioma extremamente diverso e exuberante que todos conhecemos. São desastres do bem e a “promessa de vida” das matas tropicais.

Infelizmente, nem tudo é riqueza nesta história. Quando não há planejamento para a ocupação dos espaços rurais ou urbanos, e as construções de cidades e povoados chegam até as encostas e sopés das montanhas, o resultado pode ser catastrófico: “É o carro enguiçado, é a lama, é a lama”.

Vivenciamos, em todos os verões, notícias sobre alagamentos, deslizamentos, soterramentos em boa parte do Brasil, causando tristeza e morte. As chuvas e as montanhas sempre estiveram lá, mas o homem chegou e ocupou o lugar mais propenso a desastres.

Não tem como mudar a natureza, mas tem como evitar o embate com ela, planejando a ocupação, removendo populações em situações de risco, promovendo a readequação das vias pluviais em regiões urbanizadas, entre outros.

E isso tem que ser feito rapidamente, pois, com as mudanças globais em curso, as chuvas irão aumentar a níveis muito além dos padrões históricos. O homem não vai resistir. As matas diversas das encostas das montanhas também não. “É o fundo do poço, é o fim do caminho”.

* Márcia C. M. Marques é cientista, ecóloga, professora da Universidade Federal do Paraná e faz parte da Rede de Especialistas de Conservação da Natureza.

Fonte: Central Press



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre