Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As falcatruas e os fatos paralelos

As falcatruas e os fatos paralelos

15/07/2015 Dirceu Cardoso Gonçalves

Os episódios recentes dos mensalões e da Lava-Jato apontam para um Brasil novo e exigem total apuração.

A apreensão de três veículos de alto luxo na casa do senador Fernando Collor, cujos suntuosos jardins ajudaram a derrubá-lo da presidência da República em 1992, causa espanto. O que leva um homem público a viver com tanto luxo, quando depende do voto dos miseráveis descamisados para se manter em seu posto? Mas, pior do que a ostentação é o clima que se estabelece na vida política nacional.

Collor se diz vítima do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o acusa de práticas criminosas. Dezenas de outros políticos estão na mira das operações da Polícia Federal, todas autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal, em razão do foro privilegiado de que dispõem. Até os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados são apontados como alvos de investigações.

Não era de se esperar outro comportamento da Justiça, nosso último bastião, diante dos informes apurados no âmbito da Operação Lava-Jato, até agora um dos mais volumosos escândalos político-administrativos da Nação, que levou ao cárcere figurões até então tidos como intocáveis tanto pelas suas relações com o poder quanto pelo volume de dinheiro que têm no bolso. Dinheiro muitas vezes obtido através de fraudes, superfaturamentos e outras falcatruas que lesam o cofre público.

A profilaxia é necessária se quisermos, um dia, ter um país próspero e respeitado. Mas, no momento, o que se verifica, é o processo de retaliação onde os congressistas se reposicionam, rompem acordos políticos e criam dificuldades para o governo. No embate, surgem acusações graves de uns contra outros.

A justiça precisa, com toda rapidez, montar estratégias para a apuração dos fatos e denúncias paralelas e adotar providências contra os envolvidos e, sendo inverídicas, processar os falsos acusadores. Não devemos esquecer que a corrupção é do homem e não pode, jamais, envolver as instituições.

A crise político-institucional brasileira tem suas raízes na impunidade. Durante décadas falou-se abertamente sobre esquemas, cartéis, fraudes e uma série de irregularidades, sem que seus praticantes ou acusadores fossem chamados à explicação. Os episódios recentes dos mensalões e da Lava-Jato apontam para um Brasil novo e exigem total apuração.

Coisas como o senador Fernando Collor fala do procurador Rodrigo Janot não podem ficar sem apuração para que, apurada a verdade dos fatos, se promova a reparação a quem for a vitima e o apenamento daquele que restar provado como criminoso. Queremos um Brasil transparentes, limpo e solidário. Nada mais...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo)



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques