Portal O Debate
Grupo WhatsApp


As flores no caminho

As flores no caminho

01/02/2018 Oscar D'Ambrosio

Imersos na maratona cotidiana, corremos o risco de deixar de olhar para o que está ao nosso lado.

As flores no caminho

Italiana de nascimento e radicada no Brasil desde os 12 anos de idade, a médica cardiologista Floriana Bertini tem a palavra "flor" no nome e, embora a observação pareça ingênua, no caso dessa artista visual, parece haver um projeto do destino, pois a maneira que fotografa flores faz desabrochar nela e em quem a cerca um universo de afetos.

Essa dinâmica é expressa no projeto #asfloresnocaminho. Tudo começou no intervalo entre os exames que coordena. Viu uma flor e a fotografou. Repetiu a ação no dia seguinte e iniciou uma saga de imagens que ensinam a educar o olhar. Afinal, imersos na maratona cotidiana, corremos o risco de deixar de olhar para o que está ao nosso lado. E não é pouco o que ali existe!

As expressões visuais que Floriana apresenta são arte por diversos aspectos. O principal é a sua capacidade de envolver pessoas, que se sentem motivadas a desenvolver os próprios olhares num caminhar pelo mundo que não se limita a estar, mas passa a incluir o participar, o estar e o sentir junto com os outros.

Foi assim criado o projeto #asflorzinhasnocaminho, que leva crianças a fotografar flores em parques. As ações com adultos e crianças se complementam com a produção de textos e o apuro de sensibilidades.

Num momento em que tão poucos se preocupam com o distanciamento da arte da sociedade, Floriana Bertini gera debates e interações com suas flores. Que lindo!

* Oscar D´Ambrosio é Doutor em Educação, Arte e História da Cultura e Mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.