Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As histórias que o padre conta

As histórias que o padre conta

19/04/2024 Dimas Künsch

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Assim que terminou de pronunciar essas palavras, Jonas Abib, o padre, contou mais uma daquelas suas histórias que ensinavam verdadeiras lições de vida.

Em seguida, com a voz cansada e as mãos trêmulas, abençoou os autores do livro de sua biografia, no meio da tarde do dia 13 de julho de 2022.

Exatamente cinco meses depois, em 12 de dezembro do mesmo ano, ele faleceu, faltando menos de dez dias para completar 86 anos.

Na ocasião, a história que o padre contou foi a de um jogo de futebol entre São Paulo e Corinthians, no último domingo de agosto de 1949.

Com 12 anos de idade e faltando uma semana para entrar no seminário, Jonas foi ao estádio do Pacaembu junto com o pai, o pedreiro Sérgio Abib, filho de pai libanês e mãe italiana, imigrantes.

Até o intervalo do primeiro tempo, era impossível prever o resultado. No final, ganhou o São Paulo, de 3 a 2. Foram três gols do astro Leônidas, o Diamante Negro! São-paulinos, pai e filho vibraram muito.

Encerrada a partida, demorou mais de hora para chegarem em casa, no bairro da Cachoeirinha, lá longe, “a periferia da periferia, na época”, como contou o padre.

Por pouco não tinham que percorrer a pé o caminho de terra que os levava à casa recém-construída, a primeira da família, nem pronta de verdade estava. Ônibus não havia naquele dia.

A morte de padre Jonas, em dezembro de 2022, e os meses muito difíceis que se seguiram levaram o projeto do livro a um ponto crítico, justamente na metade do período de um ano e meio dedicado à sua produção.

O material jornalístico disponível era abundante e o padre já não estaria mais junto, revisitando com carinho as histórias que sentia sempre tanto prazer em contar.

E nem poderia acompanhar o nascimento dos dezesseis capítulos da obra de mais de 500 páginas em que sua vida dialoga o tempo todo com sua fé em Deus, com a esperança e a vontade imensa de servir ao próximo.

Nem a morte, porém, impediu padre Jonas de contar as suas histórias, de mais de uma maneira. Histórias alegres, que teceram o arco de sua vida desde o nascimento, em Elias Fausto, interior de São Paulo, em 1936, até a sua morte, em Cachoeira Paulista (SP), na sede da comunidade religiosa que fundou: a Canção Nova. E histórias também tristes, não tão poucas assim.

Já aos 2 anos de idade teve que ser submetido às pressas a uma cirurgia dos olhos, em Campinas (SP), para não perder a visão.

O pagamento do empréstimo que o pai precisou fazer durou anos, e obrigou a jovem família a se mudar muito cedo para a capital, em busca de trabalho.

A família – pai, mãe e o filho Jonas – passa a morar nos primeiros tempos num porão, no bairro da Barra Funda. Pobre, muito pobre, era o que tinha condições de pagar.

Anos mais tarde, já na segunda metade da década de 1950, o pai arruma a mala para uma longa viagem até o Planalto Central, onde estava sendo erguida a futura capital federal, Brasília, inaugurada em 1961.

O pedreiro Sérgio deixaria para trás por quatro ou cinco anos a esposa Josepha com a sua máquina de costura e seis filhos, dois meninos – o mais velho deles, Jonas, no seminário – e quatro meninas, a caçula mal tendo aprendido a andar.

O rosário completo das histórias mais sofridas de padre Jonas fala de doenças e cirurgias diversas e de muitas idas ao hospital, com uma frequência impressionante nos últimos anos de sua vida, até a morte, decorrente de um câncer.

Inclui ainda um período dos mais difíceis – “terrível”, na expressão do padre – que desde São João da Cruz (1542-1591) se conhece pelo nome de “noite escura da alma”.

Em alguns dos momentos mais dramáticos, parecia o fim. Já não conseguia rezar, perdera o sentido das coisas, se perguntava se tinha valido a pena a vida até então, tanta coisa feita, tanto sonho realizado! Mas Jonas Abib, que nunca reclamava de nada, se mantinha de pé, do jeito como muitas vezes se aguentava.

Ele soube ler, inclusive, na mais profunda depressão – mesmo às vezes com os lábios cerrados de dor e com os olhos turvos pelas lágrimas – um sinal de que estava sendo provado, qual Jó, no exercício da fé, da misericórdia, da paciência e da coragem.

Morreu com a alma leve, qual passarinho, tendo combatido o bom combate, na expressão do apóstolo Paulo. Pouco tempo antes havia redigido, à mão, o último documento que quis deixar para a comunidade que fundou. Era sobre “o hábito do sorriso”.

Morreu sorrindo, docemente, em sua casa, cercado de perto e de longe pelas pessoas a quem tanto amou na vida, tendo instantes antes recostado a cabeça no travesseiro do leito hospitalar após ter rezado a oração do Anjo do Senhor.

* Dimas Künsch é professor universitário e escritor, autor do livro “O Padre: a História de Vida de Jonas Abib”, junto com a jornalista Renata Carraro.

Para mais informações sobre histórias clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques